Berserk: Millennium Falcon Hen Seima Senki no Shō

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Virtualgame.jpg Berserk: Millennium Falcon Hen Seima Senki no Shō é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, o seu Neopet bate no Sloth com um jornal.

Berserk - The Game 2.0
Berserk ps2 capa.jpg

Spoilers acima

Informações
Desenvolvedor NOW WATCH ME YUUUUUUUUUKES
Publicador Rede de Supermercados Internacionais
Ano 2004
Gênero Massacre do Blocão de Ferro
Plataformas PlayStation 2 apenas
Avaliação Melhor da série, não que isso diga muito
Idade para jogar +18

Cquote1.svg Você quis dizer: Berserk de PS2? Cquote2.svg
Google sobre Berserk: Millennium Falcon Hen Seima Senki no Shō
Cquote1.svg Você quis dizer: Berserk: Referência de Star Wars? Cquote2.svg
Google sobre Berserk: Millennium Falcon Hen Seima Senki no Shō
Cquote1.svg Berserk o que sei lá das contas? Cquote2.svg
Seu tio sobre o título absurdamente longo do jogo
Cquote1.svg Pau no cu do Ocidente Cquote2.svg
Japão se recusando a traduzir o jogo pro resto do mundo

Berserk: Capítulo do Falcão do Milênio - As Crônicas da Santa Guerra Demoníaca Capítulo VII: Guts vai à Roma Appendix Λ Core Plus R é um título longo o suficiente para deixar Dom Pedro I com medo, além de ser o segundo jogo de Berserk feito na história. Feito pelo mesmo pessoal e lançado 5 anos depois do primeiro, pelo fato do Miura ser um verme maldito que lança 1 capítulo a cada 6 meses, os dois jogos ainda se passam durante o mesmo arco do mangá, sendo que este abandona o modelo de história original do último e acaba sendo uma adaptação mais fiel dos eventos originais com alguns personagens e coisinhas extras adicionadas para servir de marketing.

Por motivos de "Berserk não ser popular o suficiente no Oeste" , uma clara mentira, considerando que Berserk era praticamente inexistente nos States e ainda assim lançaram e o dublaram o Guts' Rage, o jogo nunca saiu do Japão e da Coréia do Sul, permanecendo um exclusivo da Terra do Sol Nascente até os dias de hoje.

Enredo[editar]

O jogo segue os eventos do mangá mais ou menos do momento em que Guts reencontra Griffith reencarnado no mundo humano até o momento em que ele adquire poderes novos, antes das tretas com Ganishka rolarem. Isso que no mangá dá mais ou menos uns 6-7 volumes, no jogo acaba sendo umas 10 horas, 3 vezes mais que o Guts' Rage. Embora os eventos sejam praticamente os mesmos, o jogo deixa de fora basicamente tudo que acontece quando a trupezinha do Guts não está presente e corta diálogo e monólogo interno adoidado, provavelmente pra poupar grana em CG e pra evitar de fazer o jogador pegar no sono.

O grosso da história é o seguinte: Deu tudo errado no último arco, Griffith voltou a vida e agora tá planejando um jeito de tomar o mundo, se mobilizando politicamente e botando os apóstolos pra mamar e obedecer ele. Guts e a sua gangue, que no começo é só ele, uma fada e uma criança adulta, ainda estão na mesma procurando algum jeito de combater a Mão de Deus e o Exército das Trevas. Nessa brincadeirinha eles se envolvem com dois crentes, Farnese e seu escravo coreano, Serpico, além de um muleque desocupado chamado Isidoro, que por um motivo ou outro, decidem acompanhar o Guts.

O massacre de centenas e fadas fofinhas no mesmo jogo

Esse pessoal todo vai parar numa vila que está tendo muitos problemas com trolls, e não aqueles do League of Legends que ficam se jogando na torre do inimigo pra você permanecer no bronze pra sempre, mas sim aqueles que sequestram, esquartejam e devoram seus filhos. Nas florestas próximas a essa cidade, o grupo descobre a casa de uma bruxa, Dona Clotilde e viram amigos de sua aprendiz, Schierke, uma bruxinha kawaii desu que também se junta ao bando. Com metade do bando agora sendo composto por personagens fofinhos de alívio cômico, Guts e o pessoal defendem a cidade de um ataque massivo de criaturas, só que por burrice e acaso, a Caska é sequestrada mais uma vez.

