Frank Biela

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Reichtangle.png Desciclopëdia über alles in der welt!!!

Estä arrtigö é alemon! Issö querr düzerr que ele é parrte dö conspürraçon gerrmänica parra inwadir ö Frankreich por trrás öutrra wez. Non faça scheiße, öu te porremos de quatrro nö Berliner Mauer.


Frank Biela
Frank Biela.jpg
3X4 da Super Licença
Nascimento 2 de agosto de 1964
Neuss, Bandeira da Alemanha Alemanha
Nacionalidade Bandeira da Alemanha Alemanha
Ocupação Ex-ex-ex Piloto
NovoWikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Frank Biela.

Cquote1.png Você quis dizer: Frank Biela e a Fiera Cquote2.png
Google sobre Frank Biela
Cquote1.png Você quis dizer: Frank Biela, a Feia Cquote2.png
Google sobre Frank Biela
Cquote1.png Você quis dizer: Frank Viela Cquote2.png
Google sobre Frank Biela
Cquote1.png Você quis dizer: Frank Balela Cquote2.png
Google sobre Frank Biela
Cquote1.png Você quis dizer: Dave Coulier Cquote2.png
Google sobre Frank Biela
Cquote1.png We are the champions, my friend! Cquote2.png
Tom Kristensen e Emanuele Pirro sobre Frank Biela
Cquote1.png Maninho! Cquote2.png
Dave Coulier sobre Frank Biela
Cquote1.png É TETRA!!! É TETRA!!! Cquote2.png
Galvão Bueno sobre Frank Biela em Sebring
Cquote1.png Ufa! Cquote2.png
Jacky Ickx sobre o fato de ele quase bater seu recorde

FRANK BIELA é a 3ª ponta da Tríplice do Mal de Le Mans, o trio responsável por acabar com a graça na corrida no começo da década, e que foi separado sem sucesso pela ACO visando a competitividade e o direito do cidadão normal de ganhar Le Mans. Nascido em 2 de agosto de 1964, em Neuss, Alemanha, nunca correu na Fórmula 1, fazendo com que seja desconhecido em países com população ignorante esportivamente falando (ex: Brasil.), mas, em países com população que conhece bem os esportes, ele é uma lenda, com 5 Le Mans, 4 Sebrings (Cquote1.png É TETRA!!! É TETRA!!! Cquote2.png) e um monte de campeonatos nacionais de Turismo. Ou seja, ele é um grande turista... Atualmente, se dedica a ser sósia do comediante Dave Coulier, aquele cara que fazia figuração pro Bob Saget e pras Gêmeas Olsen em Três é Demais.

Quando Criança:[editar]

Frank cresceu lá no meio do nada em É Neuss Mano, uma espécie de Acre da Alemanha, muito longe da sociedade alemã, onde, se comprassem a cerveja quente pra entrega à domicílio, chegava lá fria. Biela tinha uma biela infância financeiramente falando (novidade...), mas, não saíam de lá de Neuss porque eram importantes, e tinham medo das Guerras, que com certeza destruiriam Berlim, Munique, Dortmund e qualquer outra cidade grande do país, assim, preferindo a tranquilidade e querendo levar uma vida moderninha. Biela disputava corrida de aparadores de grama motorizados que eram promovidas semanalmente, graças a tradição da NASCAR. Só ele conseguia ganhar, mesmo com peças um pouco inferiores, sendo suficiente pra chamar a atenção de um programa de TV cuja temática era bizarrices e coisas estranhas, mas não por seu talento, e sim porque os desavisados acharam que o Dave Coulier estava nessas corridas, a usando como um preparativo pra Três é Demais, sendo que ele não interpretava um piloto, mas, mesmo assim, viram a destreza do garoto e uns caras da Audi acreditaram nele e lhe deram um kart e uma casa na cidade grande pra que ele um dia fosse uma lenda. Se trataria de um piloto-espião em seus primeiros anos, já que ele foi inscrito na Fórmula Ford Kraut Series pra poder ter acesso a fábrica da Ford e obter informações pra Audi forder a Ford.

