Blacula - O Vampiro Negro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Blacula)
Ir para navegação Ir para pesquisar
Desinopselogo2.png

Este artigo faz parte do DesFilmes, a sua coletânea de filmes rejeitados.
Enquanto você lê, lutadores de kung-fu voam em um filme asiático

Caovampiro.jpg Este artigo é vampiresco!

Blacula - O Vampiro Negro não gosta de alho, dorme de dia num caixão, sabe virar moguerço e tá de olho na tua jugular! Se você tiver HIV, não leia este artigo!

Bob Mauley.jpg Fala, mano! É o seguinte: isso aqui é uma coisa que os mano da quebrada curte, tá ligado?
Não zoa com o artigo, não, véio, senão vai dar em treta, morô?
E pensar que esse filme ganhou prêmio de melhor filme de terror de 1972... Não, isso NÃO é uma piada...

Cquote1.svg Você quis dizer: Drácula negão. Cquote2.svg
Google sobre Blacula - O Vampiro Negro

Blacula é um filme de terror blaxploitation, com um Conde Drácula (ou melhor, um Príncipe Mamuwalde) advindo de algum dos mais de oito mil países da África do século XVIII que foi mordido pelo Drácula original e com isso ele virou um vampiro, o primeiro vampiro negão (tirando A Rainha dos Condenados) da história. Ficou um bom tempo dormindo em seu caixão até que em 1972 ele acordou e decidiu atacar a cidade de Townsville Los Angeles (putz, que distância da África... será que é porque africano é chupado e quase não tem sangue?), fazendo um monte de vítimas amantes de Soul virarem vampiras também.

Acredite, esse filme ganhou um Saturn Award de melhor filme de terror. Na verdade, foi o primeiro ganhador desse prêmio. Será que naquela época ainda não tinham filmes de terror bons? Sorte que no ano seguinte foi "O Exorcista", senão eu já ia dizer que esse prêmio tá pior que o Grammy...

É o único filme de vampiro que usa ao invés daquelas músicas de ópera de dar medo até em morto, trilha sonora de ritmo e blues. Criatividade usada de maneira completamente maluca essa... tá pior que o autor desse artigo.

História[editar]

Em 1700 e guaraná com tampa de pele de camelo, o Príncipe Mamuwalde pede a ajuda do Conde Drácula, amigo seu de viagens do mesmo da Transilvânia pro país do Príncipe, a deter uns Piratas do Carilha que estão roubando todo seu dinheiro e também levando sua mulher e seu clarinete de estimação. Drácula ao invés de ajudar o velho amigo, manda ele tomar no cu e ainda morde o pescoço dele, deixando-o em estado de suspensão durante séculos.

Em 1972, alguns arqueólogos de um museu de L.A. trazem um achado de um sarcófago do príncipe Mamuwalde, sem saber que lá dentro está o vampirão malvado, que sai do caixão e passa a aterrorizar pessoas da cidade, matando policiais e se apaixonando por uma daquelas minas que curtiam funk americano e soul de black power, e aí ele qeur porque quer torná-la também uma vampira. Ele consegue, mas aí ela bota uma galha no negão com um humano normal (também pudera, o mané é feio que dói!) e aí ele mata a traíra e só vai reaparecer na continuação do filme, mas isso é assunto pra outro artigo.

Ver também, Mano Preto![editar]