Desciclopédia:Desencontros/Recife-Brasília I

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

O único desencontro da história da DP com dois usuários apenas, cada um de um estado diferente, e o representante de um desses estados nem é de lá...


Informações[editar]

LOCAL: Seu Buteco, no Marco Zero do Recife (de vista pro Pênis de Brennand).

DATA: 15/11/2018

HORA: 15:30 - eu acho (horário local, em Brasília eram 16:30 por causa da porra do Horário de Verão)

Presentes[editar]

Assuntos imbecis geniais tratados[editar]

  • A maravilha da arte de Francisco Brennand e interpretações acerca se sua escultura mais famosa seria ou não um caralho alado;
  • A vida profissional de cada um;
  • Sobre bebida e fé crente juntas (papo que rendeu o artigo Vinho Jesus);
  • A bizarrice do sotaque de Florianópolis;
  • Heavy Metal é o melhor estilo do universo;
  • Sobre a saga do Dia do Sysop Louco e sobre o golpe de estado no Kohl;
  • Se o Zero sai de casa ou não;
  • Porque os dois usuários tretavam tanto ao longo dos anos (a pergunta inclusive permanece uma incógnita);
  • Histórias dos tempos do paga-lanches no site (e outros donos da Desciclopédia);
  • Sobre usuários recém-banidos que eram retardados da cabeça (e outros retardados afins que faziam votações sem sentido);
  • Mais um monte de assuntos que a cerveja não me permite lembrar no momento.

Depoimentos pessoais[editar]

UltraJohnnÿ[editar]

O desencontro foi muito louco, cheguei lá atrasado pra cacete, o Terror já tava na segunda, terceira, sei lá quantas. Já ri logo do sotaque dele (heuhaeuhea). Falamos um bocado de Desciclopédia, umas paradas históricas (inclusive nossas tretas homéricas), e não lembro lá de muita coisa porque a cerveja me fez esquecer até como eu realmente cheguei em casa. Sério. Amigos meus até fizeram umas zueiras com áudios que eu soltei nessa dia doido da porra uaehuaehuaehu

April.gifGDq./GEN. UltraJohnnÿ O SYSOP LOUCO! 36 919 edições 17h42min de 24 de novembro de 2018 (-02)

Terror[editar]

Fotos[editar]

E só porque a gente não curte tirar fotos.