Kusunoki Masatsura

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Kusunoki Masatsura (楠木正行) (1326-1348), junto de seu pai Massaro e seu irmão Sokkaro, eram porteiros da Corte Imperial do Sul Oriental do Leste Japonês do Japão durante uma das milhares de guerras que lá ocorreram.

Ache ele aí no meio! Dica: ele vai morrer logo! VALEEEENDOOOO!!

Biografia[editar]

Na sua infância, Masatsura assistia seu pai cuidar dos portões das construções do que seria futuramente a Corte do Sul dia e noite, em pé, em posição austera, sem fazer nada além disso, faça chuva ou faça sol. Por ser um guri retardado, Masatsura achava que aquilo era a melhor profissão que ele poderia trabalhar. E por isso, sempre ficou enchendo o saco de seus pais para ser um porteiro no futuro.

Assim sendo, Masatsura foi um dos primeiros caras a serem chamados pelo Concurso Público Japonês a participar como líder militar (leia-se: porteiro de elite) para reviver a Corte do Sul lá por 1340. Eles, como todo órgão público, não tinham dinheiro nos primeiros anos. Como sempre eram atacados por trás, passaram todo o tempo defendendo a base de Laembaishu, não ganhando porra nenhuma por isso.

Cansados disso, em 1347 resolveram atacar uma rodinha de simpatizantes do shogun que moravam lá perto. A ideia foi do Masatsura, para ver se ganhavam uns trocados. Muito metido auto-confiante, ele mesmo queria coordenar o ataque. O negócio é que acabou dando certo. Quando o shogun soube, mandou Bruce Lee para deter o rapaz. O encontro de Bruce e Masatsura ficou conhecido como Batalha de Sakainoura, na qual Bruce Lee meteu um Losango Aberto Invertido em Masatsura, matando-o instantaneamente. Um dia antes, ele havia composto o seguinte poema de morte:

Posso presentir
O perigo e o caos
E ninguém agora
Vai me amedrontar
Com a minha mente
Vou a mil lugares
E a minha imaginação me dá forças pra voar.

Referências Culturais[editar]

Algumas fontes não-confiáveis afirmam que usaram o poema dele em um anime famoso entre pessoas com cérebro. É claro que não é verdade.

Também acharam no banheiro dele outro poema, este sim, largamente utilizado principalmente para outros animes:

Toda vez que eu viajava
Pela estrada de Ogashawa
De longe eu avistava
A figura de um menino
Que corria abrir a porteira
Depois vinha me pedindo
Me mostre sua katana seu moço