História do Paraguai

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Verdade. Este artigo contém... VERDADES!
(pelo menos foi o que a Veja disse)

Material verídico: Use com moderação.

A história de como nasceram esses belos garotinhos na feira perto de sua casa.

Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: História da pirataria Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de História do Paraguai

A história do Paraguai é uma grande mentira, já que ela foi toda copiada da história de outros países da América Latina, com o propósito de vender uma imagem de um país que realmente possui uma história fodástica, mas na realidade é tudo uma grande baboseira, criada por pirateiros paraguaios para que o Paraguai ganhe alguma importância no mundo que não seja apenas encher o planeta de produtos piratas ou de qualidade duvidosa.

Antes do Colombo pôr o ovo em pé (1900 e foda-se antes de Cristo - 1520)[editar]

O rio Paraguai, o rio mais pirata do universo, até a água do rio é feita de lixo invés de água. Isso desde o dia em que Sebastião Caboto meteu a cara por lá.
Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Pré-história do Paraguai

Como quase todos os cantos da América, antes dos cara pálidas da Europa darem às caras pelo território do Paraguai, essa região era só habitada por povos ameríndios. Os três principais que passeavam por lá com a bilola de fora eram os pampídeos, os jês e os amazônicos. Não dá pra dizer com certeza quem chegou primeiro por lá, já que esse povo todo não sabia escrever, aí né, ficou foda ter a menor ideia qual dos filha da puta passaram por lá logo antes de geral.

Depois de um tempo apareceram uns guaranis e uns tais de guayakis, além dos paiaguás. Diferente dos outros que só ficavam na era do caçador-coletor, esses últimos já sabiam plantar mandioca sem ser daquele jeito que sua mente podre tá pensando.

Por volta de 1520 um portuga vindo de onde hoje é o Paraná (que ainda pertencia à Espanha) chamado Aleixo Garcia foi o primeirão a conhecer as bocetas das indígenas paraguaias. Percebeu que no caso delas elas na realidade tinham não bucetas e sim pênis invertido, uma condição rara que as tornava as primeiras legítimas (ou não) mulheres fakes da história. Com vários guerreiros guaranis, fez uns passeios por onde hoje é Assunção (mas na época era só mato, literalmente) e pela região do Chaco paraguaio (que, como hoje em dia, só tem areia e terra seca, além de calor pra caralho). Supostamente também descobriu as cataratas do Iguaçu, embora um espanhol chamado Álvaro Núñez Cabeza de Vaca fica até hoje dizendo que foi ele quem descobriu, o que dá a entender que até essa descoberta é pirata. Garcia depois dançaria perto da atual cidade de San Pedro del Ycuamandiyú, após os paiaguás descobrirem que esse demente queria os levar para uma batalha suicida contra os incas.

Mas tudo isso aí foi atraindo outros branquelos para a região, como por exemplo Sebastião Caboto, que chegaria ao rio Paraguai pouco depois, dando origem a toda a exploração no país daí pra frente.

A fase dos espanhóis cuzões (1520 - 1811)[editar]

Castelo jesuíta feito com tijolos de esterco, por isso se acabou em menos de dois anos depois de construído.

A Nueva Andalucia, como passaram a chamar a região depois do nascimento de Assunção, se tornaria o centro de comando das colônias espanholas na América, mesmo não sendo exatamente formada por grandes caçadores de ouro e prata ou similares, nem de latifundiários fodões, apenas de um bando de gente do MST que fundou as comuneras, que seriam uns agrupamentos de pequenos donos de sítios e fazendinhas igual as de Colheita Feliz. Essa turma que atraiu os jesuítas para lá, para levar essa tropa a ajoelharem e rezarem pra Nossa Senhora de Assunção, e assim esses tentaram converter esse povo de 1604 a 1767, quando desistiram, já que eles preferiam era venerar os pênis invertidos das índias guaranis, o que já mostra o gosto deles desde a muito por coisas falsificadas.

