Conception

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Arband.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

Abbey Road vazio.jpg Conception já acabou!

E tu chorou quando eles se separam, assuma!

Clique aqui pra ver os grupos que non eczisten mais.


Cquote1.png Conception é pesaaaado Cquote2.png
Pedro Bial sobre Conception

Cquote1.png Tudo Viado! Cquote2.png
Glen Benton sobre Conception

Cquote1.png Muido Fodaa! Cquote2.png
Nerd cabeludinho sobre Qualquer banda de metal progreessivo

Conception
Conception.jpg
{{{legenda}}}
Origem Raufoss
País Noruega Flag of Norway.svg
Período 1989 - 1997
Gênero(s) Metal Progessivo
Gravadora(s) CSF Records
Integrante(s) Tore Oriscadostby
Roy Khan(foi pro Kamelot)
Ingar Amlien
Arve Heimdal
Ex-integrante(s) Dag Oriscadostby
Werner Skogli
Freddy Samsonstuen
Site oficial {{{site}}}

Conception foi uma banda de Black Metal Noruegues Metal progressivo fundado em Raufoss, na Noruega em 1989. Por mais que nos lançamentos de suas 4 fitas k7 os integrantes fossem os mesmos, inicialmente a banda contava com Tore Oriscadostby nas guitarras, Dag Oriscadostby nos vocais, Werney Skogli nas baterias e Freddy Samsonstuen no Contrabaixo.

Tore Oriscadostby[editar]

Tore, o fundador da banda, nasceu em 8 de Abril de 1972 em batata rufles Raufoss e desde criança ja se envolveu com música, pois sua mãe dançava em uma boate aonde seu pai tocava piano. Depois de muito tempo tocando piano, Tore viu que piano era coisa de bichinha e resolveu ser revoltadinho, entrando de cabeça no mundo do rock. Depois de três anos tentando aprender tocar guitarra, entrou na boyband Redrum, e em seguida fundou o Conception.

O início[editar]

Tore chamou seu irmão Dag Oriscado e mais dois ex-integrantes do Redrum e estava formado o Conception. Os quatro garotos então começaram a fazer orgias durante os ensaios e nesse ritmo gravaram suas primeiras composições. A primeira gravação foi uma demo-tape (para quem não sabe, Gravação do Demônio, em português) com três tentativas mal sucedidas de se fazer música gravada em abril de 1990. Os shows, como era de se esperar para uma banda tão ruim não eram regulares e depois de algumas (uma, para ser mais exato) apresentações o baterista Werner Skogli deixou a banda para abrir uma famosa rede de cerveijarias.

Arve Heimdal[editar]

Para o posto de baterista da banda, foi recrutado Arve Heimdal. Arve foi cagado dia 28 de janeiro de 1971 em Gjörvik, também na Noruega. Influenciado por seu pai, que tocava flautinha doce em uma banda de Black metal, Arve ainda criança montou seu primeiro kit de bateria, o que claro, tem tudo a ver com flautinha doce. Já integrado na banda, amiguinho colorido de todo mundo, Arve chegou a gravar uma segunda demo-tape. No entanto, esta merdinha foi a ultima que o baixista Freddy Samsonstuen ajudou a criar, pois foi substituído por Ingar Amlien.

Ingar Amlien[editar]

Momento em que Ingar é abortado

Abortado em 8 de setembro de 1963, também em Gjövik, Ingar foi criado a cacetadas na pequena favela de Eina, localizana no município Vestre Toten. Após se iniciar na música tocando flauta e trompa em bandinhas da escola, o Rock entrou na sua vida no meio dos anos 70, quando começou a cheirar gatinhos com a turminha do fundo, e se interessou por tocar guitarra, e após perceber a dificuldade, foi para o baixo.

Buscando o Sucesso[editar]

Com essa desgraça de formação, o Conception resolveu criar seu próprio selo, CSF Records (Curtimos Som Fudido Records), e em fevereiro de 1991 deu entrada (no bom sentido) no Gjövik Lydstudio, em Raufoss, ao lado do engenheiro de som Run to the Nils Harald Macoladoemumehlum. A intenção inicial era sair de lá de quatro com um EP de quatro faixas, mas antes disso esse protótipo de banda arrumou mais um problema: As antas pararam de fazer Thrash Metal e começaram a tocar metal Progressivo, fazendo com que o vocal de Dag ja não combinasse mais e eles precisassem arrumar um novo vocalista, agora que cantasse como uma mulherzinha.

Roy Sacoladoemumetre Khantatat[editar]

Roy querendo se passar por bravinho

Após seguidas seções de orgias, em junho de 1991 os problemas acabaram quando apareceu a solução para a questão definitiva: Roy Ascoladoemumetre Khantatat. Expulso da barriga de sua mãe em Elverum a 12 de março de 1970, Roy Khan (apelido carinhoso dado por Ingar) sempre foi um viadinho apaixonado por música, em especial opera e música erudita. Seu interesse em cantar que nem mulher o levou a estudar vocal clássico por dois anos, que só interrompeu por causa do Rock (Queen o que?) e da vontade de cantar e transar com uma banda.

