Cabo Verde

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Searchtool.svg Este artigo fala das ilhotas africanas, para outros cabos esverdeados consulte Cabo Verde (desambiguação)


Pênis Verde
República Democrática do Cabo Verde
Caldo Verde
Bandeira de Cabo Verde
Brasão de Armas de Cabo Verde
Bandeira Brasão
Lema: Chuva e Cachupa para a Ditadura disfarçada de democracia
Hino nacional: Sodad - dança ma mi criola

Localização de Caldo Verde

Capital Praia
Cidade mais populosa Praia
Língua Português de Portugal mal falado
Religião oficial Igreja Católica em algumas ilhas e em outras o "Grogue" (irmão gêmeo da Cachaça).
Governo Ditadura - Sem direito de Expressão
 - Líder Governamental Presidente, mas quem manda mesmo é o filha da puta excelentíssimo Sr. Primeiro Ministro
Heróis Nacionais Cesaria Évora, Lura, Nha Emilia, Mayra Andrade, Nani [1] e um coitadinho qualquer chamado Amilcar Cabral
Área  
 - Total Muitos grãos de areia, tendência para erosão marítima. km² 
Analfabetismo 100% (falam o português todo estranho) 
População Fugiu metade para a Europa devido ao ditador
PIB per Capita 2 cabras 
IDH Médio 
Moeda Escudo (vale menos que Bosta)
Fuso horário Atlântico
Clima Quente pra caralho!
Website governamental Caboverde.de


Cabo Verde é um pequeno país insular da África que afirma na verdade ser europeu, apesar de todos ignorarem isso. Este arquipélago conta com um conjunto de 10 bancos de areia com algumas montanhas no meio do mar.

História[editar]

Descoberta[editar]

O cabo verde que eu origem ao nome da nação.

Não há unanimidade sobre quem descobriu Cabo Verde, alguns livros dizem que foi o Hulk, outros dizem que foi um geógrafo romano chamado Pirocopiterus Verdis, mas a versão mais aceita é a que diz que o Infante de Sagres foi o primeiro a chegar ali em 1456 procurando pelo carnaval de Salvador mas encontrando apenas um monte de indígena dançando forró. Não era exatamente o que Sagres queria, mas ele decidiu juntar-se à festa e escolheu uma bela cabo-verdiana para dançar. Estava tudo bem e muito feliz até Sagres se encoxar mais na sua parceira e perceber que ela na verdade era uma cilada e escondia um enorme cabo entre as pernas e devidamente encapado numa camisinha verde sabor hortelã.

Acredita-se que Sagres ficou tão puto com essa enganação que liderou tropas portuguesas para exterminar a vida naquele arquipélago e depois dizer que eram ilhas desertas e os portugueses eram os primeiros habitantes ali.

Cabo Verde colonial[editar]

Estas ilhas exóticas, para o mal de todos os cabo-verdianos, foram comandados durante aproximadamente 500 anos por um país foleiro da Europa conhecido como Portugal. A principal colônia de Portugal foi o Brasil e veja como ele está hoje em dia, não seria Cabo Verde que teria um destino melhor. Foi então criada a Província Ultramarina de Cabo Verde e também fundada a cidade de nome "Cidade" (lembre-se, eram portugueses) que com o passar dos tempos passou a se chamar Cidade Nova, então virou Cidade Ok, e hoje em dia é só a Cidade Velha.

Historicamente existem registos de vários importantes marinheiros e viajantes que passaram pelo arquipélago, de Charles Darwin ao Internet Explorer vários navegadores por ali passaram e todos sempre foram unânimes em seus relatórios de viagem: "O arquipélago está tão abandonado e fodido, certamente isso é coisa de portuga, vamos embora daqui". Justamente devido a este aspecto, Cabo Verde foi o lugar onde piratas ingleses e franceses frequentemente passavam férias a esconder-se da marinha real que os perseguia.

Os primeiros habitantes trazidos para Cabo Verde foram portugueses fartos da vida monótona de Portugal mas que não queriam uma experiência muito radical como o Brasil, e alguns africanos que foram convidados a trabalhar em subempregos nesse arquipélago como gesto altruísta dos portugueses em dar oportunidade para tanta gente antes desempregada no continente.

