Astrofísica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Cometinha.jpg Este é mais um artigo com pretensão pseudo-científica, portanto, seu autor é um desocupado mentiroso que não diz coisa com coisa.
Uma astrofísica ensinando Astrofísica. Se reparou no quadro, então tenho más notícias pra você...

A Astrofísica é dos vários ramos discriminados da Física, justamente por se apropriar dela para tentar descrever atributos e situações que envolvem trambolhos voadores espaciais, em uma baita mistureba com a Astronomia. Além de ser um semi-plágio mais chato da Cosmologia, é claro...

Conceitos inventados[editar]

De maneira similar à Física do Petrefiolismo, quem vive a investigar problemas inventados pela Astrofísica trata de inventar constantes e leis pra perder menos tempo de vida inventando muita coisa. Os mais céticos afirmam que só é possível inventar uma estrela qualquer para estudá-la após alguns baseados mais concretos e realistas.

Metodologia de análise[editar]

Um objeto brilhante sendo medido por um astrofísico.

Como um astrofísico qualquer não consegue chegar ao espaço (porque se conseguisse, seria menos fracassado que um astronauta), então ele tem a simples tarefa de fazer com que o espaço venha até ele para poder estudá-lo. Funciona mais ou menos como no processo de psicologia reversa.

A respeito da "lógica" empregada nos métodos, vejamos uma das muitas contradições da Astrofísica a seguir.

  • Coisas mais leves giram em torno de coisas mais pesadas (Teoria da Gravidez).
  • Os planetas giram em torno do Sol.
  • Mas o Sol é uma grande bola de fogo, e o fogo não pesa porra nenhuma.
  • Logo, o Sol inteiro pesa menos que um peido e meio, e tanto quanto um gordo inteiro.
  • Qualquer valor que o astrofísico inventar para a massa do Sol é válido (desde que atenda a essas condições).

Outras problemáticas[editar]

Um dos maiores desafios da Astrofísica moderna é fazer com que alguém leve a sério toda essa parafernalha. Em outras palavras, boa parte dos desocupados estudiosos dessa área nada mais fazem do que tentativas frustradas de expandir. Mas expandir em que sentido? Simples: expandir as leis que regem o pequeno planetinha onde vivem para o resto do universo. É óbvio que isso não funciona: por exemplo, não existe legislação para a coleta de lixo espacial (ainda). De maneira inversa, o vácuo existe na Terra: dentro das cabeças das pessoas. O lixo é que é opcional.

Do pó ao pó[editar]

O título dessa seção parece bem sugestivo, mas vamos esclarecer que o objetivo aqui é descrever a emocionante rotina saga de um astrofísico qualquer que não leciona (porque se lecionasse, gastaria bem mais tempo com os demônios).

  1. Se mata de estudar, até achar algo sem explicação detalhada.
  2. Em seguida, o indivíduo resolve fazer um projeto de pesquisa a respeito.
  3. O projeto é bem-sucedido, porque o infeliz das costas ocas se matou de estudar justamente para isso.
  4. O astrofísico (e sua equipe, se houver alguém pra internar o doido) recebe patrocínios e/ou prêmios e/ou xerecas por seus esforços em inventar algo que respondeu a uma das dúvidas da Humanidade.
  5. Retorna ao passo 1.

Relacionados[editar]