Desentrevistas:Carlos Castro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Desentrevistas.gif

Este artigo é parte do Desentrevistas, a sua coleção de fofocas informações sobre as pessoas famosas.

Hoje vamos desentrevistar um fantasma, ou melhor dizendo, o homem capado por Renato Seabra em Nova Iorque, Carlos Castro.

Olá, sr. Carlos Castro.[editar]

Olá, eu vou adorar esta entrevista.

Esperamos que sim. Primeira pergunta: você amava Renato Seabra?[editar]

Parte sim, parte não.

Como assim?[editar]

Sim, porque eu desabafava com ele e não porque me limpou a conta do banco.

Mas que criminoso![editar]

Ai, o que chamou ao meu reré?! (Fica REALMENTE chateado) Vou-lhe dizer para lhe cortar os olhos com o saca-rolhas.

(Cheio de cagufo) Peço desculpa, não era a minha intenção.[editar]

Deixa, eu não lhe conto.

E como é que você reagiu à sua morte?[editar]

Muito, mas MUITO mal! Eu ainda era novo, e ainda tinha muitas Playstation e Barbies para comprar o meu reré...

E você tem saudades da sua família?[editar]

Não muitas. A minha irmã batia-me e nem foi a minha mãe que me deu de mamar!

Então quem foi?![editar]

Foi a vaca da Betty. É de quem tenho mais saudades, para além do meu amigo José Castelo Branco.

Outro maricas como você?[editar]

Pois claro, eu só me dou com maricalhos!

E pode explicar como foi o seu crime?[editar]

Olhe, eu estava no meu jacuzzi de luxo e ele disse "eu quero vinho" e eu disse que eu é que era o vinho e ele foi buscar o saca-rolhas e fuzilou-me.

E como reencarnou para fantasma?[editar]

Fui a Broadway e colei as cinzas com fita-cola.

Olha, tou FARTO das tuas mentiras! Agora nunca vais aparecer ao mundo![editar]

E quem e você?

O meu nome é Renato Seabra 2 e vou-te fuzilar com uma caneta de filtro vermelha! MUAHAHAHAH!!!!!! (Mas antes que isso acontecesse...)[editar]

Posso só fazer uma perguntinha?

Eu pensava que o desentrevistador era eu, mas vá, podes dizer[editar]

Podes fuzilar-me com uma caneta azul? É que não gosto de vermelho...

[Desde aí nunca mais ninguém se lembrou dele. E a caneta? Será que foi azul ou vermelha? Um mistério misterioso para descobrir...]