Independência[editar]

Em 1959 o herói nacional Amílcar Cabral funda o clandestino partido dos Preguiçosos Associados para a Ignorância da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) cujos principais ideais era fazer greves na cidade de Conacri na Guiné-Bissau e tornar a preguiça um hábito cultural loca, organizar guerrilhas em toda Guiné, e fazer de tudo para que o seu país fosse o mais ignorado do mundo. Bom, que os países africanos como a Guiné-Bissau são um mar de sangue isso não é novidade para ninguém, mas o que diabos isso tem a ver com Cabo Verde? Até hoje nem os cabo-verdianos sabem, afinal os guineenses ficaram 13 anos guerreando com Portugal enquanto os cabo-verdianos nem souberam que teve guerra e nem que os guineenses venceram e conquistaram a independência dando uma independência de bônus para Cabo Verde.

Agora independente, de 1975 a 1980 Cabo Verde manteve-se como território da Guiné-Bissau, mas se fosse para ser colonizado pela Guiné-Bissau aí seria melhor voltar a ser colônia de Portugal logo, mas os portugueses estavam muito magoados e não quiseram Cabo de Verde que em 1980 virou um país próprio. O primeiro presidente do país, o saudoso Aristides Maria Pereira, fundou o Partido Africano da Independência de Cabo Verde mesmo Cabo Verde já tendo conquistado a independência (mas o que esperar de um lugar que foi colonizado por portugueses?).

Em 1981 o Cabo Verde se torna o líder na Conferência Mundial dos Vinte e Um Países Mais Ferrados e também aderiu aos "Estados não-alinhados", recusando participação na OTAN e no Pacto de Varsóvia.

Eventos recentes[editar]

O Cabo Verde moderno começa em 1990 quando o país se torna "multipartidário" com a criação do Movimento para a Destruição (MpD) que é a mesma coisa do PAICV, só pra fingir que existe oposição mesmo. O pior é que isso foi considerado o bastante para o Cabo Verde ser considerado o país mais democrático da África.

Atualmente Cabo Verde aproveita-se do seu status de país democrático para ficar ali de boas achando que é algum Açores ou Canárias da vida, até passou a usar a bandeira da União Europeia na esperança de quem sabe algum dia se juntar a eles.

Geografia[editar]

Mais um dia normal em Cabo Verde.

O Arquipélago de Cabo Verde fica localizado bem longe da Europa, fica na verdade na costa ocidental do continente africano e qualquer um percebe que ele é África. O arquipélago é constituído por 10 ilhas em que 1 é habitada, 8 tem só um tantinho de gente, e 1 é deserta e só tem lixo oceânico internacional. Já foi proposto na Assembleia para se criar uma nova Ilha voltada para plantação da coca ou para a implementação do turismo, mas ainda não teve resolução do primeiro-ministro (primeiro ministro é quem manda).

Este território é pobre em fauna e flora terrestres, tanto que o morcego-orelhudo-cinzento é o único mamífero nativo, a porra de um morceguinho.

Clima[editar]

Muito quente. Metade do ano chove (chuva quase nula), metade do ano faz vento. As estações do ano são fundamentalmente duas: o tempo das águas onde tudo vira uma lama, e o tempo das brisas onde não podendo cultivar a terra que está seca eles ficam apenas curtindo a brisa que vem do Oceano Atlântico (oeste) ou do Deserto do Saara (leste). É preciso cautela com a brisa do deserto que vem cheia de pó de areia e pode entupir seu nariz. A brisa do mar é mais suave e eles chamam de maresia muitas vezes vem com algo do Brasil misturado no vento. Por estar localizada na zona África Subsaariana em um clima de semiárido é um lugar muito parecido com a Bahia cheio de cabo-verdianas que se parecem com baianas e cabo-verdianos que se parecem com baianos

População[editar]

São 560.000 habitantes no arquipélago e 1 milhão fora do arquipélago espalhado pelo mundo. Isso ocorre porque os cabo-verdianos pegaram essa mania dos brasileiros de entender que seu país é uma miséria e que há lugares melhores no mundo para ir. Quanto aos habitantes que sobraram na ilha, temos 1 cabra para cada 2 habitantes.