Guts faz o que ele vem fazendo desde o começo e vai atrás pra resgatar, indo parar no meio de uma floresta assombrada. Depois de estraçalhar umas dúzias de monstros (no jogo em si ele provavelmente mata uns 250), ele acaba inadvertidamente invocando a deusa da putaria, Elisa Sanchez. Guts se fode um montão, perde as roupas, fica todo coberto de sangue e cicatrizes, mas é salvo pelo Skull Knight, que o ajuda a escapar e derrotar ela. Os dois arranjam um jeito de voltar pra vila a tempo de descobrir que mais um zilhão de demônios estão vindo, comandados por Nosferatu Zodd, a nova secretária do Griffith, e um bróder novo dele. Os demônios decidem atacar a casa de número 71 primeiro e o grupo vai pra lá defender a bruxa.

Nesse confronto tudo pega fogo, pau come solto para todos os lados, todo mundo mata trocentos demônios, e o Guts leva uma pisa do novato, um guerreiro de 3 metros de altura chamado Grunbeld, que aprendeu com o jogo passado e veio armado com um canhão de braço só dele. Todo fudido e sem chance de derrotar um cara com uma bazucona maior, Guts é salvo pela Berserker Armor e após 25 anos de publicação, o nome do mangá finalmente passa a fazer sentido. Com ela equipada e após muita confusão no plano astral que quase resulta nele enlouquecendo de vez tudo acaba dando relativamente certo, os demônios são expulsos e a trupe do Guts segue em frente rumo à terra das fadas.

O que foi adicionado[editar]

No geral o conteúdo extra não é ruim, mas boa parte dele é só fanservice completamente desnecessário. Ele inclui:

Homem de neve putasso pronto pra matar o Guts
  • Um nível tutorial que não rola no mangá onde Guts enfrenta uma porrada de homens de neve que morrem com 1 golpe. O estágio termina com um boss super intimidador, um homem de neve gigante que morre com 10 golpes.
  • Um vilão novo na forma de Charles, um apóstolo criança que tem o poder de invocar ilusões. Ele é enfiado na história basicamente o tempo inteiro e é através dele que a maior parte dos eventos filler acontecem.
  • Existe todo um segmento novo do Guts explorando uma mansão fantasma depois de se encontrar com Zodd e Griffith. É talvez o nível mais chato do jogo, com muitos segmentos só de você andando por ai fazendo porra nenhuma. O nível serve como introdução do Charles e no final dele Guts enfrenta ilusões que tomam as formas de Judeau, Pippin e Corkus, além de outros figurantes do Bando do Falcão. Esse pessoal ai diz ser fantasmas do além que tão de volta pra parar o Guts porque, segundo eles, gostaram de morrer dolorosamente e terem suas almas sacrificadas no Eclipse. Na real eles são apenas manifestações do subconsciente de Guts, ainda na mentalidade cuck depois do Griffith ter comido a mulher dele.
Essa é a segunda vez que o Guts enfrenta uma criança que se transforma num demônio inseto
  • Esses fantasmas aparecerem 4 fucking vezes durante o jogo , que porra é essa, DMC4?, em todas elas falando basicamente as mesmas coisas. Nas últimas aparições a Caska jovem se encontra presente também. Durante a última batalha, Guts lida com sua dúvida em relação a eles e isso que lhe permite se livrar dos gasparzinhos de uma vez por todas.
  • Um nível novo do Guts enfrentando uns mercenários zumbis genéricos.
  • Flashback 100% fanservice e fora de lugar do Guts enfrentando o Griffith que foi colocado só pra ele poder ser um boss do jogo.
  • Várias lutas com o Charles e sua eventual forma verdadeira, um pássaro inseto gigantão azul. O muleque perde, morre e é isso.
  • Ao invés de Grunbeld ser o final boss, o jogo enfia mais uma luta contra Zodd no finalzinho, o que não faz sentido porque no mangá, enquanto Guts e o dragão se estapeavam, Zodd tava ocupado brigando com o Skull Knight. Aqui o Skull Knight aparentemente não fez porra nenhuma enquanto tava tudo pegando fogo e só ficou observando.

Jogabilidade[editar]

Diferente do Guts Rage, cuja metade da duração era basicamente você fazendo porra nenhuma só assistindo cutscene, Millennium Falcon tem bem mais gameplay entre os momentos de historinha. Embora as ideias bases ainda sejam as mesmas do jogo passado, muita coisa mudou:

