Feira dos Importados

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Escudoparaguay.png Falsidade es el real

Este artigo é brasiguayo e viende produtos legítimos de la área. Se quieres rolbar nuestra tierra, es mejor voltar a Foz do Iguazu, mas se quieres un produto, estaremos di purtas abiertas!

Cquote1.png Vou lá todo dia! E lá que compro minha lacoste Cquote2.png
Calango sobre produtos falsificados vendidos na feira.
Cquote1.png Onde fica isso? Cquote2.png
Você sobre a Feira dos Importados
Cquote1.png Perto do Setor de Indústria que não produz nada Cquote2.png
Eu respondendo a pergunta acima.

Livrobase.jpg
A Desciclopédia possui um livro sobre esse assunto em sua biblioteca: Como iniciar seu negócio na Feira dos Importados

Feria Distrital de los Importados Paraguayos ou Feira dos Importados em português, é um dos maiores centros comerciais de produtos piratas legalizados do mundo, perdendo apenas para a Rua 25 de Março situada na capital do gás carbônico e o centro comercial da China. É visto como um ponto turístico entre os brasilienses em geral e que costumam comprar algumas muambas no local sempre que precisam, mas não é tão reconhecido assim por turistas, quem mora fora da região do DF ou Entorno, ou por quem tem pelo menos um pouco de bom senso.

DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...o primeiro nome dessa feira era Feira do Paraguai, nome pelo qual a feira é conhecida até hoje[1]? Não precisa de explicar o porquê...

Origem[editar]

Um "estande de vendas" da feira.

Como qualquer coisa do Distrito Federal fora do eixo monumental de Brasília, a feira nasceu de uma invasão feita por alguns contrabandistas, receptadores e traficantes, que gostariam de um lugar qualquer para vender seus produtos roubados e contrabandeados. A feira do Rolo não tinha nascido ainda, então precisavam achar um lugar onde poderia vender produtos alheios sem que fosse incomodado pelo poder público, pois assim como o Japonês da Federal, Neymar, FIESP, partidos políticos, Lula, Maluf, MBL, sonegadores de impostos e outros elementos de boa índole que integram a sociedade brasileira, consideravam pagar imposto um roubo.

A população de calangos, que na época era composta somente por beneficiários dos Cabides Públicos de Emprego[2], desejava um lugar onde pudesse consumir suas drogas sem ser incomodada pela polícia. As drogas que eram vendidas na feiras iam desde um PolyStation I, até pequenas gramas de haxixe (chamadas por lá de chá de boldo).

Para atendê-los, começaram invadindo um terreno próximo ao estádio Mané Garrincha, numa época que o mesmo era apenas um amontoado de concreto, mas que não chegava a ser um enorme elefante branco. Depois que o governo descobriu a existência dessa feira, resolveu praticar o que sabe fazer de melhor, cobrar imposto e movê-los para o mais longe o possível, onde estão até hoje, no SIA.

Atualmente[editar]

Hoje a feira conta com vários box desorganizados (para despistar alguns delatores) e vende vários produtos piratas (não-funcionais) sem ser incomodada por ninguém, já que atualmente há uma pequena contribuição para o Estado.

Recentemente, um chines que comandava a biqueira da feira cobrando uma pequena colaboração forçada dos lojistas, foi preso, para alívio dos comerciantes que agora passaram a ficar com 10% do lucro ao invés dos antigos 1% (os outros 90% são de impostos).

Veja Também[editar]

Referências[editar]

  1. No site deles eles mesmos dizem isso... Vai entender...
  2. Cabides de Empregos é mais um programa do governo que perdura até hoje.