A partir de 1617 o Paraguai começou aos poucos a ser mutilado, ora pela metrópole espanhola, ora por outros cuzões. Nesse ano eles perderam boa parte do acesso ao mar, que virou uma governadoria chamada "governança de Buenos Aires" (que iria integrar aquele país de maricóns). Pouco depois perderam de vez todo acesso ao mar quando a parte do Mbiazá ou Yviazá ou La Vera (sei lá) foi surrupiada pelo Brasil, transformando o lugar no estado de Santa Catarina. Em 1717, após uma revolução do MST que não deu em nada... aliás, deu sim, em prejuízo, pois mais pedaços foram arrancados do Paraguai, e piorou mais ainda em 1750, com o Tratado de Madrid, em que a Espanha cedeu pros portugas o Guayrá e Cuyabá (a atual cidade de Cuiabá, capital do Mato Grosso). Os jesuítas ficaram putinhos e levantaram a Guerra Guaranítica, que só levou o rei Carlito III a, tal qual o rei Zezinho de Portugal, expulsar esse povo escroto do país e de seus domínios.

Em 1776 o mesmo rei criou o Vice-Reino do Rio da Prata, que unificou Paraguai, Uruguai e Argentina num canto só, além da Bolívia, a parte norte do Chile e boa parte do Rio Grande do Sul e Santa Catarina (que ainda eram pedacinho espanhol até então), fazendo essa turma se livrar de ter que responder pro Peru Colonial. Foi tudo divididinho em intendências, incluindo o que restou das missões dos jesuítas, que vendiam crucifixos de latão dizendo serem de prata pro povo burro dali.

A independência bizarra (1811)[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Independência de mentirinha

De saco cheio já de ceder seus jogadores pra Argentina a partir de 1810, quando a mesma pediu desfiliação da Espanha, os paraguaios decidiram forjar uma independência pessoal e não-reconhecida, se aproveitando que o governador de Assunção estava tretando com o de Buenos Aires, Fulgencio Yegros, Pedro Juan Caballero e Vicente Ignácio Iturbide forçaram o governador a assinar um documento tolo só pra pedir ajudinha de Portugal para expulsar a tropa de Buenos Aires, mas o documento era uma fraude, na verdade era uma carta-renúncia seguida de uma proclamação de independência, e assim o Paraguai fez uma independência totalmente pirata.

Pátria idosa (1811 - 1864)[editar]

O carequinha que começou a comandar o Paraguai.

Os primeiros anos de 1811 até 1814 foram um governo de consulado transitório, enquanto eles arrumavam qual seria o sistema político do país. E eis que veio enfim este, através do presidencialismo, mas no caso deles seria um presidencialismo de mentirinha, já que o presidente eleito, tal qual um rei, ficaria até o dia que morresse. Assim foi por exemplo com o primeiro presida, José Gaspar Rodríguez de Francia, que governou de 1814 até bater as botas em 1840. Durante seu governo a igreja católica paraguaia tentou virar uma Igreja Anglicana pirata, se separando da católica romana em 1815. Apesar disso, ninguém deu um puto pra esse lero-lero, e há muito tempo que os padres de lá tão cagando pra essa tal "separação" e continuam pegando a grana do povo pra sustentar o pau do papa.

Entre 1841 a 1862 foi a vez de Carlos Antonio López, após uma treta desgraçada entre 1840 a 1841 pelo poder, que chegou a passar por três mãos incompetentes seguidas: Manuel Antonio Ortiz, Juan José Medina e Mariano Roque Alonzo. López começou como um mero cônsul bem ao estilo romano dos cônsules, mas em 1844 foi validado como novo ditador presidente paraguaio. Ao contrário do bondoso antecessor, López era muito escroto e corrupto, apesar de ter aumentado muito o exército do país para 400 homens bem treinados, um telégrafo pra Humaitá e uma ferrovia para o Paraguarí, bem antes de seu vizinho Brasil sonhar em ter um sistema ferroviário decente de verdade (o Barão de Mauá bem que tentou...).

Marotamente Carlos fez uma pirataria profissional em sua sucessão, forçando geral a eleger seu filhote, Francisco Solano López, para ficar no seu lugar assim que ele morresse, o que aconteceu em 1862. Solano ficaria até 1870 no cargo, e conseguiria ajudar o país a exportar muito mais produtos de qualidade duvidosa numa época em que não existia Zona Franca de Manaus, tinha a Zona Franca Assunção-Montevidéu, com a ajuda do Partido Blanco dos uruguaios que era também manipulado pelo Solano. Isso obviamente deixaria muita gente não só no Uruguai, mas na Argentina, Brasil e, por detrás das cortinas, a Inglaterra, putaças com a situação, e a Inglaterra com medinho de todo mundo parar de comprar seus produtos industriais pelas imitações de quinta mais baratas paraguaias. E aí foi quando começou a guerrinha mais foderosa da América Latrina...