Quanto à identidade nacional, o povo cabo-verdiano vive desde a sua procriação o dilema de não saber se é europeu ou africano, muitas vezes recorrendo a divisões grosseiras como dizer que as ilhas do norte são africanas e as ilhas do sul são europeias. Mas para que não hajam dúvidas, os cabo-verdianos ricos e famosos acabam por se naturalizarem portugueses, enquanto os cabo-verdianos humildes continuam como africanos mesmo.

A maior parte da população encontra-se enclausurada no maior banco de areia do país, o banco Santiago. Localiza-se a maior cidade e suas favelas em redor dela. O segundo banco de areia mais importante é São Vicente e chamado pelos seus habitantes de "Soncente". A população deste banco de areia tem a mania que tem jeito para as artes e que são mais europeus que africanos.

Política[editar]

A política de Cabo Verde está muito bem desde a retirada dos filhos da puta de Portugal que só fazem merda nesse mundo de Deus. Mesmo com presidentes com estranhos mandatos de 10 anos (ou mais, Jorge Carlos de Almeida Fonseca que o diga), Cabo Verde é estranhamente aceito no cenário internacional como um país "democrático", mesmo que só tenha dois partidos e ambos partidos existentes sejam irmãos ideológicos.

Subdivisões[editar]

Cabo Verde tem 10 ilhotas, logo a primeira coisa sensata que pensamos sobre subdividir um país desses seria criar 10 concelhos, certo? Bom, algo que precisamos constantemente lembrar neste artigo é que Cabo Verde foi colonizado por Portugal e você já viu como os putos portugueses são uns escrotos em subdividir sua própria terrinha? Pois os cabo-verdianos pegaram essa mania e dividiram as ilhotas em vários concelhos, todos absolutamente desnecessários. E claro, sem abandonar a língua portuguesa em dar nome idiotas para alguns concelhos, como Brava, Maio, Pau e Sal.


Economia[editar]

O povo cabo-verdiano é conhecido por sua bondade e complacência ao ponto de deixar os turistas dormindo no bom e melhor dos resorts a beira-mar, enquanto os cabo-verdianos todos habitam as favelas desfavorecidas nos fundos desses resorts. Que linda demonstração de amor ao conforto do próximo.

Ninguém sabe como essa palavra, "economia" pode ser aplicada em Cabo Verde. Esta neocolônia aparentemente vive essencialmente da venda de feijoada gororobenta de Cabo Verde (cachupa), realizada em casas privadas que são transformadas clandestinamente em cafés. Este comércio é realizado em países como EUA, Holanda, Portugal e arredores de Paris. A segunda fonte de riqueza deste povo são as dunas e o aeródromo do Sal. A terceira fonte de renda são as prostitutas e os gays que rondam as dunas do Sal e os cafés da baixa do Mindelo. A quarta fonte é o trafico, pois grandes traficantes dominam até a bolsa de valores do país, passando pelos bancos, presídios e esquinas da capital. Mas a maior riqueza do país é a política, o povo cabo-verdiano vive para os seus políticos, e eles vivem do povo.

Devido à sua boa posição geográfica, alugar pousos de voos da South African Airways representam 31% do PIB desse país que definitivamente jamais será auto-suficiente.

Turismo[editar]

O povo de Cabo Verde vive emocionado e orgulhoso em ter um turismo hiperdesenvolvido em relação aos outros países da África, embora ainda esteja cerca de 50 anos atrasado em relação às Bahamas. O Cabo Verde é o destino ideal para aquele turista que quer conhecer alguma ilha exótica mas é pobre demais para pagar uma Maldivas. O fator língua até seria atrativo para um português ou um brasileiro, mas Portugal e Brasil já tem muitas praias melhores.

Para tentar chamar mais turistas, recentemente o Cabo Verde legalizou a prostituição em certos bancos de areia, locais onde moças chamadas de "pexinguinhas" cobram serviços baratos mas muito bem feito. Se o leitor for europeu, possivelmente ele encontrará uma esposa em Cabo Verde sem nem precisar fazer esforço.

Infraestrutura[editar]

Transportes[editar]

Seguindo a tendência de países colonizados por Portugal (como Brasil e Moçambique) Cabo Verde também não tem ferrovias, um tipo de tecnologia que os portugueses aparentemente tinham ojeriza. Outra coisa que Portugal não gosta (e vemos esse reflexo no Brasil) é transporte hidroviário, então nem Cabo Verde que é um arquipélago no meio do oceano dispõe de uma boa rede de transporte marítimo e os cidadãos praticamente se veem presos nas ilhas as quais nasceram.

