Cabeça de Cuia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Cabeça-de-cúia)
Ir para: navegação, pesquisa
Caboco.jpg Bem-vindo à selva!

Este artigo é sobre algo ou alguém localizado no meio do mato e vai te levar para o Lado Verde Escuro da Força. Se vandalizares, Rambo vai descarregar a metralhadora no meio da tua fuça!


Cquote1.png Você quis dizer: Assassino da própria mãe? Cquote2.png
Google sobre Cabeça de Cuia
Cquote1.png Experimente também: Doido Cquote2.png
Sugestão do Google para Cabeça de Cuia
Cquote1.png AAAAAAA! Cquote2.png
Tua mãe sobre Cabeça-de-cuia

Apresentação[editar]

Cabeça-de-Cuia é o apelido dado para o garoto Crispim, devido ao seu avantajado cocoruto de proporções colossais e do simples formato de uma cuia (que para quem não conhece, basta procurar no Google imagens para conhecer o objeto), além de arredondado e feio por demais (como se ter uma cabeça monumental já não fosse muito). Tal bizarrice não foi acidental, ao contrário, como no mundo das lendas, tudo não passou de uma macumba mágica, jogada pela própria mãe dele, no mesmo instante em que a mesma foi morta por um osso que lhe foi jogado bem no meio da sua cabeça, pelo próprio Crispim (putz, se ele fez isso com a mãe dele, imagine o que ele faria com a tua mãe ou a minha).

A Lenda[editar]

Cabeça-de-cuia, coisa linda da mamãe!

Conta-se pelo Nordeste do Brasil, mais precisamente pelas bandas interioranas do Piauí, que Crispim (o nosso, aqui conhecido como, Cabeça-de-CUia), era um pacato, jovem e tonto ribeirinho das margens do Rio Parnaíba. Somente pelo fato dele ser ribeirinho, já dá para se entender que Crispim não era das pessoas mais bem quistas economicamente pela sociedade piauiense, em outras palavras, Crispim era mais pobre do que a pobreza e se tinha o que comer todos os dias em sua casa, deveria levantar as mãos aos céus e agradecer por isso. Orfão de pai e sem nenhum irmão (ainda bem, já pensou se tivesse mais bocas para alimentar?), ele tinha que se virar para ajudar a mãe em tudo que a mesma precisasse, afinal, era o homem da casa.

Depois de um enfadado dia de caça, em que ele não caçou nem sequer um chichila manca, Crispim volta para a sua casa "varado de fome!", pensando na morte da bezerra no prato delicioso que a mamãe poderia estar fazendo, porém, ao chegar mais próximo de seu habitat cotidiano, teve que se depara com a triste realidade de um pobre. A única coisa que tinha em sua casa para rangar era um simples sopa (que mais parecia água suja do que uma sopa em sí, já que nem massa e couve tinha) com um punhado de ossos dentro, sendo que os tais ossos nem uma carnezinha possuiam (pra você ver a miséria que era a vida do coitado, e você ainda reclama quando o seu Big Mac não vem com mostarda).

A estátua piauiense homenageando o assassino de mãe Cabeça-de-cuia, e depois são os nortistas os estranhos

Cansado dessa vida, dessa pobreza, de sua virgindade que nunca perdia e de suas notas na escola (que já rodavam pelo negativo), Crispim se revolta, discutindo com a velha do porquê dela não vender o corpo para ver se conseguia grana pelo menos para um bife que seja, e acaba atirando o osso da sua sopa em direção à mãe. Infelizmente, a velha senhora, que já não tinha mais os mesmos reflexos de antigamente, devido a queda em seus hormônios por causa da menopausa, não se desvia da fúria do próprio filho, sendo atingida na cabeça pelo pedaço do tecido esquelético arremessado por Crispim, vindo a morrer por causa da pancada (caralho caramba, deve ter sido um arremesso e tanto do menino, já que conseguiu machucar tanto a mãe a ponto de fazê-la morrer, será que era um osso de elefante?).

Porém, para a desgraça do garoto, a mãe dele antes de ir visitar São Pedro jogá-lhe uma praga dos diabos no rapaz: Ele teria que vagar eternamente pelo Rio Parnaíba sem destino algum. Como efeito da maldição, sua cabeça inchou tanto, que parece que iria explodir a qualquer momento, ficando conhecido como Cabeça-de-CUia por causa do seu formato. Além disso, a mãe ainda lhe falou (engraçado que, mesmo morrendo ela ainda conseguiu falar muita coisa ao filho) que sua perna penduraria se ele não se relaciona-se com SETE Marias virgens.

Atualmente, Piauí (que não tinha mais o que inventar da vida) resolveu decretar um feriado para a sua lenda mais desconhecida, comemorada toda última sexta-feira do mês de abril. É a primeira vez que se é comemorado um feriado para uma lenda em que o seu protagonista é um assassino, e ainda por cima assassino da própria mãe! É, tem-se gosto pra tudo nesse mundo!

Ver também[editar]