O ditador escrotão que fodeu o Paraguai de vez (1864 - 1870)[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Guerra do Paraguai
Correndo num cavalo paraguaio, Solano acabou se dando mal nas mãos do Chico Diabo, que apenas trotava num cavalo legítimo e alcançou facinho o equino de mentirinha do Solano.

A guerra do Paraguai, que só tem esse nome no Brasil mesmo, já que no Paraguai chama-se guerra contra a Tríplice Filha da Puta Aliança ou Guerra do Brasil, começou em 1864 depois de muita encheção de saco por parte dos países da Tríplice Aliança, que se formou após o Brasil fazer a Confederação Argentina passar vergonha na sua mão, e posteriormente a guerra civil uruguaia que terminou com a vitória do inimigo dos paraguaios, o "colorado" Venancio Flores.

Em especial nesse último caso, o Paraguai ficou ofendidinho quando viu as patas dos brazucas invadindo a ex-Província Cisplatina, e aí em 12 de outubro de 1864 deram uma oferenda para Nossa Senhora Aparecida capturando o vapor Marquês de Olinda e dando start a uma guerra em que achavam que iriam vencer facinho. Inclusive pouco depois invadiram o Mato Grosso, posteriormente invadiu Corrientes da Argentina para poder capturar o Rio Grande do Sul e se pá até o Uruguai, chegando até Uruguaiana. E foi aí que o bicho começou a pegar pro lado paraguaio, pois suas vitórias em geral eram baseadas no fato de que os brazucas, argentinos e uruguaios não conheciam bem uma Winchester legítima, aí os paraguaios usavam um bocado de garrucha com gambiarra pra parecer uma Winchester. Quando finalmente receberam a fita dos ingleses que aquelas armas eram tudo falsiê, a já agora Tríplice Aliança botou o bloco na rua e tacou os paraguaios pra correrem, com as vitórias de Riachuelo, da C&A do Jataí e a de Jatalá Uruguaiana, tudo ainda em 1865.

Daí pra frente, de 1866 adiante as tretas foram tudo em solo paraguaio, em geral só com revés pros paraguaios. A treta parou um pouquinho em 1968, quando a cólera do Dragão matou um monte de soldados dos dois lados, mas voltou com tudo no ano seguinte, ao ponto do Solano fugir da capital e ficar se escondendo em um monte de lugar, criando inclusive exércitos de agências de pedofilia, mas de nada adiantou pra ele, que por em, em 1 de março de 1870, na Batalha de Cerro Corá, Solano e seus últimos sugar babies foram mortos e assim a guerrinha enfim acabou-se, com o Paraguai todo fodido, tendo perdido a última saída marítima que ainda tinha, que eram uns nacos do atual Chile e partes da Bolívia. No tratado de paz até uma ponte foi feita, a Ponte da Amizade, que entretanto seria também o único ponto em que o Paraguai continuou a lucrar com sua venda de produtos bem suspeitos.

Fase "sem nenhuma treta" - e sem quase nenhum homem também (1870 - 1932)[editar]

Com a maior parte dos homens do país tendo batido as botas na guerra, o país foi o único país católico do mundo a adotar oficialmente a poligamia por muitos anos. Em 1870 veio a primeira de quatro constituições paraguaias (apesar que em 1813 fizeram uma constituição de mentirinha chamada de "Regulamentos Constitucionais", e outra em 1841, que na verdade era só pro Carlos Lopez virar quase um rei, inclusive colocando o filhote como sucessor), com um monte de leis advindas do gerador de lero-lero. Ao menos agora os presidentes realmente tinham mandato temporário, eleições relativamente mais livres, mesmo que os candidatos valessem menos que uma nota de 3 reais.

Entretanto dentro do centro de comando do país vez pro outra rolava uma tretinha entre os poucos 30 homens letrados que ainda existiam no país todo. Não a toa, até antes de 1904 três presidentes se foderam com tretas internas: Juan Gualberto González e Emilio Aceval foram obrigados a pedir arrego, enquanto que Antonio Escurra foi escurraçado do poder pelo general Benigno Ferreira.

