Etiópia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Havaiana pobre.jpg Esty artygo é dy pobry!
Esty artygo é sobry koyzas dy póbry, peçowas póbrys
y o dono taméyn dévy dy sê un pobretãwn do karáy!
Ityop'iya Federalawi Demokrasiyawi Ripeblik
República Federal Miserável da Etiópia
Etiópia
Bandeira da Etiópia
Brasão de Armas da Etiópia
Bandeira Brasão
Lema: Cadê minha comida?
Hino nacional: Ulê-banko Kulangadá (Me dá comida pô) - Jessé

Localização de Etiópia

Capital Aids-Ameba
Cidade mais populosa Harehare
Língua Amárico
Religião oficial Reza Braba
Governo República Miserável
 - Presidente Culimba Bulimya
Heróis Nacionais Jessé, Zé Pequeno
Área  
 - Total Pobre km² 
 - Água (%) 1
Analfabetismo Alto  
População Faminta 
PIB per Capita 1 pedra 
IDH 000 
Moeda Pedras
Fuso horário Meridiano de Darkwich
Clima Quente pra caralho
Website governamental Não tem Internet


Cquote1.svg Como se faz para colocar 20 etíopes dentro de um carro? Joga um pão lá dentro! E pra colocar 50? Passa manteiga! E pra colocar 100? Bota presunto! Cquote2.svg
Ditado popular etíope
Cquote1.svg Por que na Etiópia eles não vêem o Globo Esporte? Porque é depois do almoço Cquote2.svg
Frase etíope
Cquote1.svg Na União Soviética, a Etiópia passa fome em VOCÊ!! Cquote2.svg
Reversal Russa sobre Etiópia

Etiópia é uma comunidade africana, também chamado de "país" pela ONU embora não se trate propriamente de um, próximo ao Cudumundistão, cuja capital é Aids-Ameba.

História[editar]

Pré-história[editar]

Algumas das evidências mais antigas do Bicho-homem são encontradas na Etiópia, que é amplamente considerada a região da qual os homens das cavernas partiram para colonizar o Oriente Médio e o resto do mundo. Foi lá que o famoso fóssil da macaquinha Lucy foi encontrado, aceita como uma ser humana, num baita gesto de racismo velado.

Em 9000 a.C., quatro grandes potências governaram o domínio dos assuntos humanos: Abassídia, Atlântida, Lemúria e Mu. Essas poderosas civilizações possuíam tecnologias avançadas, mas infelizmente entraram numa guerra sangrenta e se destruíram, exceto a Abassídia (atual Etiópia). Atlântida foi engolida pelo avanço do oceano devido ao aquecimento global, Lemúria tornou-se a atual Madagascar e Mu se tornou a atual Moldávia ambos em completa mediocridade nos dias modernos.

O povo da Abassídia, seguindo os preceitos do Lado Sombrio da Força, instituíram uma gloriosa monarquia que viria a se tornar a Etiópia dos dias modernos.

Dʿmt[editar]

O primeiro império que se tem notícia na Etiópia eram os Dʿmt cuja inutilidade foi tamanha que faltam maiores informações sobre o que fez essa civilização além de ter esse nome engraçado. Apenas por serem muito inúteis deram origem a um dos países mais inúteis do mundo, a Eritréia. Acredita-se que os Dʿmt não tinham vogais, por isso não sabiam se comunicar e isso os levou à ruína.

Mas as hordas de selvagem D’mt conseguiram com sucesso capturar alguns Pikachus do leste, e depois produzir um cruzamento entre o pokémon e patos, fazendo surgir o Psyduck.

Império Aksum[editar]

Etíopes venerando o Deus do Pênis em Aksum.

Durante a fundação do Reino Axumite o Santíssimo Imperador Axumita Zoskales recebeu uma visão sagrada da mais bela mulher loira de olhos azuis que apareceu diante dele e disse-lhe uma profecia onde o seu reinoa fricano enfrentava um momento de grande necessidade, quando Zoskales sugeriu que ela abrisse uma conta privada em algum banco de Adis Abeba onde ela poderia temporariamente transferir todos os fundos de ativos de seu ex-marido morto.

Zoskales, maravilhado com a visão, iniciou um vasto programa público para atingir a transcendência coletiva. Grandes torres foram construídas ao redor da cidade de Aksum para focalizar a energia psíquica e espiritual da Abissínia. Logo, o povo da Abissínia haviam desenvolvido uma invejável capacidade mental e espiritual, ganhando uma vantagem de vários séculos sobre outras culturas na corrida para alcançar a ascensão em seres de pura energia.