Novamente, buscando o sucesso[editar]

Após um Mês de ensaio com a nova turminha, o Conception voltou a espelunca que eles chamavam de estúdio com Run to the Nils Harald Macoladoemumehlum para registrar sua primeira fita k7 oficial, The last Sunset (De Lass Sance). Todos estavam eufóricos (leia-se Loucas) e acreditavam que aquele material os levaria para o sucesso no mundo do rock, ou não.

A fita foi lançada ao ar por quem perdeu dinheiro comprando essa bosta em novembro de 1991, mas a orgia de lançamento ofical ocorreu a 13 de dezembro em uma zona local, a mesma em que a mãe de Tore trabalhou. Cópias feitas em casa das fitas k7 foram vendidas também no Japão, o que elevou a venda para a marca de incríveis (ou não) mais de 8 mil 5 mil exemplares. Assim, toda a grana que eles gastaram foi recuperada. O material, que tinha em sua capa original apenas uma foto "meio assim" preto e branca dos integrantes e o logotipo na época ainda meio rosado, passou a aparecer de monte nas gravadores europeias.

Para provar que tinham mais lenha para queimar, como se ja não bastassem os baseados todos, entraram em estúdio em 1992 e gravaram outra bostinha de demo-tape. Ao mesmo tempo, gravaram uma música com um título super original para uma coletânea, chamada Back on Black. Com a demo-tape, eles conseguiram contrato, ainda nao se sabe pela qualidade musical ou por sexo oral argumento, com a Noise Records/Modern Music. Logo depois, Hans Christian foi convidado a ser tecladista definitivo da banda, mas nunca foi oficializado. Quando todas as músicas estavam compostas, ou melhor, eles achavam que estavam, a gravadora enviou o produtor Tommy Newton (que ja fez merda com o Helloween) para a Noruega e após uma semana de ensaios, em julho de 1993, todos viajaram de pedalinho a Hanôver (ALE) para gravar Parallel Minds (Paralél Mainds) no estúdio Stairway to Heaven.

Enquanto isso, a Modern Music organizou um festival chamado "Bandinhas que tem um vocalista que imita uma mulherzinha no palco Tour", tendo no cast o Conception, Gamma Ray, Helicon e Rage. Mesmo que ainda totalmente desconhecida pelo público (sendo assim até hoje), o Conception foi muito bem rcebido em seus cinco shows e, segundo disse Khan para uma emissora local, teve gente que até bateu palmas.

Cquote1.png Nofffa estou pasmo, vi dois carinhas batendo palmas! Adoooro Cquote2.png
Roy Khan sobre um dos 5 shows para mais de 8 mil pessoas

Banda de abertura dos shows do Conception, na "Bandinhas que tem um vocalista que imita uma mulherzinha no palco Tour"

A Noise records chegou a lançar um mini-CD com gravações da banda, incluindo a música My Decision (Mai decízion), que falava sobre a decisão de Khan sobre se assumir para o mundo (ui). Posteriormente foi lançado um CD duplo, intitulado Power of Metal, novamente mostrando a incrível capacidade de criar nomes originais para músicas e cds.

De volta ao estúdio, o Conception passou a se concentrar ainda mais na gravação e resolveu fazer alguns experimentos em suas músicas, reultado de consumo excessivo de maconha. Terminando a gravação, a banda voltou para Noruega, dando uma paradinha para soltar um barro para gravar um clipe da música Roll to Fire na cidade de Lübeck, que estrou tempos depois na Mtv.

Começando a fazer Sucesso[editar]

Depois desses lançamentos e shows, o Conception começou a ter vizibilidade nos clubes gls europeus e japoneses. Como as vendas iam aumentando (agora eram 5 mil e 20!), a gravadora logo tratou de organizar uma "Promo Tour" na Noruega e no restante da Europa para divulgar o material.

Na virada do anus ano, em janeiro de 1994, o grupo realizou uma turnê co-headline com a banda inglesa de Metal progressivo Threshold. Porém, quando estavam na estrada, perceberam que ter integrado o membro do tecladista tecladista Hans Christian como membro não havia sido uma boa escolha. Na verdade, qualquer pessoa dessa banda nao era uma boa escolha. Por diferenças pessoais, Hans cedeu o posto para Halvor Holter, e a turnê de um mês se seguiu pot Alemanha, Bélgica, Holanda e Luxemburgo (o pais...). Durante a excursão, a Noise Records relançou o debut The Last Sunset com uma nova arte de capa, dessa vez sem homossexualismo.

Em poucas semanas, em abril de 1994, a banda ja estava em turnê, desta vez com o Skyclad. Para cuidar dos teclados veio Trond Nagell Dahl, que esteve (no sentido bíblico) com o grupo na primeira passagem pela Grã-Bretanha.