Esse último garantiu o domínio do partido liberal por lá, mas aí veio uma crise sucessória e uma caralhada de microrrevoluções que derrubaram uns 50 "presidentes" no mínimo que passaram pelo poder até enfim o mandato de Eduardo Schaerer, que conseguiu completar quatro anos no poder entre 1912 e 1916, se aproveitando da Primeira Guerra Mundial pra vender um monte de fuzil pirata pras tropas americanas. Só que depois disso foi mais um monte de presidente que não durava um mês, até que em 1922 o povo cansou e começou a primeira guerra civil paraguaia, quando um pedaço dos liberais foi derrotado pelo outro, e enfim em 1924 começou um período mais estável, que guentou de boa até 1932.

A Guerra do Saco, digo, Chaco Furado (1932 - 1935)[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Guerra do Chaco
Cangaceiros piratas do Paraguai lutaram nessa guerra.

A guerra da Dança do TChaco começou com um desentendimento fodido de um usucapião e Uti possidetis mal feita desde os tempos da Espanha, que tinha dado o Chaco tanto pro Paraguai como pra Bolívia usarem como terrinha comunitária. O problema é que os dois países se separaram um do outro, e aí o imbróglio se deu, e ficou persistindo por um tempo da gota.

Nesse ínterim, a Argentina em 1872 reconheceu que o Chaco Boreal era sim dos paraguaios e sem discussões. Só que outro país anos mais tarde se meteu nessa porra, o Brasil, ainda por cima unicamente pra comprar um naco de terra que nem existe (o Acre) dos bolivianos pelo Tratado de Petrópolis. Nesse acordão, reconheceram o Chaco Boreal como sendo da Bolívia e não do Paraguai. E aí reacendeu a treta. Mas como nessa altura o Paraguai tinha um governo mais pirata que os produtos de lá, nem rolou nada, já que tava a maior putaria no país. Pelo menos até 1932, quando o país finalmente já estava a uns anos de boaça, sem nenhuma tretinha interna. Com sede de treta, em 9 de setembro de 1932 foram pro pau contra a Bolívia, numa guerrinha imbecil que durou até 12 de junho de 1935, tendo sido a guerra mais foda da América do Sul no Século XX, ainda que por uns nacos de terra fodidos de secos.

No final, em 1935, assinaram um cessar-fogo que no dizer da sábia filósofa e ex-presidenta Dilma Rousseff, nem quem ganhou ou perdeu ganhou ou perdeu, todo mundo perdeu! Para termos uma ideia, só em 27 de abril de 2009, mais de 70 anos depois do fim da treta é que finalmente houve um acordo definitivo entre os dois países por esse naco de terra. O que também nem significa nada, porque assinatura de presidente paraguaio, ainda mais Fernando Lugo, não vale porra nenhuma.

Da última seção até hoje (fiquei sem ideias para nomear a seção) (1935 - até o último carregamento de produto pirata atravessando a Ponte da Amizade)[editar]

No Paraguai até hoje até o porta-celulares é pirateado. Se bem que esse especificamente não é ruim...

Depois da guerra fodida, o Paraguai caiu numa nova ditadura, nas mãos do Higinio Morínigo. Em 1940 ele trancou a porra toda e ninguém podia discutir nem falar porra nenhuma contra ele. Em 1946 ele até tentou se fazer de bonzinho, mas perceberam logo que ele tava querendo fazer um Queremismo paraguaio, e se o do Getúlio Vargas não deu certo no Brasil, por que xongas o paraguaio ia dar? E aí em 1947 uns comunistas começaram a segunda guerra civil paraguaia, que só durou uns meses, já que né, enfiou comuna no meio os ixteitis já ficam de cu doce e fodem esse tipo de revolução com tudo.

Essa merda toda só serviu pro Paraguai por anos ter um só partido, o Partido dos Torcedores do Internacional, comandado primeiro pelo ditador Alfredo Stroessner. Essa situação se manteve até 1962, mas mesmo com outros partidos surgindo a partir daí, até 2008 só quem governou aquele pardieiro mesmo foram os Colorados. Além disso o país entrou numa inflação fodida depois de mais de 30 mil pessoas de lá fugiram pra Argentina, inclusive jogadores de futebol, o que justifica que nem com uma Larissa Riquelme fazendo promessa de andar pelada pelas ruas de Assunção a seleção de lá consiga nem chegar a uma semifinal de copa do mundo.


Flag-map Paraguai.png Paraguai
HistóriaPolíticaSubdivisões
GeografiaEconomia
CulturaTurismo