Durante o governo de Aksum, os abissínios desenvolveram poderes de profecia e clarividência notáveis, tanto que nos primeiros séculos da era conhecida, os profetas e sábios da Eurásia, Lestásia e Oceania se reuniram em Aksum para estocar numa capela a sabedoria antiga preservada de produzir raios com os dedos. Aksum tornou-se um grande centro espiritual atraindo visitantes de todos os credos, incluído Jesus, Maomé, Jeová e Buda.

Império Etíope e os vários sultanatos[editar]

Ninguém sabe como, mas Aksum faliu e os descendentes da antiga terra da Abissínia entraram em um estado de desordem, surgindo assim o Império Etíope. Foi nessa época que as diversas potências europeias, como Inglaterra e Itália, fizeram várias incursões, especialmente lá pelo século XIX, para tentar encontrar a arca da aliança, o cálice sagrado, e o santo sudário (esse terceiro conseguiram encontrar). No entanto, essas incursões foram repelidas por Menelik I, o santíssimo novo imperador descendente direto de Dhalsim que chegou ao poder da Etiópia e iniciou um programa de modernização e de transcendência maior que o de Aksum. Foi sob o governo de Menelik que a Abissínia se tornou a mais santa e transcendente República da Etiópia. Em 1900, os etíopes já tinham alcançado os poderes de telecinese, projeção astral e teletransporte.

Enquanto isso, no sul do Império Etíope se formaram uma porrada de sultanatos hereges, sendo o Sultanato de Aúça o principal deles. Como os etíopes foram um dos únicos povos da região que continuaram cristãos ortodoxos e estavam dando sopa por ali, foram por séculos escravos dos povos muçulmanos, sendo os homens castrados e cuidando dos haréns dos sheiks estrangeiros que comiam suas concubinas etíopes. Até hoje existem etíopes escravos - em menor ou maior proporção - em lugares como Dubai, Líbia, etc.

"Colonização italiana"[editar]

Espião etíope disfarçado de soldado italiano para obter informações secretas para a Batalha de Amba Alagi.

A Etiópia tem uma longa história de derrotas militares e dominação europeia. HAHAHA! ESTOU BRINCANDO! Aposto que você pensou que era verdade, não é?! Sério, a Etiópia nunca foi colonizada. Por exemplo, o Reino da Itália em 1894, você sabe, aquele país moderno e rico na Europa cujo exército tinha vastos estoques de artilharia pesada e metralhadoras, invadiu E FOI HUMILHANTEMENTE DERROTADO PELA PORRA DA ETIÓPIA. O exército de 100.000 etíopes com lanças foi o bastante para afugentar os italianos de rifles e bombas. Mas a Itália tentaria novamente, lá em 1935, desta vez trazendo consigo 500.000 homens armados com granadas, fuzis e metralhadoras modernas, 600 aviões de caça e bombardeiro, além de 800 tanques, para enfrentar os etíopes, prontos novamente com apenas 300.000 homens com lanças e canhões desatualizados (mas desta com uma adição sorrateira de três aviões de combate de 1917 e três tanques da década de 1920, além de algumas metralhadoras velhas). Eu sei que aqui é a Desciclopédia, mas esse parágrafo é sério, não é uma piada. Ok, pode-se argumentar que os italianos venceram em algum momento, mas mesmo nessa hipótese eles levaram 8 fucking meses para fazer isso. A Alemanha levou apenas cinco semanas para conquistar a França inteira, que tinha o segundo melhor exército da Europa na época, e um mês para conquistar a Polônia.

Não a toa teorias apontam que o então imperador da Etiópia, Haile Selassie, foi o responsável direto pela derrota dos italianos na Segunda Guerra Mundial e na Segunda Guerra Ítalo-Etíope ao amaldiçoar os italianos com a incapacidade de vencer qualquer outro conflito bélico (perderam até para os brasileiros). Alguns ainda argumentam que a Etiópia nada teve a ver e que a culpa da derrota italiana na guerra seria de Mussolini, que por pura incompetência perdeu a guerra para pigmeus famintos armados com mosquetes e pedaços de pau.

Reinado de Hailé Salassié[editar]

Haile Selassie visita o rei Simba em conferência.

