José Linhares

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
BandeiradoCeará.jpg EITA PAU!

Pense num artigo mó limpeza, que vêi de jegue diretin do Ceará, bixin. Se tu frescá cum ele, maxo véi, o Beco da poeira tôdin vai arrombá o teu boga, seu fí de quenga!

Imagem.asp.jpg
José da Linhaça Milhares
JoseLinhares2.jpg
Já pegou tua mãe!
15.º Presidente de Bandeira do Brasil Brasil
No cargo
29 de outubro de 194531 de janeiro de 1946
Vice-presidente Não tinha um
Primeira-dama Sua mãe
Antecessor Gentalha Bargas
Sucessor Presidente Dutra
Pessoal
Nascimento 28 de janeiro de 1886
Guaramiranga, link={{{3}}} CearáBandeira do Brasil Brasil
Morte 26 de janeiro de 1957 (70 anos)
Caxambu, link={{{3}}} Minas GeraisBandeira do Brasil Brasil
Profissão doto adebogado didireito
Partido Nenhum

José Linhares (Guaramiranga, 28 de janeiro de 1886Caxumba, 26 de janeiro de 1957) foi um advogado e nepotista brasileiro, mais conhecido como um ex-ministro do Supremo Tribunal Federal que deu sorte de assumir a presidência da república após o fim da democracia de chumbo getulista em 1945. Conhecido por inaugurar a forma de se fazer política em cidadezinhas do interior (nepotismo), Linhares foi o primeiro analfabeto a assumir, mesmo que de forma interina e por apenas 3 míseros meses, a presidência do brejo brasileiro. Em razão disso, muitos o consideram como o presidente regente mais importante do Brasil (ou não).

Infância[editar]

Desde cedo, o pequeno José, Zézin para os íntimos, esteve acostumado com derrotas. Primeiro, tendo um irmão gêmeo, ele nasceu 15 minutos depois. Segundo, ele tinha que dormir no chão da maloca da família, enquanto o mais velho dormia na rede(um luxo!). MA a vida de Zezin ainda iria piorar ao entrar para a escola. Lá, ele tirava as piores notas da sala, e ficou em 42º numa turma de 30 estudantes. Nessa época, para se acostumar com as derrotas, começou a fazer política, e tentou se eleger representante de turma, e perdeu para... o irmão. Pouco depois, candidatou-se para o grêmio estudantil. Adivinhem para quem ele perdeu.

Adolescência[editar]

Na juventude, Zézin deciciu emigrar para a capital, como todo sertanejo faria. Ele achava que, com isso, poderia acabar com as derrotas da sua vida, que só iriam piorar. Ele se hospedou num hotel construído pelo pai do Sérgio Naia, trabalhava na filial cearense do Banco Santos, torcia pro Usina Ceará, e demais merdas. Nessa época, para remediar os males, resolveu se aprofundar ainda mais na questão política, para ver se se tornava gente. Contudo, o máximo que coseguiu com isso foi inimigos políticos poderosos, como Padre Cícero e Lampião, e mudou-se para as regiões desenvolvidas do país, como todo cearense.

A vida no sudeste[editar]

Aqui, aparentemente a vida de Zézin começa a mudar. Ele se torna importante no partido, e tem chances de disputar a vice-presidência. Contudo, a Revolta da Vacina, a derrota da seleção na Copa do Mundo, a queda da cotação do algodão na malásia e a proclamação de independência em Samoa acabou por fazê-lo trocar de partido, e ele passaria a disputar a presidência. O problema era o adversário, Getulinho. Todos nós aprendemos quem ganhou a eleição. Como você deve ter dormido nessa aula de história, quem ganhou a eleição foi Getulinho, com uma vantagem de 150.000 cabeças de gado(estimativas).

A posse do Governo provisório[editar]

Contudo, teve uma putaria danada com a 2ª Guerra Mundial e as praças públicas os pracinhas do Exército voltaram com ideias comunistas, e acabaram por derrubar o Pai dos Pobres. Para manter a ordem na casa da Mãe Joana, convocou-se um governo provisório, e o escolhido foi José Linhares. Ele tomou posse quase chorando de emoção, e seu discurso foi igualmente tocante, afirmando que chegou a hora de mudar o país. Mas ele ficou apenas 3 meses no poder, tempo insuficiente para realizar algo interessante. Por isso, este artigo acaba aqui.

Precedido por
Getúlio Vargas
Presidente Provisório do Brasil
1945 - 1946
Sucedido por
Eurico Gaspar Dutra
Precedido por
Ataulfo de Paiva
Ministro do Supremo Tribunal Federal
1937 - 1956
Sucedido por
Ary Franco