Por questões de preguiça, também não há pontes interligando as ilhotas, então não dá para ir de carro ou caminhão também. A opção que sobra é o transporte por avião usando a TACV, conhecida por oferecer pãozinho com manteiga como serviço de bordo.

Comunicações[editar]

Por ser um país que fala português, é a televisão brasileira que comanda a programação da televisão cabo-verdiana, o que quer dizer que esse povo realmente está perdido. Como a Rede Globo não investiu muito, Edir Macedo é quem se apossou do sistema e montou uma TV Record só para as ilhas de Cabo Verde que tem até Balanço Geral CV e todos esses telejornais galhofeiros e sensacionalistas, afinal desgraça pra mostrar nunca mais faltar mesmo.

E por falar em Brasil, se você acha Tim, Claro, Oi e Vivo uma bosta, então vai sentir muito falta desses planos quando se deparar com a internet precária de Cabo Verde que atualmente está na tecnologia -2G (a velocidade negativa significa que, por exemplo, para assistir a Netflix em Cabo Verde você precisa deixar o episódio baixando por dois dias).

Cultura[editar]

Povo gentil e amistoso é o retrato do cidadão de Cabo Verde que por natureza sabe cantar, dançar e rebolar até o chão. Encontra-se também a particularidade do gosto de dar facadas, por vezes mortais, em outros indivíduos (principal causa de morte no povo Cabo-verdiano não só em território nacional bem como na sua comunidade na diáspora). Por isso é recomendado nunca dizer a um cabo-verdiano "moca bu mai", sei lá o que quer dizer isso, mas o resultado será uma facada no seu peito.

Mas além de dar facadas, os cabo-verdianos gostam de dar facadas em festas também, e a festa mais importante do país acontece no dia 13 de julho, um evento grandioso conhecido como Festa da Galinha, que consiste no sacrifício de uma galinha preta na hora do almoço seguido de competições ao estilo gincana para terminar a festa com uma orgia noturna que começa às quatro da tarde.

Esportes[editar]

Cabo-verdianos pulando do famoso cais da Ilha Sal para a competição de nado livre em ´guas abertas.

Como todo bom país de língua portuguesa, o esporte nacional de Cabo Verde é o futebol. Todavia, alguns jogadores cabo-verdianos andam com falcatruas e desculpas esfarrapadas para não representarem a seleção do país - pelo menos o que resta dela - e não pagar vexame nacional em tomar goleada de outras seleções realmente preparadas. Os melhores jogadores se naturalizam por outros países europeus, e nem é Portugal que estamos falando.

Outro esporte relativamente popular é a natação de águas abertas e todos os anos as ilhas de Cabo Verde sediam alguma competição de natação em águas abertas. O percurso vai da capital Praia até a Antártica e volta. Uma lista dos grandes vencedores dos últimos anos apareceria agora neste artigo, mas nenhum dos participantes até agora chegou nem remotamente à Antártica, muito menos voltou, então o governo declarou as competições "secretas" e nenhum vencedor foi anunciado desde 1990 e todas as competições anteriores foram declaradas como "corridas de treinamento".

Os esportes aquáticos de vela e similares também são uma mania no país. Corridas de barco para a Europa são organizados todos os verões e sempre patrocinadas pelas máfias locais, sendo o vencedor não necessariamente o primeiro a chegar, mas o veleiro com o qual menos gente se afogou no final da viagem. O prêmio de terceiro colocado é uma estadia num edifício público na qual as janelas são quadradas viradas para o nascer do Sol, um ambiente compartilhado por várias pessoas para proporcionar aquele calor humano tão escasso nos nossos dias. O prêmio para o segundo colocado é uma viagem de avião inteiramente paga pelos governos europeus de volta para Cabo Verde para matar aquelas saudades. E o prêmio do primeiro lugar é um subemprego cujo salário mesmo assim é maior que qualquer emprego na ilha de Cabo Verde.

Culinária[editar]

Fortemente influenciado pelo Brasil, o prato típico de Cabo Verde é a famosa feijoada gororobenta (cachupa no idioma local) com caldo de cana. Como é de se supor, a feijoada gororobenta de Cabo Verde é facilmente reconhecida por seu aspecto de gororoba intragável que parece uma feijoada com aspecto de sopão de vômito de abutre.

