Inhumas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Inhumas é a maior cidade da sua região, o que faz muitos habitantes locais se iludirem que residem numa espécie de megalópole, mas o fato é que sempe que precisam de algo realmente útil precisam ir para Anápolis ou Goiânia (para Brasília nem vão porque seria como ir para Times Square em Nova York) tanto que é de Inhumas que saem aquele bando de caipiras forasteiros que você encontra em Anápolis ou Goiânia. Mas no geral, Inhumas é uma cidade ótima pra se morar, apesar de ser uma cidade violenta cheia de gente otária, é boa.

História[editar]

Lago de Inhumas, com um prédio gigante estragando o que seria a única bela paisagem da cidade.

Cidade antiga pacas, foi fundada em 1896 por estar no caminho da Estrada Real (a genérica Rota da Seda tupinambá, mas que ao invés de transportar seda como na China transportava goiaba). Inicialmente o vilarejo chamava-se Goiabeira como uma alusão a grande parte de sua população que era fruta.

Nessa época antiga, Inhumas era uma típica terra sem lei, de deixar o Clint Eastwood e seus filmes do velho-oeste no chinelo. Nesses primórdios não haviam escrituras das posses, e a regra era ficar com os lotes, casas e fazendas quem fosse matando o dono anterior. De acordo com Darwin, esse processo se chama seleção natural, e ajudou a forjar o típico inhumense moderno, um ser ignorante, machista, burro, marginal, analfabeto e bandido.

Fundado oficialmente em 1931 como município, a cidade foi formada por famílias sírios-libanesas que ali introduziram o kibe, a esfiha e as AK-47, junto de famílias japoneses que inovaram ao introduzir na antiga sociedade nômade de Inhumas a agropecuária.

Atualmente essa cidade que ninguém se importa e já teve nome de fruta, tem o apelido meigo de Princesinha do Cerrado, e é mais um antro escondido nos matos de Goiás a ser evitado a qualquer custo.

Política[editar]

Inhumas é uma cidade altamente politizada, é uma das poucas cidades goianas onde é praticada a democracia de 4 em 4 anos em forma de eleições municipais, apesar de quase sempre só existem dois candidatos à prefeito, sendo os mesmos representantes declarados ou não de Anciões Rumiantes Antigos que constituem a oligarquia local. Destaca-se ainda por possuir um legislativo insosso incapaz de fazer outra coisa senão instalar telefone público e dar nome pra rua.

Economia[editar]

O grande destaque da economia de Inhumas é a produção do mais típico e tradicional alho, produzido especialmente para economizar com caçadores de vampiros, e também a batata doce, produzida especialmente para economizar nos fogos de artifício nas inúmeras festas juninas da cidade.

A indústria local também se destaca na produção de salgadinhos genéricos sabores queijo, presunto e pernil de carneiro.

Cultura[editar]

Inhumas é a Capital Mundial das Disputas de Cuspe a Distância, sendo a cidade do campeonato mundial da modalidade. Não existem cortadores de grama na cidade porque é tradição do povo arrancar aquele mato para colocar na boca. No mais, existe até uma pretenso agrupamento cultural denominado ALCAI (Acaridíase, Leprosário, Candidíase, Anciolostomo, Irancudo) cujo objetivo é dar espaço aos velhinhos que estejam a fim de publicar desde receitas de bolo até literatura de auto-ajuda de teor quase regionalista.

É importante ressaltar que no plano cultural as manifestações pretensamente artísticas partem dos mesmos guias políticos que conduzem o poder público municipal. Em suma, naquelas bandas de Goiás para ser escritor, pintor, escritor, etc, é necessário fazer parte de uma das facções políticas municipais.

Por fim, é importante ressaltar a inexistência de um sistema de circulação de informações e ou saberes, seja jornalístico, sociológico e literário que escape ao jogo das relações de poder inerentes àquela sociedade.