  • Guts não pode mais trocar entre espada e punhos. "Pô, cortaram conteúdo então?", Sim e não. De todos os ângulos possíveis isso é uma coisa boa porque o moveset dos punhos era horroroso e no lugar dele eles ampliaram os golpes possíveis com a Dragonslayer e deram uma melhorada geral na sensação dela. Se no jogo passado tudo era truncado, horroroso e péssimo porque o negócio não controlava direito e não tinha peso, nesse é porque eles simulam perfeitamente como seria lutar com um blocão de ferro de 20 quilos. Todo golpe que se dá o bixo fica arrastando o negócio no chão. Tem ataque que se você não tiver nível o suficiente, o Guts vai literalmente tropeçar no chão feito bosta depois de executar.
  • Um sistema de Níveis foi implementado. Agora, após serem estraçalhados, inimigos lhe concedem quantidades míseras de XP que podem ser usadas para melhorar os atributos do Guts. O básico, tipo quantidade de HP, defesa, dano do ataque e o cooldown dos itens secundários e ataques especiais.
Demonstração da carnificina sendo interrompida por uma fada sem genitais
  • Os itens secundários não mais usam munição contada. Ao invés disso eles funcionam na base você ficar lá com cara de tacho esperando a barra encher pra apelar pro canhão de novo. Uma arma nova foi adicionada no lugar do pó de fada do Puck: um crossbow mais inútil que o do Twilight Princess, que não dá dano nenhum e só serve pra ser covarde.
  • Além dos itens secundários, você agora também pode invocar os companheiros do Guts pra usar um ataque e depois irem embora. Eles funcionam na mesma lógica das armas, tendo barras de cooldown que representam o tempo que leva pra paciência do Guts acabar e ele chamar os cara de novo. O Isidoro te deixa mais rápido, o Serpico usa o Quicksilver do DMC3, Puck cura e a Schierke aumenta sua defesa.
  • O Devil Trigger modo Berserk foi pro saco e agora tudo que você recebe depois de estraçalhar geral é um instakill tipo o do Batman que mata qualquer inimigo ordinário de uma vez só.

No geral o jogo não tem mais a sensação de ser um simulador de ketchupeiro onde você fica batendo em cartolina até ela morrer. O bagulho flui bem e literalmente todos os inimigos podem ser decepados e partidos como se o negócio fosse Ninja Gaiden 2. Em toda luta vai ficar voando cabeça, pé e braço para todas as direções e o chão vai ficar coberto de sangue, o que significa que 98% do jogo vai ser isso.

Então quer dizer que o jogo é bom?[editar]

O jogo pode até ser melhor que o anterior, mas continua sendo chato pra cacete. Na maior parte do tempo você vai estar basicamente jogando uma versão heavy metal do Dynasty Warriors. O jogo literalmente possui uma porcentagem de saturação de inimigos por nível, tipo um Genocide Run do Undertale, que vai diminuindo conforme você elimina literalmente centenas de inimigos por fase. Apesar de ter um monte de mecânicas novas, se você não tiver afim de usar nenhuma delas, dá pra zerar o jogo facilmente apertando quadrado sem parar.

Como se já não bastasse você enfrentar os mesmos inimigos de novo e de novo, o jogo também joga os mesmos boss na sua cara de novo e de novo, as vezes logo em seguida. O Bando do Falcão você enfrenta 4 vezes, o Charles você enfrenta 3, a Slan você enfrenta 2 vezes uma depois da outra, literalmente o mesmo boss sem nenhuma mudança. O próprio final boss do jogo, Zodd na sua forma de demoniozão voador, é uma repetição do primeiro encontro contra ele logo no comecinho.

Quando o gameplay não estiver se tratando do completo genocídio das forças do mal, se prepare para longas sequencias do Guts andando por ai, em mapas completamente vazios, fazendo absolutamente porra nenhuma, escutando o mesmo loop musical a cada 30 segundos, até chegar no próximo checkpoint e repetir tudo novamente.

Modos Alternativos[editar]

Menu de armas of darkness

O jogo não tem muitos. Existe uma galeria de curiosidades, assim como uma espécie de enciclopédia de conteúdos de Berserk para quem não sabe porra nenhuma. De longe o modo mais elaborado tirando a campanha principal é o 100 Animal Mode, uma carinhosa tradução horrível do patch inglês, que é basicamente uma arena de desafios tipo as do God of War.

A maioria deles são coisas como "Derrote x inimigos em x tempo", ou "Derrote x inimigos usando a Berserker Armor", e tudo que você ganha quando completa eles são skins do Fortnite pra Dragonslayer. Elas tem a forma de outras armas famosas da franquia, tipo a espada curvada bizarra do Zodd, e no geral elas não fazem porra nenhuma a não ser terem um visual diferente, tirando a do Isidoro, que literalmente reduz o alcance normal dos seus ataques a 10% (o negócio é uma faquinha afinal).

Recompensa por 100%[editar]

Enquanto no original você recebia um modo de munição infinita por completar tudo no Hard, aqui, se você literalmente limpar a presença de inimigos em todas as fases, gastando toda a mola do Quadrado do seu controle, testando os limites da paciência humana e desperdiçando horas de sua vida nessa baboseira, o jogo lhe julga apto a receber a arma mais poderosa de todas:

50-650-dente-de-leao.jpg

Galeria do Belzerk[editar]

v d e h
Berserk logo.png