Hyde

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Hyde pode ter outros significados, para chechecá-los, consulte Hyde (desambiguação).


Gazette XD1.jpg
Maximum the hormone.jpg

Spark!

Hyde é algo relacionado a JRock

Leia-o de olhos fechados

寶井 秀人
Hyde jesus.jpg
Nascimento 29 de janeiro de 1969
Bandeira do Japão Japão
Ocupação Vocalista do L'Arc~en~Ciel
Signo Aquário
Cabelo Preto

Hideto Takarai (29 de janeiro de 1969), também conhecido como Hyde, é o sonho molhado das otakas de plantão. É uma espécie de Jared Leto japonês, pois é vocalista de uma banda emo (que ele insiste em dizer que é rock) e também faz uns bicos como ator ao lado de outros galãs do entretenimento oriental. Praticamente metade das músicas que ele escreve acabam virando animesongs.

História[editar]

Hyde sendo possuído pelo Anel de Nibelungo

Hyde nasceu em Wakayama, embora tenha gente que afirme que ele é de Osaka. Possivelmente sofreu muitos traumas na sua infância, já que detesta falar sobre sua vida pessoal e revelar detalhes que aconteceram no passado. Sabe-se que uma de suas maiores vergonhas é o fato de medir míseros 1,60 metro de altura, mas sendo ele japonês, esperava o quê?

Na escola, Hyde sempre quis ser um jovem rebelde, mas não tinha motivo nenhum para se rebelar, já que era filho de pais ricos e sempre teve tudo o que queria. Além disso, desde aquela época ele já era um típico bishonen que arregaçava o coração de suas colegas gurias retardadas. Cansado de tanto puxa-saquismo para seu lado, ele decidiu montar uma banda de rock para mostrar que era um bad boy, então chamou os maiores losers do colégio para serem integrantes da mesma, já que o pessoal que era realmente mal encarado jamais aceitaria o convite de um almofadinha daqueles. Como Hyde não sabia tocar nenhum instrumento além de punheta, ele mesmo se auto-declarou como o vocalista. O problema é que nenhum dos outros integrantes sabia tocar porra nenhuma também, então Hyde chutou todos eles e pagou para si mesmo aulas particulares de guitarra, tamborim, saxofone, gaita e bateria, tornando-se sozinho uma banda completa. Fez tatuagem, colocou piercing, cagou o cabelo e tornou-se um adepto compulsivo do visual kei (vertente japonesa do punk, só que bem mais gay). De tanto usar roupas justas e sapatos plataforma, as mulheres passaram a duvidar de sua heterossexualidade e foram perdendo o interesse e a vontade de dar para ele. Hyde finalmente havia conseguido tornar-se o rebelde que tanto quis ser, mas não no sentido literal da palavra, e sim igual àqueles personagens abaitolados da novela homônima. Tamanha era a aparente baitolagem de Hyde que seu pai o expulsou de casa.

Agora sozinho, sem família e sem dinheiro, Hyde precisava arrumar algum emprego caso quisesse sobreviver. Ele bem chegou a cogitar a hipótese de virar um travesti prostituto, mas não ia deixar ceder aos boatos sobre sua sexualidade e provaria que é macho. Se fosse para transar com homens, ele seria o ativo da relação, jamais o passivo! Inspirado pelo momento de tristeza e solidão, Hyde começou a escrever poemas que chamaram a atenção dos jornalistas da Capricho e contrataram-no como colunista da revista.

Tempo depois, os textos de Hyde chamaram a atenção de um grupo de emos que lia a revista e entraram em contato com ele para juntar-se à banda deles, Jerusalem's Rod, cujo sucesso foi tão imenso que até hoje ninguém conhece. Hyde aceitou e iniciou assim sua carreira como guitarrista e compositor profissional.

Começando a carreira no L'Arc~en~Ciel[editar]

Hyde estudando para concurso público.

Um belo dia, Hyde acordou, se olhou no espelho e viu o quanto estava ridículo. Só então ele percebeu a grande merda que estava fazendo consigo mesmo e, aos poucos, voltou a normalizar-se, retornando à sua antiga aparência de gostosão dos tempos escolares. Embora estivesse com medo de que não fosse mais fazer sucesso entre o público feminino, ele decidiu tirar a prova e saiu às ruas, onde foi imediatamente agarrado por dezenas de piriguetes. Vendo que ainda mantinha seu sex appeal de antigamente, Hyde pediu demissão do Jerusalem's Rod e foi atrás de seus ex companheiros de banda da época colegial, propondo que voltassem a tocar juntos (sendo que antes eles sequer haviam começado). No início, eles ficaram com receio de serem chutados outra vez, mas então Hyde disse que as únicas coisas que ele queria eram ser o vocalista e escolher o nome da banda. Assim, todos toparam.

Hyde suspeitamente batizou o grupo como L'Arc~en~Ciel, que significa arco-íris em língua francesa. Como todos os outros integrantes são burros e nenhum deles fala francês, ninguém implicou com a escolha do nome. O fato de que nenhum deles sabia tocar também já não significava mais nada para Hyde, pois agora ele só queria ser um rostinho bonito aparecendo na televisão e recuperar seu prestígio entre as garotinhas impúberes. Para conseguir de vez, ele não dispensou seu emprego na Capricho, onde escreve até hoje, e buscou inspiração em seus poemas para compor todas as letras do Laruku, sendo que as mais famosas viraram trilha sonora de alguns animes e tornaram Hyde um ídolo não só entre as japonesas, mas também entre as otomes barangas e gordas de todo o resto do mundo.

Cantando no Vamps[editar]

Ele corta tudo sem dó nem piedade

Como toda banda que faz sucesso, o L'Arc~en~Ciel começou a trazer discórdia entre seus membros e cada um foi para seu lado, investindo em carreiras solos. Como Hyde era o único que realmente tinha talento e beleza entre os integrantes, a sua foi a única empreitada bem sucedida, o que fez com que os demais logo voltassem rastejando e implorassem para voltar a tocarem juntos. Hyde aceitou, mas o que ele não revelou é que paralelamente estava montando projetos secretos com uma outra banda, a Vamps, com a qual tinha planos de fazer turnês internacionais e até mesmo fundar sua própria gravadora. Na verdade, esta seria apenas uma maneira de divulgar mais ainda as músicas da carreira solo de Hyde, já que os demais integrantes da Vamps não passam de seus capachos.

Atualmente, Hyde divide-se como vocalista tanto do Laruku como do Vamps, sendo que o primeiro é mais voltado para o Japão egocêntrico e o segundo visa mais os Estados Unidos, que por sua vez estão cagando e andando. Recentemente, após ter mais de 8000 músicas escritas para o Laruku utilizadas em animes, Hyde participou de Bakuman com uma canção do Vamps, além de dublar um dos figurantes personagens da série. Outro bom fruto que a Vamps lhe rendeu foi o lançamento de sua biografia, que antes nenhuma editora queria lançar porque praticamente 100% da história de Hyde era composta apenas por fatos sobre o Laruku. Assim, ficou sendo apenas 96%, e os outros 4% divididos ente a Vamps e fatos realmente biográficos.

Finalmente, atuando no cinema[editar]

Hyde só teve um papel até hoje, mas ainda assim é considerado um ator. A interpretação em questão foi no filme Moon Child, que pode ser considerado a versão nipônica, atualizada e piorada de Entrevista com o Vampiro. Enquanto a obra ocidental reuniu Brad Pitt e Tom Cruise, os maiores galãs dos anos 90, a película oriental juntou Hyde com o também cantor molhador de calcinhas Gackt. Hyde interpreta um vampiro.

Ver também[editar]