Freeway

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Freeway é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Tom Hansen mata mais um Zumbi no Barco Baleeiro.


BR (rodovia)
Freeway Atari cover.png

Capa da versão brasileira do jogo

Informações
Desenvolvedor Activia
Publicador Activia
Ano 1900 e guaraná com rolha
Gênero atravessar a rua
Plataformas Atari 2600
Avaliação 0/10
Idade para jogar Livre

Freeway é meramente um plágio descaradíssimo de Frogger, só que trocando um sapo por uma galinha, porque na época de seu lançamento em 1981 as leis de direitos autorais ainda eram muito primitivas e isso era o bastante para que o jogo não fosse considerado legalmente um plágio. Como sapos são mais carismáticos que galinhas, Freeway nunca teve muito reconhecimento, e hoje em dia quando o assunto são animais irracionais atravessando autoestradas movimentadas em videogames, todos só recordam de sapos e de Frogger.

Desenvolvimento[editar]

Do mesmo criador de Pitfall!, o design de jogos David Crane estava no auge de sua fértil criatividade em 1981, pois como bom nerd convicto o seu único passatempo era criar joguinhos toscos que hoje podem facilmente serem recriados e reproduzidos no Paint. A ideia para fazer o Freeway veio quando David foi questionado por um péssimo piadista com uma piada que na época ainda não era velha (era 1981, lembrem-se) dizendo "por que a galinha atravessou a rua?" e depois respondendo "porque ela queria chegar do outro lado da estrada". Aquela piada imbecil atiçou os neurônios de David que pensou "por que não criar então um jogo de uma galinha atravessando a rua? Afinal, motivação ela agora já tem!!", e assim foi feito, em alguns 17 minutos de árduo trabalho, David reuniu uns pixels amarelos para fazer a galinha, cinzas para fazer a estrada e blocos coloridos para os veículos, estava criado este clássico jogo.

Jogabilidade[editar]

O objetivo desse jogo é alimentar o sadismo latente de um ou dois jogadores, que controlam uma ou duas galinhas e devem guiá-las para a morte certa, talvez retardando o futuro trágico do animal ou talvez sacrificando o animal logo em seus primeiros momentos de tentativas, o certo é que matarão a galinha com requintes de crueldade e auto-suicídio.

O jogador tem 2 minutos e 16 segundos para guiar uma galinha através da Régis Bittencourt em dia de feriado prolongado, desviando de carros, carretas e veículos automotivos (ou jogando-se deliberadamente em cima dos mesmos, aí vai da personalidade de cada jogador, este jogo é muito inclusivo). Cada travessia vale 1 ponto, mas estes pontos de nada valem, pois o que a galinha ganha é regressar ao ponto inicial, um animal fadado a um looping de tortura contínua, de eterna travessia dessa rodovia.

Enredo?[editar]

Galinha, inutilmente tentando o suicídio, procurando sair desse mundo excruciante de sofrimento.

Por que diabos uma galinha quer atravessar a Rodovia Régis Bittencourt centenas de vezes? Os mais engraçadinhos gostam de responder que "é para chegar do outro lado", mas o fato é que a motivação desta galinha vai muito além disso. Visivelmente controlamos uma galinha amaldiçoada, eternamente presa num looping angustiante criado por algum tipo de mago sádico no qual o animal, não importa quantas vezes atravesse a rodovia, sempre retornará ao ponto de início. Você pode atravessar a rua 1 milhão de vezes, a galinha ainda estará regressando ao ponto de início, fadada a este destino cruel.

Não bastasse o enorme grau de tortura ao qual esta galinha é submetida, ela ainda por cima é uma galinha completamente imortal, não sendo concedido a ela nem o direito ao suicídio, conseguindo manter-se viva mesmo que sofra 50 atropelamentos consecutivos, para que assim mantenha-se presa nessa looping de tortura e sofrimento.