O sucessor de Menelik II, o Santíssimo, foi Hailé Salassié, o Divino que se tornou o mais santo e transcendente Imperador Etíope da história, destacando-se no conturbado período das grandes guerras mundiais. Selassie, com sua infinita transcendência e benevolência, exibiu poderes divinos, incluindo a habilidade de mover grandes objetos com a força da sua mente. Selassie era adorado como um Deus por milhões. A adoração de Selassie foi organizada pelos rastafarianistas, não etíopes que esperavam que Selassie pudesse conduzi-los, junto com os etíopes, ao caminho da mais divina e sagrada transcendência. Durante o reinado de Selassie, muitos vieram a Selassie para aprender os caminhos da Abissínia. Em particular, milhares de italianos que migraram para a Etiópia entre os anos de 1935 e 1940 para aprender os segredos da transcendência etíope.

Etiópia comunista[editar]

A Etiópia se encontra em caos e desordem após a morte de Hailé Salassié em 1975 e vira terra de ninguém por falta de herdeiros dignos (inúmeros foram levados à forcas para testar na prática seus poderes de levitação, que falharam). O país ficou tão ao leu que foi anexado pela União Soviética, cujo governo sob o nome de Derg foi responsável por matar 1 milhão de pessoas de fome e transformar o outrora Glorioso Magnífico Transcendental Elevado Espiritualmente Império da Etiópia em um dos países mais fodidos da atualidade.

Independência da Eritreia[editar]

O outrora país que conseguiu se defender da Europa de súbito havia se tornado o mais merda país da África, tão merda que não ganhava guerra nem da Eritreia mais. Pois é, por 3.000 anos a Etiópia sempre teve uma saída para o mar, que lhes servia para receber suas importações de massa de macarrão italiano. Era também pelo porto de Asmara que os etíopes receberiam armas e carrinhos de brinquedo, mas infelizmente eles decidiram dar conceder a independência para a Eritreia em troca de muitos doces, seguindo um estranho conselho da Sérvia na época. Mas eles se sentiram enganados quando viram mais tarde que os doces... estavam todos já vencidos.

Eventos recentes[editar]

Atualmente a Etiópia se encontra num lixo total e disputa ferrenhamente ser o pior país da África. Para provocar uma guerra civil na Etiópia, basta soltar um frango no mercado central. A Etiópia até seria escolhida a sede da copa do mundo de 2010, mas desistiu por falta de recursos.

Inspirado no país vizinho, a Somália, o governo etíope autorizou leves porções de anarquismo. Como resultado, temos a Guerra do Tigré no norte, o Conflito Oromo no centro, a guerra afar-somali no nordeste, a guerra separatista de Amara no noroeste, o conflito de Benishangul-Gumuz no oeste, a guerra gedeo-guji no sul, e alguns outros desentendimentos que tornam a Etiópia um belo lugar para se visitar caso queira assistir pessoas guerreando se nem saber mais o porquê de estarem guerreando.

Geografia[editar]

O Dallol, uma típica região da Etiópia que é tão ruim que nem os micróbios conseguem viver ali.

Apesar do PIB (Peso Interno Bruto) per capita oscilar na faixa dos 9 kg, o país sofre de graves problemas de superpopulação devido ao seu território ser formado em 99,5% por áreas hostis à vida humana. Várias tentativas de solucionar a questão foram empreendidas. Em 1998, foi aprovada por unanimidade uma lei que proibia expressamente práticas como levantar os braços, abrir as pernas ou deitar-se, tendo em vista o aproveitamento máximo do espaço geográfico. Savanas e desertos compõem a paisagem total desse país.

O acidente geográfico de destaque é o Dallol (amárico: ዳሎል, ou "porta do inferno"), considerado o lugar mais quente da Terra, é uma lagoa de enxofre que tal qual a Etiópia como um todo, é hostil à vida.

Apesar do ambiente inóspito, tem a sua própria fauna peculiar. O animal mais rápido do mundo vive ali, é uma galinha atravessando a Etiópia.

População[editar]

Um etíope em grande desespero, comeu um leitor de DVD.

Com mais de 100 milhões de habitantes, é um dos países inexplicavelmente mais populosos do mundo, quase todos uma mistura de Morgan Freeman com um sobrevivente residente de Auschwitz-Birkenau. É difícil determinar a maior cidade porque a área mais populosa da Etiópia varia de acordo com a direção do vento e a disposição dos biscoitos.

Na Etiópia ninguém é gay, todos os homens têm sua égua, ou se forem pobres, têm uma cabra ou pelo menos um pombo. Os muçulmanos, aliás, podem se casar com até quatro animais, há aqueles mais abastados que chegam a se casar com quatro éguas, ou quatro cabras, ou escolhem uma égua, uma cabra, um quati, e um babuíno. Na Etiópia o nível de riqueza de uma pessoa na sociedade é demonstrada pela quantidade de animais que possui em casa. Claro, existe um cisma entre aqueles que pretendem se casar com animais do mesmo sexo, e aqueles mais conservadores que consideram isso um pecado.

