King Crimson

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Placa70.png

Este artigo discute coisas intrínsecas aos Anos 70's!
Se você pertenceu àquela época, vê SE TENTA fazer alguma coisa útil, seu velho!


King Crimson
Kingcrimson.jpg
Indo tocar no baile da 3ºidade
Origem Londres
País Inglaterra, Reino Unido
Período 1968-atualmente
Gênero(s) Rock Progressivo,jazz, música erudita, new wave, heavy metal,folk,pagode, axé e eletrobrega
Gravadora(s)
Integrante(s) Robert Fripp e mais 6 individuos
Ex-integrante(s) Um bocado
Site oficial {{{site}}}
DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...King Crimson (O rei escarlate) representa o sol

Cquote1.png It just works Cquote2.png
Fãs de JoJo's Bizarre Adventure sobre King Crimson

Cquote1.png Isso é rock? Cquote2.png
Você ao ouvir a banda pela primeira vez

Cquote1.png It's the best band in the world! Cquote2.png
Jimi Hendrix louco de erva sobre King Crimson

Cquote1.png Foi a melhor coisa eu já pude ter feito! Cquote2.png
Greg Lake sobre ter saido do King Crimson pra ir pra uma banda 30x melhor e mais famosa, ELP

Cquote1.png Cuzão! Cquote2.png
Demais membros da banda sobre Robert Fripp

Cquote1.png Eu tenho medo! Cquote2.png
Regina Duarte sobre 21st Century Schizoid Man

Cquote1.png O que é isso? Cquote2.png
Você ao ver Tony Levin tocando um stick

King Crimson (ou Kingu Crimison, segundo os japas) é uma banda britânica de rock depressivo progressivo dos anos 70. É considerada pelos fãs de rock progressivo como uma das banda mais importantes e influentes do genêro, apesar de na verdade não tocar propriamente rock e sim uma mistureba de jazz, música erudita, new wave, heavy metal,folk,pagode, axé e eletrobrega. Mas o uso de melodias e ritmos complexos, letras fantasiosas e uso de eletrônicos para disfarçar a falta de criatividade dos músicos acaba por colocar a banda no mais alto panteão do proje. O líder e responsável pela sonoridade da banda é Robert Fripp, que assim como Dave Mustaine já demitiu trocentos músicos por não concordarem com ele, além de ser anti-social,arrogante,chato e pretensioso como 99,99999% dos proggers, o que explica sua popularidade entre eles

Robert Fripp fazendo força pra soltar uma bufa

Início[editar]

Tudo começou quando Mestre Pequena Chimba após uma turnê mundial com sua banda de renome, Calypso, resolveu tirar férias na terra da rainha para descansar um pouco. Tendo em vista o grande assédio que recebia dos fãs, ele alugou uma casa em uma cidade pacata e interiorana, Dorset, para que assim pudesse relaxar sem nenhum incômodo.

Um belo dia porém, Little Chimba estava entediado e sem mais nada pra fazer pegou sua guitarra e dedilhou compassos ternários atônicos em escala sub-decimal. Até aí nada demais, já que isso era moleza para ele. Porém um garoto meio franzino e estranho (seu cabelo parecia uma peruca de drag queen) que o (ex)marido da Joelma contratou pra cuidar das plantas da casa ouviu aquilo e ficou maravilhado. Seu nome era Robert Fripp. Assim que chegou em casa, Fripp pegou sua guitarra que ele mesmo tinha talhado (pobre é foda, viu?) e repetiu os acordes que tinha ouvido. Nascia aí o Rock Progressivo. Ele percebeu o potencial do que havia descoberto quando foi mostrar para os seus pais e logo depois de alguns minutos, eles caíram num sono profundo.

Entusiasmado, Fripp largou o ofício de jardineiro e resolveu virar músico. Como era impopular, ele não tinha amigos e por isso tinha que procurar em classificados de jornal (naquela época as pessoas anunciavam outras coisas além de imoveis e putaria na seção de classificados). Depois de algum tempo ele se interessou por um anúncio postado pelos irmãos Giles (DuMichael e Edu Peter), formando o trio Du, Dudu e Edu Giles, Giles and Fripp. Eles se apresentavam em bares e casas de shows, fazendo muito sucesso com os donos, porque botavam todo mundo pra dormir e assim ninguém podia sair sem deixar de pagar a conta.

Depois de algum tempo Fripp tava instatisfeito com os rumos que o som da banda tomava e demitiu Peter. Em seu lugar colocou Gregório Lagos como vocalista. Ele conheceu Lake numa casa para aluguel de meretrizes para fins libidinosos e tentou lhe pagar um programa, tendo em vista que parecia ser uma mulher muito atraente, o que Greg fez questão de desmentir. Apesar da surra levada, Fripp percebeu que Lake tinha uma voz muito bonita e o convidou pra cantar em sua banda. Lake teve que aceitar pra poder pagar seu aluguel no albergue em que morava. Como era um grande filho da puta, ele contratou um multi-instrumentista que ninguém conhece pra tocar vários instrumentos como guitarra-base e teclado e um poeta, pra que ele plagiasse suas composições e não precisasse escrever nada. Nascia ai o King Crimson.

Primeiros ânus anos[editar]

Fripp e seus lacaios costumavam abrir shows para bandas como Rolling Stones e Fletwood Mac até que lançaram seu primeiro álbum em 1900 e guaraná com rolha, Na corte do rei com catapora. O disco fez muito sucesso em sessões de sonoterapia do mundo inteiro, e a banda foi considerada revolucionária por ter descoberto a cura para a insônia, ganhando grande popularidade graças a isso. As pessoas que não conseguiam dormir iam aos shows com a promessa de finalmente obter seu sono dos justos e quando conseguiam ficavam maravilhadas e espalhavam a noticia. Graças a isso, a banda pode fazer turnês não so na Inglaterra mas na terra dos ricos obesos.

