Desnotícias:Caos no Afeganistão: entenda que diabos está acontecendo lá

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

CABUM, Afeganistão

Aqui vemos o sucesso da primeira lei decretada pelo Talibã após a tomada do poder, a qual estabelece o isolamento social.

Vinte anos após ter sido chutado pelos Estados Unidos, o Talibã volta a dominar o Afeganistão, de mala e cuia e mandando em geral. Nesse domingo (15/08), com a retirada dos militares estadunidenses por motivos de fadiga, ou melhor, porque os EUA não querem mais ser a babá de país alheio e preferem vazar de lá, os talibãs retomaram a governar o país. Afinal, faz 20 anos que os aliados da torta de maçã estão brigando com os extremistas talibãs, sendo que em 2001 os mesmos foram despejados do Afeganistão devido às traquinagens do 11 de setembro, que foi o negócio lá do Osama Bilada. Naquela época, os talibãs dominavam 90% das terras afegãs, sendo liderados por Mohammed Omar, que já morreu, para a felicidade do mundo inteiro (inclusive quem o conhecia). O presidente dos EUA naquela época ainda era George W. Bush, que mandou invadir o país inteiro só porque queria a cabeça de Osama Bin Laden numa bandeja, e o barbudo acabou morrendo em 2011 após os EUA acharem ele sem querer no Paquistão após um simples tweet de um vizinho.

Então, com a saída do exército anglo-saxônico, os talibãs viram a oportunidade de liderar o Afeganistão novamente e mandar quem não gostasse ir catar bombinha. Provavelmente o Coronel Sanders pensou: "Não aguento mais deixar meu exército naquele país, vou mandar eles voltarem e os outros que se fodam". A retirada do exército não foi espontânea não, foi por causa dum acordo dos EUA com o grupo extremista, mas como no final os EUA acabaram levando no cu (novamente) e o Afeganistão virou uma Coreia do Norte novamente... Esse acordo era tipo um pedido de socorro dos Estados Unidos para impedir que Al-Qaeda e cia. bombardeassem os EUA de novo.

Só faltava serem atropelados pelo avião ainda...

O caos só se instalou no país mesmo após a invasão, porque antes disso o exército americano estava criando teias de aranha enquanto esperava algum extremista fuzilar alguém no Afeganistão. Em julho de 2021, os americanos entregaram alguns brinquedinhos explosivos, um pato de borracha e a segurança do país nas mãos do governo afegão, depois voltaram pra casa. Mesmo assim, alguns soldados ficaram lá pra morr... ops, pra não falarem depois que os EUA não deram apoio ao país. Algumas pessoas dizem que essa retirada do exército americano dos EUA foi errônea e poderiam ter evitado essa desgraça toda, mas também, até mesmo o velho Joe desconversou sobre tal história. Na verdade ele só mandou o exército voltar pros Estados Unidos pra proteger as franquias do McDonald's.

A cornologia de invasão ao Afeganistão foi lenta mas impiedosa, e isso só cresceu mais ainda a sede de terrorismo dos talibãs. Vários estrangeiros e nativos tentaram fugir do país pra não morrer, claro, mas eram impedidos de entrar nos aviões. Não podendo viajar dentro do avião, o que eles faziam? Nada mais seguro que viajar do lado de fora. Isso acabou fazendo várias pessoas inovarem em um novo tipo de esporte olímpico, que consiste em desafiar a lei da gravidade e ver quem cai do ponto mais alto. O aeroporto de Cabul parecia uma loja na Black Friday: as pessoas subiam no avião como se ele fosse um trepa-trepa de uma edição limitada. É por essas e outras que é preciso agradecer por morar no Brasil.

Um dos desfiles da morte, passando diante de uma loja de lubrificantes. Não é por acaso, porque o coro vai comer.

Os talibãs chegaram mandando parar a vacinação do coronavírus e já colocaram em prática suas normas. Uma delas é que pessoas do sexo feminino não poderiam mais fazer nada; afinal, para que as mulheres não se contaminem, é preciso impedi-las de respirar. Vários professores se despediram de suas alunas por causa disso, de acordo com uma lei criada entre 1996 e 2001 (apoiada por Satanás, que em pleno século XXI voltou com tudo pra atazanar os outros). Depois resolveram voltar atrás e deixaram as mulheres estudarem, mas claro, com um porém: mulheres de um lado e homens do outro, ou seja, irão dividir as escolas, que duvido que tenham tantas salas assim, pra seguir os luxos deles. Senão seria abrir mão demais das normas amigáveis dos talibãs e pra eles até as mulheres andarem é um pecado (de novo isso, cazzo?! Pois é...).

Como se não bastassem essas coisas, ainda chega o Pato Donald enchendo o saco e pedindo a renúncia de Joe Biden por incompetência. Trump continua tão convencido de que foi mais competente, que ainda acredita que não perdeu em 2020; é capaz de mandarem alguém até o Afeganistão só para gravar imagens aéreas e colocá-las num telão, assim todo mundo vê o que (Obama começou, Biden terminou e) ele alimentou. Mas independente de quem seja o atual inquilino da Casa Racista, muitos estão associando esses acontecimentos com um certo filme do futuro chamado Guerra Mundial Z. Pode ter certeza que isso não acabou, na verdade está longe de "akbar", pois até o presidente do Afeganistão fugiu do país. Apesar de estarem "mostrando que mudaram", pedindo para que as mulheres "continuem o que faziam antes", ou tentando "manter as aparências" e "disfarçar as evidências" (sempre muito amigáveis), a galera que está no poder agora tem motivos a mais pra brincar de GTA sem aumentar as estrelinhas. Também pediu pros trabalhadores voltarem a trabalhar, senão o país vai falir mais ainda.

Alguns líderes supremos de outros países se colocaram nessa história, sem mesmo terem sido chamados. Como por exemplo o presidente da França, Emmanuel Macron, que não falou nada de importante. Aliás, ele só disse que não vai intervir, pois entrar no país alheio é coisa e dever dos Estados Unidos. Muito observadora, a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, só falou que isso é aterrorizante, como se ninguém tivesse percebido isso. Ela também disse que tem que resgatar as pessoas de lá (as alemãs, claro), mas com certeza não vai colocar o pé dela lá pra fazer isso. Já um qualquer lá do Reino Unido, o cara do cabelo de milho, disse que algumas pessoas não conseguirão sair do Afeganistão, porque a preguiça é tanta que o pessimismo é ainda mais forte. Com uma certa falta de vontade, disse também que o Reino Unido não vai conseguir tirar todo mundo do país. Ou seja: deixou mais uma vez o dever pros Estados Unidos. A China também se manifestou sobre, mas é café com leite e disse que talvez reconheça os talibãs como coleguinhas e ainda faça um acordo de terrorismo com eles. Já a Rússia segue por essa mesma linha, e talvez ainda recrute os talibãs pra estudar eles. O Brasil pediu calma e mandou os diplomatas se esconderem no buraco mais próximo.


Fontes[editar]

Compartilhe
essa desnotícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram