Programa H

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de H (programa))
Ir para navegação Ir para pesquisar
Este artigo aparece na TELEVISÃO!

Cuidado com as mensagens subliminares que estimulam você a comer no McDonalds ou habilitar o novo Office.

ReversalTV.jpg
A dupla que motivou o crescimento absurdo de cardíacos no Brasil: Tiazinha e Feiticeira.

Programa H, H, O+, "O" Positivo, "O" Superpositivo, Superpositivo ou O Programa Com um Monte de Minas Gostosas Usando Nomes de Personagens da Band foi um programa que fez a cabeça de muitos adolescentes dos meados pro final dos anos 90 e início dos 2000 em suas iniciações sexuais, além de influenciar suas escolhas por revista Playboy e similares. Em outras palavras, esse programa era LOUCURA LOUCUUUURA!!!

O programa teve três fases: A fase H (clássica e genial para todos nós), a fase O+ (relativamente genial ainda, porém já repetitiva e bizarras) e a fase Superpositivo (muito cosplay da MTV, o que levou à morte do programa).

Primeira Fase: H[editar]

A fase H foi a fase original, surgida em 28 de outubro de 1996 no comando do ainda jovem, mas já demasiadamente narigudo Luciabo, Luciamo, Lucino Hulk, Huc, Ruqui, que originalmente passava seu programa no horário da tarde, mas devido a motivos óbvios, obóbivios e ululuantes, o programa acabou ficando bem mais tarde pouco depois.

O Lucisno não conseguia muita audiência (também pudera, Band nos anos 90 era tão irrelevante quanto... hoje), mas logo lhe veio uma ideia óbvia, numa época que ainda não tínhamos chegado à maldita Era das Celebridades Instantâneas: colocar mulheres que iriam rapidamente entrar no universo da Mulher Mais Desejada do Brasil.

Assim primeiramente em 1998 chegou ela, a Mulher-Gato tupiniquim, a Tiazinha, aquela tia que você SEMPRE quis ter, por motivos óbvios (SEU DOENTE!). Aquela indivídua com trajes extremamente mínimos, chicotinho e tara por depilar homens retardados que não sabiam "Dica Nº 1 É um país da Europa; Dica Nº 2 No passado invadiu o Brasil; Dica Nº 3 Terra das flores e moinhos de vento; Dica Nº 4 Derrotou o Brasil na última copa; Dica Nº 5 Na final da copa perdeu pra Espanha; Seis: seu idioma é o HOLANDÊS, QUE PAÍS É ESSE?" e respondiam "Espanha", ao invés de "ERRÔOOOOO!" teriam sua perna completamente despelada à duras penas e à cera quente. O sucesso da indivídua fez com que ganhasse um programa próprio, CD com o Vinny e um monte de outras merdas tais que o Luciasno teve que trocar ela pela Senhora Bombadona das Arábias, Feiticeira, que manteve o fólego da atração mais lá em cima ainda, devido todo o lance das Arábias, Khaled e Tarkan, até DeFalla aparecendo na jogada com o início da praga Funk no Brasil, tributos e mais tributos foram pagos por ela. Não a toa, Feiticeira e Tiazinha respectivamente foram a primeira e a segunda mais vendidas capas da revista Playboy da história.

Tanto sucesso fez com que a Globo, que sabe que o povo não é bobo, chamasse Huck pra seu caldeirão, onde ele até tentou repetir o estilo sacana com personagens como a Bombeira (????) e a Dani Bananinha (a primeira mulher fruta da história), só que aí ele casou com a Angélica e teve que acalmar seu pirulito dentro da cueca.

Segunda Fase: Otariano Costa, O+, O Positivo e O Superpositivo, sei lá...[editar]

A Aigo. A (ir)relevância da mesma no programa demonstra o nível que o programa cairia...

A Band, vendo-se sem apresentador, nem ligou muito porque ninguém parava pra assistir essa porra por causa do Luciano mesmo, e sim pela Feiticeira e pelas Hzetes. Logo em outubro de 1999 chamou um ex-VJ (um dos mais de oito mil) e ex-repórter do Domingão do Faustão (que grande bosta de currículo), Otaviano Costa. Otaviano a princípio nem ia mudar o nome do programa, mas como qualquer retardado sabia que H era por causa do Huck, fizeram uma votação e o programa mudou pra O+ (o "O", por "pura criatividade" era obviamente referência ao Otariano). Tentando continuar a mesma sacada do Huck, ele logo tentou criar uma nova "Mulher mais Desejada", a Aigo, a índia que entrava ao vivo semipelada em pleno final dos anos 90 e de 7 de noite, pra tentar derrubar o Casseta e Planeta e o Piores Clipes do Mundo. E aí começou a merda desse programa: a Feiticeira jogou uns feitiços que fizeram a Aigo achar que era mais fodona que ela e querer mais grana da Band, o que lhe rendeu uma passagem de ida sem volta à tribo do ostracismo. Inadvertidamente esse mesmo feitiço criou o programa No Limite e abriu o portal da destruição dos realities shows no Brasil e a era das subcelebridades.

Otariano também cometeu um erro fatal ao tentar atrair ao programa o público das minas fãs de brincar de DJ e dos viadões ao criar a atração dos Gêmeos (Flávio e Gustavo), que apareciam o tempo todo mostrando o corpo bombado de brincar de Braga Boys, mas foi um fracasso total. Pra piorar e pra mostrar como essa degeneração do feitiço da Feiticeira viraria contra o feiticeiro, ela, Tiazinha e os dois Gêmeos acabaram indo parar na Casa dos Artistas, saindo do critério celebridades para subcelebridades, que até hoje eles carregam, seja lá em que buraco eles se encontrem atualmente.

Otaviano tentou uma última cartada, ao criar a Internética, que vivia numa bolha fazendo uma versão softporn de Webcam Sex, mas numa época em que já existia Sandrinha.com.br, quem mais ia perder tempo com uma mina que nem pelada ficava na webcam? Enfim, Otariano foi banido da Band e passou um bom tempo sumido ou na geladeira da Globo, quando foi ressuscitado pela Mônica Iozzi no Vídeo Show e hoje em dia faz mais sucesso que quando trabalhava com várias mulheres bonitas seminuas, hoje em dia trabalha com uma mina vestida de freira e... sem ser bonita, claro.

Derradeira fase: Superpositivo que foi supernegativo...[editar]

No desespero, a Band nos últimos tempos de Otaviano ainda colocou outra ex-VJ, a queridinha dos brocadores nos anos 90 que assistiam a MTV, Sabrina Parlatore, talvez por perceber que talvez com uma gostosa APRESENTANDO poderia dar certo. Otaviano então vendo que perdeu espaço pr'aqueles peitões, foi pra TV do Bispo, e ela ficou sozinha. E assim o programa se arrastou até fevereiro de 2002, com a Sabrina e a Feiticeira até o final (pois é, a Feiticeira não conseguiu fazer um programa próprio devido confundirem ela com aquele seriado velho da porra). Sabrina continuou em alguns programas de somenos importância na Band e a Feiticeira, deprimida, tomou uns anabolizantes e foi participar da Casa dos Artistas como cosplay feminino do seu namorado Vitor SeFode, que ironicamente ela voltou com ele. A Band extinguiu o programa e colocou um outro ex-VJ da MTV com um novo programa: Descontrole, que fez estranhamente um sucesso moderado ao colocar um retardado pra apanhar o tempo todo e um maluco vestido de corvo que era vesgo] ainda por cima. Seu nome? Marcos Micão...