Carlos Latuff

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Corno.jpg Carlos Latuff é corno(a)!

Ele curte ver sua namorada com outros na cama, joga bola com o ricardão toda sexta-feira e acredita que relacionamentos abertos são cool!
Bandeira rj.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.

Hammer and sickle.png Este artigo foi aprovado pelo Conselho de Proteção à Moral da Família Soviética como sendo livre de conteúdo subversivo.


Foto recente de Carlos Latuff na lista dos mais procurados da polícia.
O Cortador de Sisal: Latuff, do Brasil para o Mundo.

Carlos Latuff (Cidade do Pan, 2 de Onzembro de mil novecentos e trezentos) é um semi-cartunista brasileiro.

Mesmo tendo iniciado sua carreira como servidor de café ilustrador numa pequena empresa de publicidade, devido as dificuldades da vida, e sem conseguir coisa alguma, virou cartunista mesmo. Foi descoberto num concurso de desenho e rabisco para crianças especiais. Seu desenho foi escolhido o melhor entre todos os 3 participantes. Carlinhos ficou famoso no mundo todo, principalmente depois de ter ganho um concurso promovido pela Casa da Bomba do Irã, onde, em resposta a uma charge alemã feita mostrando um homem-bomba, cuja bomba falhou, a Casa da Bomba premiaria quem fizesse a melhor charge satirizando o Holocausto. E Carlos ganhou, após apresentar sua charge em que retrata GAZA e Campos de concentração na palestina feitos por sionistas.

Charge de um sionista retratando Latuff

Cquote1.png Todo mundo que falar mal de sionistas será tachado de anti-semita e Nazista para toda a imprensa e ser boicotado por todas as empresas pertencentes aos nossos amigos do nosso clubinho racista sionista internacional Cquote2.png
Sionista Racista Censurador
Cquote1.png E quem falar mal de árabes? Cquote2.png
Assalariado Editor chefe da Editora de propriedade do Sionista Racista Censurador
Cquote1.png Deve ganhar espaço nos nossos meios de comunicação e patrocínio dos nossos amigos do clubinho Cquote2.png
Sionista Racista Censurador
Cquote1.png Ok chefinho, faço tudo para manter o meu emprego Cquote2.png
Assalariado Editor chefe da Editora de propriedade do Sionista Racista Censurador

Em O Cortador de Sisal (Fig 1.1/2) Latuff colocou todo seu sentimentalismo e impressionismo, tentando desmascarar a dura realidade nacional, em que milhões de crianças eram tragadas pela bilionária indústria de tapetes de sisal. Após sua obra O Cortador de Sisal, Latuff sofreu uma parada cardíaca na mão esquerda (a que ele desenha) por isso parou suas atividades. Algum tempo depois bateu o trator numa árvore, em alta velocidade, e acabou perdendo as duas pernas. Hoje frequenta o Instituto Joseph Climber.

Latuff tem uma séria tara em fardinhas, segundo o IBGE de cada 10 rabiscos 8 são sobre alguma personalidade representada fardada e 11 sobre alguma analogia nazista, oque mostra seu profundo preparo retórico e argumentativo sobre os mais variados assuntos. Em 2010 ele recebeu o prêmio "mãe dinháda" por seus rabiscos psicografando o futuro, onde conseguiu acertar todas as previsões, fazendo campanha para Dilma (não foi o Lula que trouxe a Copa para o Brasil heim!). É doutor em economia, direito internacional, história, geografia e stalinismo desde os 18 anos de idade. Na verdade ele é tão inteligente que ninguém entende muito bem por que ele é só cartunista, e não professor de curso universitário. Seus traços são comparados aos de aleijadinho (no caso de Latuff, aleijamento mental).

Ver também[editar]

Amante pra Latuff.