Como os homens etíopes estão geralmente ocupados com seus animais, as mulheres etíopes são geralmente encarregadas de tarefas mais árduas, como pilotar aviões e lutar em guerras. Quando bem nutridas, as mulheres etíopes são consideradas umas das mais sensuais do mundo, por isso não existem tantas dessas por aí.

Política[editar]

A Etiópia é governada por Sua Excelência, Salvador do Povo, o Jesus Cristo ressuscitado. Mas enquanto Jesus não ressuscita de novo (após sua última ressurreição sob a forma de Hailé Salassié, o Divino) o poder do país pode ser definido através de guerra civil. Na prática a Etiópia está sob o controle exclusivo de organizações de ajuda internacionais e da CIA, sendo usado como ponto de partida para operações anti-islâmicas na África do Norte e Central. Em troca, o governo americano emite um saco de arroz todos os dias para abastecer a população.

Subdivisões[editar]

A Etiópia se encontra dividia em 9 regiões, cada região para uma etnia diferente: Afar para os afares, Harari para os hararis, Oromia para os oromios, Somali para os somalis, Tigray para os tigrays, etc. Por falta de espaço, as outras 378 etnias não puderam ter seu território, mas planos para anexar a Eritreia estão a caminho para resolver essa questão. O Triângulo de Ilemi é um território especial que aparentemente é bem inútil, porque a Etiópia di que pertence ao Sudão do Sul, mas o Sudão do Sul diz que pertence à Etiópia.


Economia[editar]

Carcaças de animais que morreram de fome, um dos principais produtos etíopes.

Resume-se a situação econômica da Etiópia quando percebemos que a última pessoa com um pacote de bolacha no país abriu uma rede de supermercados por ter muito o que vender. Não existem vacas lá, e cabras são tão magras que não dão leite, então o leite é retirado do boi. E quem andar com uma bala 7 Belo na rua, corre o risco de ser assaltado.

Em outras palavras, se o Acre existisse, seria mais rico do que a Etiópia. A economia etíope baseia-se essencialmente na exportação de modelos raquíticas para as passarelas de Paris, Milão, Buenos Aires e Pindamonhangaba. Os principais produtos de exportação da Etiópia são, ao lado das bananas ornamentais vermelhas, os chapéus de palha extremamente engraçados, carcaças de animais mortos, e enxofre. Além disso, o estado obtém seu ouro através das vitórias de atletas nas Olimpíadas. A maior empresa do país é a soleRebels.

A moeda, o Birr etíope tem o mesmo valor de 500000 pedras (3 dólares) podendo comprar 1 kg de carne. O problema é que não existem açougues para vender esse quilo de carne tão baratinho, então a importação faz a carne custar em média 45.000 birrs.

Infraestrutura[editar]

A Etiópia é o país mais ecologicamente correto do mundo, pois a quantidade total de energia consumida por todos os 100 milhões de habitantes durante um ano equivale à quantidade de energia consumida por um americano típico em apenas duas horas. Infelizmente poucos no mundo admiram essa consciência ecológica dos etíopes e apenas sentem dó deles.

Saúde[editar]

O sistema de saúde da Etiópia é de orgulhar, o país tem a mais baixa taxa de obesidade do mundo e quase ninguém morre de infarto lá, as duas maiores causas de morte do mundo e a Etiópia está livre desse mal. É verdade que o país passa por um gravíssimo problema de epidemia de anorexia, mas isso não mata ninguém, é até bom para o ramadã. Um problema mais sério é que remédios não podem ser importados porque sua bula diz "não consumir em jejum" e a última farmácia popular da Etiópia faliu pois a maior parte dos remédios eram "para serem ingeridos após as refeições".

Cultura[editar]

Na Etiópia não tem videntes, porque lá não tem futuro, por isso é um país metade católico e metade muçulmano, onde essa coisa de vidente é considerada heresia e pecado. Vivem no seu próprio mundo no seu próprio calendário etíope de 13 meses afinal é irrelevante para eles se preocupar com um calendário alinhado com as estações do ano, não dá pra plantar nada por lá mesmo. Ainda tem um relógio diferente onde as horas começam a ser contadas com o nascer do sol e quando o sol se põe dizem que deu as 12 horas, para então ir dormir e começar a contar o tempo só no dia seguinte.

País de costumes pitorescos, não dão a mão para cumprimentar, mas batem os ombros para se cumprimentar porque dar as mãos é sinal de desejo de canibalismo. E comemoram o Buhe, uma espécie de "Halloween Etíope" que se diferencia da tradição americana porque as crianças visitam as casas perguntando "fome ou travessuras". Caminhões de alimento nunca passam por lá, porque sempre são assaltados por 20 etíopes esfomeados e que quase sempre comem o motorista.

