Hans Christian Andersen

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
01AnaCarolina-VEja.jpg Este artigo pode levar-te para o lado roxo da Força!

Este artigo é perigoso, tanto pra homem quanto pra mulher, então proteja sua retaguarda e não vandalize. Se você é fã de Freddie, fique à vontade!

Russo flor.jpg
Ranso Cristiano Anderson
Hanschristianandersen.jpg
Toda a beleza de Hans Christian Andersen
Nascimento 2 de abril de 1805
Odense, Bandeira da Dinamarca Dinamarca
Morte 4 de agosto de 1875
Copenhaga, Bandeira da Dinamarca Dinamarca
Ocupação Escritor de histórias infantis

Hans Christian Andersen foi um famoso pedófilo e escritor dinamarquês. Músico frustrado, não conseguiu seguir carreira nesta área e migrou para a literatura, reaproveitando as letras toscas de suas composições e lançando as mesmas como poemas.

É considerado um dos maiores autores de contos de fadas do mundo, perdendo em popularidade apenas para os Irmãos Grimm.

Biografia[editar]

Compilação das melhores (ou não) histórias de Hans Christian Andersen

Foi parido na divisa entre a Dinamarca e a Noruega em uma península no extremo norte da Alemanha.

Teve uma infância pobre e entediante, até porque naquela época não existiam muitas opções do que fazer para ganhar dinheiro ou se divertir.

Vagabundo assumido, abandonou a escola quando tinha apenas onze anos de idade, usando como desculpa esfarrapada a morte de seu pai para justificar a própria preguiça.

Em sua adolescência, quando começou a se interessar por música, tentou seduzir a cantora de ópera Jenny Lind, mas sua feiura o impediu de obter sucesso. Dizem que ele escreveu o conto O Rouxinol em homenagem a ela, mas este boato já foi desmentido, pois Andersen na verdade era uma bicha enrustida que nunca teve coragem de sair do armário publicamente.

Quando adulto, teve um caso com o também escritor Charles Dickens, mas seu verdadeiro amor era o filho caçula deste. Sabendo que jamais poderia realizar seus desejos sexuais reprimidos com o jovem, que ainda era uma criança, Andersen optou por jamais perder a virgindade, mas como o celibato total seria uma decisão radical demais, ele tornou-se um punheteiro compulsivo viciado no Kama Sutra, única fonte de sacanagem existente até então, que posteriormente viria a ser a sua principal inspiração literária.

Faleceu toscamente aos setenta anos, devido a graves ferimentos decorrentes de uma queda violenta de sua cama, o que contesta a lenda urbana de que teria mantido o cabaço intacto até o fim da vida.

Obras[editar]

Os contos de Andersen caracterizam-se por sempre trazer protagonistas frustrados e insatisfeitos com suas vidas, obviamente sendo todos alteregos do próprio autor. Dentre as várias bobagens que publicou, destacam-se:

  • A Pequena Sereia - Uma sereia mimada com uma obsessão doentia por virar humana. Faz um pacto satânico com uma bruxa e troca sua voz por um par de pernas, mas no final acaba se fodendo porque não consegue conquistar o príncipe encantado e morre, virando espuma do mar.
  • O Patinho Feio - Um filhote de pato é rejeitado por sua família por ser diferente de seus irmãos e sofre bullying dos outros animais. Quando cresce ele fica bonitão, descobre que é um cisne e se vinga de todos que o humilharam.
  • A Polegarzinha - Uma pequena fada é sequestrada por uma bruxa e vendida a uma velha na menopausa para ser criada como sua filha. Após praticar muita zoofilia, descobre que é uma princesa e esquece do complexo que sentia por seu tamanho microscópico.

Claro que há muitas outras histórias além das que foram acima citadas, mas a Desciclopédia não é o Google e nem eu tenho paciência infinita para listar o resto.