A Carreira:[editar]

Nômade:[editar]

Biela e seus comparsas
Cquote1.png Tá saíndo muito de traseira! Cquote2.png

A biela história de Biela no automobilismo começa na Fórmula Ford, onde só queria forder seus adversários e roubar informações pra Audi, fazendo amizade com Manuel Reuter e Bernd Schneider, que também estava infiltrado, mas, pra roubar informações pra Mercedes, mas, ninguém sabia de nada, eles eram amigos e não sabiam nada um do outro. Após a Ford fazer uma busca nos históricos de todos os seus pilotos, viu que Biela e Schneider não eram pessoas “do bem” e os expulsaram do campeonato. Reuter foi junto só por andar com eles. A partir dali, a amizade continuou, mas, foi cada um pra sua área. A Audi lhe arranjou um carro na DTM e na Fórmula 3 Alemã, a Fraülein Series, onde ganhou a corrida suicida no purgatório criado por Hitler chamado AVUS, fazendo com que ele fosse o cara da Audi no futuro, e mandando o pobre coitado pra uma carreira nômade pra pregar a palavra da Audi, já que na Alemanha estavam enchendo o saco dele por causa de Três é Demais. E seu estilo de pilotagem era: chegar na casa do amigo, não limpar o pé na porta, bater todos os recordes no videogame e traçar a namorada dele. Mesmo vítima das infames comparações, correu um ano na DTM. Venceu! Depois, foi humilde e deixou Klaus Ludwig se divertir, e foi correr na França, na DTM deles. Venceu de novo! Com medo da Porsche que tinha escondido Laurent Aïello na competição pra prepará-lo pra vencer LM, leva o cara pra correr na Inglaterra, no Carmaggedon BTCC, indo mais pelo rock do que pela competição, já que ele tinha amor a vida e a BTCC é usada como as competições de demolição das sedes britânicas do Clube da Luta, e sobreviveu a tudo aquilo! No fim do ano vai pra Macau correr naquela pista cujo espaço é curto, quase um curral, pra ajudar a Audi a mostrar pros luso-chineses o que é carro de verdade, e não aquelas imitações que são máquinas suicidas que eles chamam de carro. E a Audi vence a corrida com ele e lhe dá uma festa com um monte de strippers asiáticas que sabem falar português. Se solidariza com um suíço chamado Alain Menu, que estava exilado em Macau, já que não podia voltar pra Suíça porque ele é piloto e, ser piloto no país era (mesmo) assinar sentença de morte. Foi solidário, mas, fez uma cagada imensa: Menu acessou os menus secretos cheios de Easter Eggs do seu carro e conseguiu vencê-lo, fazendo com que o governo suíço já preparasse uma guilhotina com seu nome escrito.

Sossegado em Le Mans:[editar]

Correndo na máquina que entediou Le Mans

Cansado de corridas de média duração, pede a Audi pra lhe preparar um carro pra Le Mans e outros Endurances da vida, e, deu a sorte de que eles estavam preparando: o R8, ali conhecendo Emanuele Pirro, um cara que desistiu da F1 porque só pegou carroça. Ainda tem o Didier Theys, mas, nunca foi útil na biela vida do Biela. Aqueles caras conseguiram o 3º lugar, conseguiram o pódio, e, em 1º, o cara que o Ickx tirou na base do sopro de seus recordes: Yannick Dalmas, com outros 2 aí, inclusive o tio d’O Mito. No ano seguinte, pra ensinar a Biela e Pirro como se ganha Le Mans, põe Tom Kristensen no time, um piloto escandinavo que Ickx achava inofensivo e que não ameaçaria seu recorde (tadim...), só por ser dinamarquês, país que nada fez pro Automobilismo. A aula seria em Sebring, nas suas 12 Horas, onde Kristensen ensinou direitinho o que deve ser feito. Foi só colocarem o cara no time que eles começaram a ganhar e tirar a graça da competição. A ACO, pra não perder audiência, desmonta o trio, colocando Kristensen no pior carro do grid e o Pirro num outro carro da Audi, mas, viram que o problema era o dinamarquês, então, permitiram que ele e Pirro voltassem a correr juntos. Na edição de 2003, seus parceiros forçados eram Katy Benni Perry McCarthy e Mika Salo, um finlandês que era que nem o Pirro: só pegou carroça na F1. Após perderem seus parceiros, Marco Werner entra na história: Biela tenta faezra amizade achando que ele era parente da Susana, mas, não era, mas, a amizade ficou. Enquanto Le Mans virava a “Fórmula Kristensen”, ganhando em 2004, mas, em 2005, Werner se junta a Kristensen a mando da Audi, e o Biela achando que era traição. Eles venceram, mas, pra não ficarem brigados, eles voltam a ficar juntos. Em 2006, a Audi monta o “Trio Ternura sem Vidro Elétrico", com Werner substituindo o Kristensen no trio. Assim, conseguiram finalmente cortar as asinhas do dinamarquês, levando o campeonato 2 vezes e ainda também em Sebring. Mas, no fim das contas, tudo isso foi o parquinho de diversões da montadora que transformou as 24 Horas de Le Mans e as 12 Horas de Sebring na “Fórmula Audi” no fim das contas.