Fripp e Lake mostrando como não tinham estilo

Mas apesar de todo o sucesso, ficava mais evidente que Fripp era um chato de galocha porque exigia que a banda ensaiasse as técnicas poliritmicas e complexas estruturas melódicas ao invés de curtir com as groupies (se é que eles tinham) e se encher de birita como qualquer rockstar. Assim, os irmãos Giles deixam a banda e mandar Fripp para a casa do caralho. Porém como ele não é nada bobo, obrigou os irmãos Giles a gravar algumas músicas antes, fazendo com que tivesse material suficiente pro seu próximo álbum, Surfando na onda do Rei Tritão. Algum tempo depois, quando percebeu que a banda tava indo pro brejo, Lake tratou de picar a mula e foi virar multimilionário tocando no ELP. Fripp é então obrigado a contratar uns músicos de aluguel incompetentes e que não sabiam tocar nem 3 acordes pro seu terceiro álbum, A lagartixa.

Novos rumos[editar]

Com o passar do tempo, King Crimson foi perdendo a popularidade que tinha antes. As músicas, que apesar de serem chatas atraiam as pessoas por serem soníferas, agora eram apenas chatas. Fripp demitiu o restante dos integrantes da banda e começou a fazer tudo sozinho, pagando alguns imbecis para aparecerem nos discos e fingirem que estão tocando nos shows. As letras são compostas depois de trips com muito e quase todas as canções duram no minimo 10 minutos. Como se não bastasse isso, Fripp começa a incrementar instrumentos como marimbos, chocalhos, xilofones,pandeiros, língua-de-sobra e qualquer outra coisa que você possa imaginar, além de mixar guitarra, colocar pedais eletrônicos e introduzir sintetizadores e outras baitolices que fazem parecer musicas do Kraftwerk.

Mesmo desprezados pelo público e crítica, a banda ainda tinha fãs que se encantaram com a complexidade das harmonias e ritmos aliados a letras com teor místico criando uma epifania musical, os proggers. Eles compravam os discos lançados e iam aos shows com a ilusão de que estavam apreciando boa música (Recentemente uma pesquisa de uma universidade conceituada descobriu que quando expostos as múltiplas frequências sonoras, ritmos e harmônicos, as pessoas tendem a sofrer graves danos cerebrais). Após um certo tempo, para não morrer de fome, Fripp deixou a banda em hiato e foi trabalhar com Davi Boi e Pedro Gabriel em seus projetos solo.

Década de 80[editar]

Nos anos (desculpe pela repetição do trocadilho infame) ânus oitenta, Fripp e o ex-baterista do SIM! Bufalo BIll resolveram reformular a banda em nome da bufunfa, do dim-dim, dos velhos tempos e para isso chamaram Toni Lê vindo e Adriano Belê do Cabeças Falantes pra formação ficar completa. Fripp queria acabar de vez com o Kinguys Crimson pra ganhar dinheiro com uma banda que fosse pop e comercial, mas acabou deixando esse nome mesmo porque não conseguiu pensar em nenhum melhor. Nessa época eles lançaram várias musicas bregas e cheias de teclados que hoje em dia tocam nos finais de casamentos e festas da saudade de tão escrotas que são, o que fez afastar os antigos fãs da banda.

Atualmente[editar]

Fripp brincando com seu cueio

Hoje em dia, devido a idade avançada dos integrantes a banda só faz show uma vez a cada 27 meses. Como estão velhos e cansados demais para tocar bem, eles sempre colocam uma orquestra ou 30 músicos de apoio, como uma forma de desviar atenção dos seus ataques de artrite e artrose durante os shows. Assim como o Rolling Stones, estão a 10 anos sem lançar um disco sequer e a culpa disso é creditada a Fripp, que prefere ficar mexendo no seu blog e cuidando do seu coelho de estimação do que ensaiar.

Integrantes[editar]

Robert Fripp e outros 50 músicos que ele demitiu ou que pediram pra sair

Discografia[editar]

O "King Crimson". Assutador, não?


Curiosidades[editar]

  • Robert Fripp toca sentado num banquinho acolchoado por causa de suas hemorroidas, não conseguindo ficar muito tempo de pé. Antigamente ele mesmo passava pomada, mas hoje em dia é a esposa que faz, devido a velhice.
  • Steve Harris diz ter sido influenciado pela fase "Heavy Metal" da banda (tá na wikipedia, então deve ser verdade).
  • Após assistir um show, Jimi Hendrix disse que King Crimson era melhor banda que ja tinha visto. Logo depois foi conversar com seus amigos elefantes verdes.
  • No anime JoJo's Bizarre Adventure tem um Stand chamado King Crimson, em homenagem á banda. Por causa disso em todos os videos de musicas do Youtube metade dos comentários são de weeaboos e otakus falando referencias do anime.
  • Stephen King batizou um personagem de um dos seus livros com o nome da banda. O livro?Ah, sei lá!.
  • A banda tem mais de 100 músicas, mas Fripp só escreveu um verso de uma delas.
  • King Crimson tem o recorde de ter influenciando o maior número de bandas ruins da história. Entre elas estão Nirvana, Mudvayne e Tool.
  • Além da guitarra, Fripp também toca melotron, teclado,violão, piano e mais de 8000 instrumentos.
  • Fripp é o criador do Frippertronics, uma técnica que faz com que a guitarra pareça uma melódica tosca. A inspiração para essa técnica veio do Mestre Pequena Chimba, deus supremo da guitarra.

Ver também[editar]