Houses of the Holy

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.


DesBoleros em Ingrêis.png Este artigo se trata de um álbum

E provavelmente tem só duas músicas que prestam.

Conheça o resto da playlist clicando aqui.

Cquote1.png Você quis dizer: Harém no Jutsu Cquote2.png
Google sobre Houses of the Holy
Cquote1.png Você quis dizer: O Paraíso da Pedofilia Cquote2.png
Google sobre Houses of the Holy
Cquote1.png Meu álbum preferido! Cquote2.png
Jesus sobre Houses of the Holy
Cquote1.png O meu também Cquote2.png
Dr. House sobre este álbum

Houses of the HoHos.

Houses of the Holy ou O Sagrado Coração de Maria foi o quinto álbum da banda de viciados Lead Zeppelin e também um dos mais sinistros desde o início do grupo. O disco foi gravado em cinco lugares diferentes, cada um ao gosto das esposas dos integrantes.

Também há confusão quanto ao gênero desse trabalho, que é indefinido. Não se sabe se é de heavy metal, calypso, reggae ou sertanejo. Foi o último álbum lançado na gravadora Atlantic Records, que ficava à beira do Oceano Atlântico. Como tal, foi feito em meio a muita preguiça e cheiramento de gatinhos, sendo que músicas que eram para estar neste álbum foram parar em outros discos muito a frente, que foi o tempo que durou para perceberem o tamanho da cagada que tinham feito. Entre essas músicas, existem inclusive algumas que falam de putas caipiras countries (coisa lisérgica mesmo).

A capa de Houses of the Holy foi feita baseada em um ataque zumbi, uma coisa que você não vê por aí todo dia. É que o Robert Plant tinha jogado muito Resident Evil e fascinado com o que viu, resolveu fazer uma homenagem a esse game.

Em 2003, esse disco foi escolhido pela revista Rolling Stones como número 169 na lista dos "500 Melhores Álbuns para se jogar fora de Todos os Tempos".

Integrantes[editar]

Músicas[editar]

Os zumbis que posaram para a capa de Houses of the Holy
Uma casa do sagrado, que ganhou essa homenagem do Led Zeppelin.
  • The Song Remains the Same Shit

Música que não te deixa dormir porque a introdução é tocado pelo calypso. Mas logo após a introdução os integrantes já estavam noiados por conta dela e deixam a música um pouco mais lenta para que você cochile.

  • The Rain Song

Canção mais country do álbum. A música da chuva... Quem não gosta de dormir com chuva?

  • Over the Hills and Far Away

Canção do álbum que começa calminha mas depois faz você levar um puta susto. Daí João Paulo Jonas entra com seu baixo para te deixar puramente drogado.

  • The Grunge

Um reggae composto por Bob Marley em 1880 que acabou indo parar no Led Zeppelin. Embora você sempre confunda com uma canção de jazz cantada pelo Ray Charles.

  • Dancing Days

Música cotada para ser o tema de abertura daquela novela dos anos 70 que apenas sua avó lembra, mas que não pôde concorrer com o talento e a habilidade das Frenéticas.

Homenagem à terra do profeta do Reggae e assim como tal, a música é totalmente lisérgica.

  • No Quarter

Você está dormindo por conta da música anterior quando de repente, Robert Plant começa a falar como robô, um claro sintoma causado pelo uso de Cogumelos Alucinógenos. Daí para frente não se percebe mais nada porque os próprios integrantes já está dormindo com o próprio repertório.

  • The Ocean

Música famosona onde vemos João Borrão testando o rojão logo no começo. Daí você pensa, tá muito baixo, vou aumentar o volume. Mas de repente João entra com tudo num PÁ! Você leva um puta susto pra encerrar esse álbum, que maravilha!!