Juó Bananère

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Oscar Wilde na dele.jpg Este artigo é sobre um(a) escritor(a)!

Ele(a) talvez tenha heterônimos, sua "inspiração" vem de um copo de whisky e sua obra só ficou boa quando morreu de tuberculose.

Balada para ele(a) não é festa em boate! Clique aqui e vire a página.

Mk-literario.jpg Este artigo é relacionado à literatura.

Provavelmente estará cheio de versos decassílabos.

Bananère em sua forma original.

Cquote1.png Você quis dizer: Banana Cquote2.png
Google sobre Juó Bananère

Cquote1.png Experimente também: Bananas de Pijamas Cquote2.png
Sugestão do Google para Juó Bananère

Cquote1.png Por que ele tem nome de banana? Cquote2.png
Você sobre Juó Bananère

Cquote1.png Ele se acha italiano... Cquote2.png
Outros escritores sobre citação acima

Cquote1.png Então os italianos tem nome de banana Cquote2.png
Carla Perez sobre citação acima

Juó Bananère para a nossa alegria não era o nome verdadeiro do autor, até porque um pai em sã consciência jamais daria esse nome para o filho, por mais alcoólatra que fosse. Esse era o pseudônimo usado pelo escritor brasileiro Alexandre Machado, pelo que ele escolheu como pseudônimo já se pode imaginar sua capacidade mental. Segundo ele esse nome foi adotado para a criação de obras literárias, pois suas obras eram extremamente ruins, daí ele poderia arriscar em assiná-las com seu nome. Ele escrevia em um jornalzinho italiano de São Paulo, e então já estava se achando um italiano e fazia algumas coisas em italianês (ou portuliano) para tentar provar.

Vida[editar]

O autor já começa mal, fica revoltadinho por não ter nenhum parente italiano e então muda-se para a colônia italiana de São Paulo, onde fica tão obsecado que acaba pirando e achando que é um italiano mesmo. Isso tudo foi numa época em que estava na moda ser imigrante e começar a falar enrolado no meio das outras pessoas. Foi a partir daí que a cidade de São Paulo começou a ficar totalmente tumultuada.

Sua principal obra foi o livro La Divina Increnca, que é uma paródia mal feita da Divina Comédia, claro que o senhor Dante deve ter se revirado no túmulo ao saber dessa nova.. Todos seus textos, desde artigos para periódicos a panfletos, eram marcados por uma linguagem satírica, mas ilegível por causa de suas maneiras retardadas de escrever. Juó Bananère intitulava-se Gandidato à Gademia Baolista di Letteras (Candidato à Academia Paulista de Letras). Viu? Fala agora que ele não é retardado.

A italianada da época não curtiu muito a inovação, mas os brasileiros, como são uns puxa sacos para com os imigrantes, adoraram, e até elevaram sua obra, mas logo perceberam que ele parecia mais um demente do que um escritor em si, então acordaram e pararam de perpetuar tamanha atrocidade.

Obra[editar]

A obra da Banana.

Em pouco tempo já não era tão aclamado pela crítica, tornou-se popular no Brasil pela sua falta de irreverência de suas paródias a sonetos de Camões e de Olavo Bilac, a poesias de Casimiro de Abreu e de Guerra Junqueiro. A única coisa que ainda fazia um pouco de sucesso era o livro de sátiras sobre políticos, mas isso é simples de conceber, considerando que os políticos em si já são uma piada.

Fez ainda paródias de La Fontaine e teve a ousadia de parodiar Machado de Assis. Era considerado por muitos como um pré-modernista, por outros como moderno demais e por outros ele não era considerado nada, pois gostava de dar pitaco no romantismo e no parnasianismo.

Como já foi dito, Bananère não tinha criatividade e nem talento o suficiente para criar qualquer coisa, então ele simplesmente pegava as merdas já criadas por outros autores e tentava parodiá-las, mas ao invés de fazer uma paródia normal, ele usava uma forma totalmente analfabetapara fazer isso.

Vejamos um modelo de paródia

Paródia de Juó Bananère ao poema "Canção do exílio" de Gonçalves Dias


Migna terra tê parmeras, (tem Corínthians, Santos)

Che ganta inzima o sabiá. (coitado do Palmeiras)

As aves che stó aqui, (Aqui onde?)

Tambê tuttos sabi gorgeá. (Olha o gorjeio da primavera)

A abobora celestia tambê, (Abóbora, que mal gosto)

Che tê lá na mia terra, (prossiga)

Tê moltos millió di strella (até onde eu saiba, as estrela estão no céu)
 
Che non tê na Ingraterra. (tem sim, a Inglaterra é rica)

Os rios lá sô maise grandi (mais grande...)

Dus rios di tuttas naçó; (mentira, precisa estudar geografia)

I os matto si perde di vista, (grande coisa, quem gosta de mato é tarado)

Nu meio da imensidó. (que imensidade)

Na migna terra tê parmeras (tá bom, você já disse)

Dove ganta a galigna dangola; (não seria na Angola?)

Na migna terra tê o Vap'relli, (quem?)

Chi só anda di gartolla. (poxa, ele não tem dinheiro pra comprar o resto da roupa)

A encrenca na qual Bananère se meteu ao fazer suas bobagens.

No ano de 1931 havia uma enxurrada de ideias malucas poluíam as páginas dos jornais, visando relativizar a consciência nacional do homem brasileiro, ou seja, deixá-lo mais inconsciente do que ele já é.

1- U brasile é unico e invisive. (invisível não porque ele é muito grande, só não vê quem é cego mesmo).

2- U tipu sociali braziliano é uma mistura di terra, di ingonomia e di storia. (uhum, sei, e parece que dessa terra só sai tatu mesmo...).

3- U Brasile stá sitoado nu meio do o Mondo. (jura?).

4- U uómo brasiliêre é figlio di tuttas razza: negro, indio, macaco, intaliano, ingreiz, turco, cearensi, pernanbugano, gauxo, afrigano i allamó.(Nota du traduttóre - Grazias a deuse io sô intaliano i sô figlio di mio paio i di mia máia i di maise ninguê) (sim, só faltou dizer que você é um filho da mãe por só fiar escrevendo merda).

5- Inzisti una tradiçó morale braziliana chi é priciso adisgobri. Vamos apricurá. (Pode ir sozinho, vai com fé, não duvido que exista, só duvido que você vá encontrar).

Ver também[editar]