Esportes[editar]

A Etiópia é uma potência da maratona. Os etíopes são péssimos nos esportes, exceto na corrida, porque as pernas são baratas e, além disso, os competidores recebem garrafinhas de água mineral potável de pelo menos 50 cm na chegada, causando muita motivação aos competidores etíopes. Estudos de educação física apontam que o biotipo etíope (muito magro) é ideal para correr longas distâncias. Correr é um hobby para os etíopes sendo normal correr 100 quilômetros por dia procurando alguma poça para beber água. Um trajeto que uma caminhonete levaria 4 horas para fazer, os etíopes não dão a mínima para a força da gravidade (quase não pesam nada) e percorrem a distância em menos de três horas, apenas para que eles não tenham que comprar um carro. A economia também está se beneficiando disso, com três fabricantes de artigos esportivos construindo um laboratório de teste de tênis de corrida na Etiópia somente no ano passado. Lá, os tênis de corrida são levados ao limite na prática.

Mas existem outros esportes além da maratona (o futebol não é um deles). Há o Donga, uma competição de luta de paus que serve para decidir quem irá casar com a donzela da cidade. E o Ukuli Bula, uma competição de pular nas costas de bois em movimento, só crianças e adolescentes competem, os vendedores ganham um RG, os perdedores continuam não existindo como cidadãos.

Culinária[editar]

Le cinque merda, um prato típico etíope introduzido pelos italianos. Sobre massa de lasanha colocamos merda de boi, merda de cabra, merda de porco, merda de bode, e merda de cavalo. Com uma saladinha pra acompanhar, é claro.

A culinária etíope é muito rica, as comidas mais típicas do país são: Carcaça de boi, ossos de cabra, intestino de girafa, testículos de camelo, sanduíche de pedra com leite de bode, lasanha de feijão com puré de intestinos de camelo, terra, água, ossos de hiena assados ao sol com molho de jiló, espinha de cavalo acompanhado com uma taça de sulco estomacal de hiena, testículos de boi com mingau de azeitona, feijão do nordeste, salada de pentelhos de babuíno temperada com suor de morcego, e crouttons mofados. Por isso no "Big Brother Etiópia" o prêmio é um quilo de biscoito, meio quilo de arroz e um copo de água, vencendo o participante que consegue chegar vivo à final, os demais participantes morrem de fome no caminho (enquanto o "A Fazenda Etiopia" não vingou e durou apenas 1 dia, pois os animais foram comidos pelos participantes).

E os pratos para as pessoas de maior prestigio, mais ricas e famosas, mais bonitas e charmosas: Arroz com feijão, café, carne crua.

Religião[editar]

A Etiópia é casa do Tewahedo, o cristianismo ,mais ortodoxo possível. Eles não comem porco, esculpem igrejas inteiras dentro de blocos de pedra do século XII, odeiam cortinas, guardam relíquias do século II, e proíbem as mulheres de fazer tudo.

E também local de surgimento do rastafarianismo, erroneamente creditado à Jamaica, mas note que as cores do rastafarianismo não são da bandeira da Jamaica, mas sim da bandeira da Etiópia. É esta religião que acredita que Haile Selassie é Deus e que um dia irá reencarnar num novo cantor de reggae.

Flag map Etiopia.png Etiópia
HistóriaGeografiaDemografiaPolítica
SubdivisõesEconomiaMoedaTurismo
CulturaBandeiraBrasãoHino
Leaotarado.jpg
África
v d e h

Países: África do SulAngolaArgéliaBenimBotswanaBurkina FasoBurundiCabo VerdeCamarõesChadeComoresCongoCosta do MarfimDjiboutiEgitoEritreiaEssuatíniEtiópiaGabãoGâmbiaGanaGuinéGuiné-BissauGuiné EquatorialLesotoLibériaLíbiaMadagascarMalawiMaliMarrocosMaurícioMauritâniaMoçambiqueNamíbiaNígerNigériaQuêniaRepública Centro-AfricanaRepública Democrática do CongoRuandaSão Tomé e PríncipeSenegalSerra LeoaSeychellesSomáliaSudãoSudão do SulTanzâniaTogoTunísiaUgandaZâmbiaZimbabwe

Territórios: CanáriasCeutaGalmudugMayotteMelillaReuniãoSaara OcidentalSanta Helena, Ascensão e Tristão da CunhaSomalilândia