Desnotícias:Em jogo marcado pelo caso isolado de racismo nº 35495548, Grêmio cumpre mais um ponto da cartilha do rebaixamento

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

PORTO ALEGRE, Bananil

Um resumo da briga entre torcedores do Grêmio e Palmeiras

O Super Grêmio está demais, trazendo alegria... para todas as outras torcidas. Hoje, dia (31) o time gaúcho foi derrotado pelo VARmeiras em casa e deu mais um importantíssimo passo em busca do tri-rebaixamento inédito ao cumprir mais um ponto presente na cartilha de todo time rebaixado: a invasão de torcida.

Porém, no começo do jogo ninguém esperava que as coisas teriam esse desfecho emocionante (e hilário). No duelo dos birebaixados sem mundial (Toyotão é marca de carro e 51 é pinga), o BBrêmio saiu na frente após um gol marcado por Diego Souza com assistência de Marcos Rocha, que não marca nem a própria sombra e mais uma vez mostrou sua qualidade defensiva ao tomar um vareio de Douglas Costa, que por um milagre da natureza não se machucou de costume no lance.

Como é de costume, o Berdão do Abelinho passou os próximos minutos desesperadamente tentando criar alguma jogada ofensiva, isto é, meter chuveirinho na área pro anão do Rony escorar de cabeça (risos) ou dar a bola pros três patetas (Zé Rafael, Gustavo Scarpa e Raphael Veiga) chutarem do meio de campo.

Parecia que o Super Grêmio iria alcançar um puta de um resultado importante e começaria a caminhada para sair do Z4, mas eis que no finalzinho do primeiro tempo, entra em ação o segundo maior jogador do BBalmeiras: a sorte. Faltando milésimos para acabar o primeiro tempo, Thiago Santos, que acabou de voltar dos Estados Unidos, achou que ainda estava numa partida de futebol americano e jogou o pobre do Marcos Rocha pro chão como se ele fosse um saco de bosta. Um pênalti tão claro que até o Stevie Wonder veria. Raphael Veiga, o Cristiano Penaldo brasileiro, não costuma decepcionar na linha de onze metros (em uma coisa ao menos ele não pode decepcionar, né?) e empatou. E quando parecia que a sorte não podia cair de novo no colo dos suínos crefizenses, Veiga consegue a proeza de fazer seu primeiro gol na carreira sem ser de pênalti justo naquele jogo.

No segundo tempo, o Bbrêmio insistiu, insistiu, insistiu, e acabou que o Pomeiras não resistiu: Elias marcou o gol de empate no final do jogo, mas antes que a gauchada pudesse comemorar, a Tia Leila fez mais um de seus famosos pix pro VAR, o maior craque da história recente do Pomeiras, entrar em ação. O gol foi anulado e a vergonha pros gaymistas ficou ainda maior depois de tomar o terceiro gol do Breno Lopes (temos que admitir, nem se compara ao vexame de tomar gol do Deyverson), um maluco que só fez gol uma vez na vida porque tava sendo marcado pelo PARÁ e o goleiro nem se mexeu no lance.

Terminado o jogo, o Bbremio ficou a mais um passo de conseguir seu tri inédito da segundona, e a torcida já mostrou que comprou o projeto ao protagonizar um momento que é clássico pra todo time que cai: a invasão de campo. Momentos após o apito final, uma horda de tricolores da Geral do Grêmio que estavam se encoxando nas "Analvalanches" desceram das arquibancadas e começaram a quebrar tudo que viam pela frente. Quebraram a cabine do VAR (essa temos que admitir que teve motivo), as câmeras de televisão, as placas de anunciantes, as grades de proteção e as costelas dos pobres coitados que estavam no caminho. A briga foi tão feita que foi além do estádio e envolveu a torcida do adversário, Mancha Verde, naquela que foi a primeira demonstração de uma briga com distanciamento social da história do futebol brasileiro. A confusão só foi contida quando os policias vieram cheios de cacetinhos, coisas que os gaúchos adoram.

E no meio de toda essa confusão, um caso inusitado, que nunca ocorreu antes envolvendo a torcida do Grêmio: um gremista começou a xingar membros da torcida do adversário de "macacos" através de gestos sugestivos como pular pra lá e pra cá e enfiar uma banana no cu. A diretoria do clube porém, pediu para relativizar o ocorrido, afinal, nunca antes na história do clube foi registrado um caso de racismo envolvendo a torcida.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa desnotícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram