Endorama

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Mamonasalb.jpg Este artigo trata de um álbum

E você baixa da internet porque não tem dinheiro.

Conheça o resto da playlist clicando aqui.

Bernardinho nervoso jpg.jpg Please STOP the music!

Este artigo se trata de cantores, bandas ou músicas cantadas muito, mas MUITO mal.

Cquote1.svg Eu não escutei isso... Cquote2.svg
Headbanger sobre Endorama
Cquote1.svg Nem a gente. Cquote2.svg
Resto do mundo sobre Endorama
Cquote1.svg Eu adorei! Cquote2.svg
Clodovil Hernandez sobre Endorama
Cquote1.svg Eu também! Cquote2.svg
David Brazil sobre Endorama
Cquote1.svg Quanta viadagem... Cquote2.svg
Thammy Miranda sobre Endorama
Cquote1.svg Papai não gostou! Vão ficar de castigo! Cquote2.svg
Deus Metal sobre Endorama

Endorama é o nono álbum do Kreator. Ele horrorizou o mundo ao mostrar o lado enviadado gótico da banda... foi algo deprimente. Mille cantava as músicas como se fosse uma mocinha, sem a agressividade de antes. Solos e riffs? Os poucos que existem são uma merda! Em suma, apesar desse álbum ter alguns fãs sem cérebro , ele nunca deveria ter existido.

ERKreator.jpg

Antecedentes[editar]

Lançado em 1999, o Kreator terminaria os anos 90 e o século XX com uma obra musical... imagine só! Gótica! Foi o cúmulo do período experimental da banda (se bem que o Outcast já estava denunciando que isso poderia acontecer.) Junte Load, St. Anger, Risk, Cold Lake, Roots, I Hear Black, No Prayer For The Dying, Os Três Porquinhos e todos os cds da Xuxa, bata no liquidificador e veja que Endorama consegue ser pior que isso tudo. Graças a Deus foi o último álbum experiemental e depois eles lançaram Violent Revolution.

Produção[editar]

Não importa como o álbum é produzido se as músicas SÃO UM CU!

Recepção[editar]

Tirando os fãs retardados aficionados do Kreator, ninguém gostou de Endorama. Toda a comunidade thrash virou as costas pro Kreator. Os outros três álbuns até que davam pra levar, mas Endorama é mais gay do que Cold Lake!

Conteúdo lírico[editar]

Visões gays sobre a vida e seus problemas.

Gayzices Músicas[editar]

  1. Golden Age/Virei Guei - Título auto-explicativo
  2. Endorama/Dou na Cama - Título auto-explicativo
  3. Shadowland/Dando nas Sombras - É Mille... se rendeu ao lado gótico da força...
  4. Chosen Few/Meus Poucos Bofes - Idem com o de cima.
  5. Everlasting Flame/Tesão Interminável - A música MAIS GAY da banda! A introdução é em piano e Mille sussura a letra.. AARGHH!.
  6. Passage To Babylon/Passagem para Belém do Pará - Essa aí até que dá pra levar.
  7. Future King/Leônidas - Pelo menos fala das orgias gays aventuras de um nobre guerreiro.
  8. Entry/Entrando - Uma passagem de piano tão inútil quanto o álbum que a contêm.
  9. Soul Eraser/Limpa-Manchas - Uma propaganda da Omo.
  10. Willing Spirit/Espírito Dadeiro - Mais uma canção dedicada ao estilo enviadado de vida.
  11. Pandemonium/Quarto Bagunçado - Conta o fato de que bichas odeiam quartos desarrumados.
  12. Tyranny/Coréia do Norte - Pelo menos uma canção contra ditadura no final!

Viados Integrantes[editar]

  • Mille Petrozza - Gemidos e Violão triste
  • Tommy Vetterli - Guitarrinha de plástico e sintetizadores
  • Christian Giesler - Baixo triste
  • Ventor - Bateria depressiva

Seção de Aviso[editar]

Se você for gay, irá adorar esse álbum. Caso não seja, se afaste dessa praga e pegue um Violent Revolution, Coma of Souls ou Enemy of God da vida!