Com o fim da turnê, começaram os preparativos para o albun seguinte. O processo de composição durou de junho a novembro, quando xeiraram gatinhos até não aguentarem mais e terminaram o material para In Your Multitude (In Iór alguma coisa), que também foi produzido pelo reprodutor Tommy Newton. Tudo ocorreu bem e o disco, finalizado em março de 1995, saiu em abril, com uma grande surubona de lançamento ocorrida no dia 20, no Buddy Holly Zelt, em Hamburger (ALE), onde tocaram com o Gamma Ray. Além da versão regular em fita k7, In Your Multitude também teve uma tiragem limitade que vinha com uma camisinha trazendo a letra da faixa Sundance, que mostrou as influências do flamenco (ui) na carreira do guitarrista Tore Oriscadostby, algo que ele usaria mais pra frente com o grupinho de axé Ark.

Apesar de ainda tentar soar progressivo, In Your Multitude mostrou um Conception bem mais macho, com um som pesado. No entanto, isso não ajudou na promoção do álbum , a que seus fãs ao redor do mundo (provavelmente uns 150) não gostaram da ideia. A promoção do álbum por parte da gravadora foi mais precária ainda, e o grupo apenas se apresentou em junho num festival de axé noruegues.

Férias[editar]

Arredores do estúdio onde a banda costumava ensaiar no Rio de Janeiro na Noruega

Após tanto insucesso, o grupo decidiu dar uma pausa e em meio as férias, os integrantes começaram a cuidar de desprojetos pessoais. Em julho, Tore iniciou um novo namoro com o baterista norte americano John macaluso r Ingar passou a trabalhar com um progeto solo. Tore ainda auxiliou Tommy Newton nas gravações com sua banda, Victory, cuidando da parte das flautas e berimbais. No final do ano, o guitarrista se juntou a John Macaluso para iniciar as composições de um futuro progeto de Salsa e Merengue. Nesta época, o Conception se apresentou em uma festa de São João na Noruega para encerrar os rumores de que ele tinha dado os dedinhos para o resto da banda, e ficado de mal.

Somente me fevereiro de 1996 os músicos voltaram seus esforços novamente para a banda e começaram a compor a bostinha que seria o álbum seguinte. Com muitas ideias novas, devido a novas drogas usadas pelos membros do grupo, o grupo ainda foi escalado para realizar shows na terra do pinto pequeno do sol nascente, realizados em maio. Após a estada no Japão, os trabalhos para a nova fita k7 se seguiram, finalizando um total de trinta músicas, com aproximadamente 20 segundos cada uma, mostrando a capacidade de criar músicas complexas e épicas que a banda tinha. A pré produção do k7 foi feita ao lado de Tommy Newton, que novamente foi para a Norubrega. A nova tape, intitulada Flow (Mais conhecido no Brasil como Falow ae!), foi finalizada em um Mês e lançada oficialmente no dia 1º de Abril de 1997, data que comprova a veracidade dos fatos tratados nesse artigo.

Rapidamente a banda embarcou em mais uma "Promo Tour" pela Europa e Japão (por que diabos esses japoneses gostam de bandas com um homem que se faz de mulherzinha no palco?). Em seguida foram para a estrada, realizando a primeira turnê norueguesa em sua carreira, tocando para mais do que 50 pessoas por noite. Em agosto do mesmo ano foi a vez de tentar levar a tour pela Europa, apenas tentar, por que chamar aquilo de turnê era um elogio muito grande.

O álbum Flow não emplacou, como era de se esperar, ninguém queria ouvir aquela porcaria sonora, nem mesmo os antigos fãs, que ja passavam de 30. As vendas cairam para -50 álbuns vendidos por dia.

O Fim da Banda[editar]

Tore depois da aposentadoria

O cansaço pela insuficiente busca de algo mais e a decepção com um álbum em que todos (leia-se apenas Tore, nem o resto da banda gostou desse lixinho) confiavam foram alguns dos motivos que levaram ao fim do Conception. Com a separação definitiva, a revelação de Roy para o mundo sobre sua sexualidade duvidosa, cada músico foi para um lado: Tore passou a se concentrar em sua nova banda, tão ruim quanto o Conception, Ark; Roy foi o único que deu (nos dois sentidos) certo, foi para o Kamelot; Ingar se dedicou a caridade para crianças abortadas como ele e Arve viu que não servia para porra nenhuma e se aposentou.

Depois de muitos anos, o Conception voltou a ativa (o Roy a passiva) e se apresentou em setembro de 2005 no festival "Bandas que nunca sentiremos saudades 2005", em Atlanta (EUA). Em seguida tocaram em Oslo em um festival organizado pela revista G Magazine norueguesa. Desde então, para o bem do povo e felicidade geral do universo, a banda nunca mais deu sinal de vida, mas ainda assim nenhum integrante negou que poderia voltar a fazer shows e até mesmo lanças uma outra fita k7.


Ver Também[editar]