Música[editar]

Cabo-verdianos se encoxando ao ritmo do arrocha cabo-verdiano.

Cabo Verde é um país altamente musical, por onde você anda tem sempre alguém dançando. Os principais estilos musicais encontrados nesse arquipélago são o brega fossa cabo-verdiano, o arrocha cabo-verdiano e a lambada cabo-verdiana. Todos esses lixos musicais existem porque o que importa para os cabo-verdianos não é qualquer qualidade ou complexidade musical, eles precisam de apenas batidas repetitivas para rebolar e se encoxar. Para se ter ideia do nível cultural, Travadinha da artista-mirim Taby é o maior sucesso das festas cabo-verdianas.

Cesária Évora foi a cantora cabo-verdiana mais conhecida no mundo, conhecida como a "diva dos pés descalços", foi madrinha de Shakira no seu primeiro seu álbum “Pies descalsos” e ela pode ser descrita tipo como a Alcione cabo-verdiana. Apesar de suas músicas incrivelmente sonolentas, o sucesso internacional faz os cabo-verdianos respeitá-la mesmo que ninguém nas ilhas realmente curtam aquela música tediosa sobre fossa.

Idioma[editar]

A língua oficial é o português, mas a semi-oficial é o Afro-Pula, no entanto há quem lhe chame de "Kriolo". E com a subida de Cabo Verde no rank dos países que ficam à espera da ajuda internacional, viu-se obrigado a criar uma língua própria o qual chama-se de "Alupek" O Alupek, traduzido para Afro-Pula seria All du Preto e será falada pela minoria Badia. Não etendeu o que acabei de escrever? Pois vá estudar Alupek então.

Religião[editar]

A religiosidade do cabo-verdiano é apenas de um povo crente em qualquer coisa que lhes traga chuva. Quando chove metade morre afogado, quando não chove metade morre de sede. Em 2007 Edir Macedo montou uma filial da Igreja Universal do Reino de Deus e elas foram tomando espaço das velhas igrejas católicas abandonadas pela arquediocese da Basílica de São Pedro. Os Testemunhas de Jeová começaram a peregrinar de ilha em ilha para dizer que o mundo vai acabar e uma tal igrejinha acabou por afundar fundar uma escola. Fora isso, a Assembléia de Deus montou um centro de macumba onde eles ficam berrando "sai capeta!" até de manhã cedo.

Referências

  1. Esse se naturalizou português, traindo o movimento cabo-verdiano, véio
Flag-map Cabo Verde.png Cabo Verde
HistóriaGeografiaDemografiaPolítica
SubdivisõesEconomiaMoedaTurismo
CulturaBandeiraBrasãoHino
Salve mãe África, mano!
África
v d e h

Países: África do SulAngolaArgéliaBenimBotswanaBurkina FasoBurundiCabo VerdeCamarõesChadeComoresCongoCosta do MarfimDjiboutiEgitoEritreiaEssuatíniEtiópiaGabãoGâmbiaGanaGuinéGuiné-BissauGuiné EquatorialLesotoLibériaLíbiaMadagascarMalawiMaliMarrocosMaurícioMauritâniaMoçambiqueNamíbiaNígerNigériaQuêniaRepública Centro-AfricanaRepública Democrática do CongoRuandaSão Tomé e PríncipeSenegalSerra LeoaSeychellesSomáliaSudãoSudão do SulTanzâniaTogoTunísiaUgandaZâmbiaZimbabwe

Territórios: CanáriasCeutaGalmudugMayotteMelillaReuniãoSaara OcidentalSanta Helena, Ascensão e Tristão da CunhaSomalilândia

Bandeira da CPLP
Conjunto dos Patetas de Língua Presa (CPLP)
v d e h

Países membros: Angola | Brasil | Cabo Verde | Dadrá e Nagar-Aveli | Damão e Diu | Goa | Guiné-Bissau | Guiné Equatorial | Macau | Maurício | Moçambique | Portugal | São Tomé e Príncipe | Timor-Leste

Intrometidos: Andorra | Croácia | Filipinas | Galiza | Indonésia | Malaca | Marrocos | Romênia | Ucrânia | Venezuela