Lápis-lazúli

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Ingredientes.jpg Este artigo é da mãe Terra!

Cuidado com terremotos e vulcões em erupção. Em caso de dúvidas, assista Volcano ou jogue Quake.

Acho que não é esse tipo de lápis, não!

Cquote1.png Você quis dizer: Diamante da China Cquote2.png
Google sobre Lápis-lazúli
Cquote1.png Você quis dizer: Lápis-LÁzuli? Cquote2.png
Google sobre Lápis-lazúli
Cquote1.png Você quis dizer: Androide 17 e Androide 18? Cquote2.png
Google sobre Lápis-lazúli
Cquote1.png Experimente também: Consultar um dicionário Cquote2.png
Sugestão do Google para a citação acima.

Lápis-lazúli, conhecido também como lápis nº 2 da cidade de Cu Pequeno Pedra Azul, é uma pedra de cor azul (ah, vá!) utilizada como gema de ovo para atacar inimigos malvados (WTF?!)) ou como rocha ornamental em mulheres desde antes de 7000 a.C. em Mehrgarh (ou o que era Mehrgarh naquela época, já que com esse nome de personagem de RPG, deve ser um local medieval) e na Índia. Por causa desse último detalhe, o Paquistão considera a pedra como bijuteria barata por pura pirraça.

Descrição[editar]

Agora sim!!

O componente principal do lápis-lazúli é a lazurita, o que soa bem idiota se parar pra pensar. Pensando mais um pouco, vem a indagação de ser corno ou não ser quem deu nome a quem, provavelmente a gema deu o nome ao minério, assim como a galinha botou o ovo antes, se bem que jacarés botavam ovos antes das galinhas, então a lazurita veio antes do lápis-lazúli... Enfim, dar corda a essa discussão é perder tempo como um profissional, assim como na discussão do ovo ou da galinha ter vindo primeiro, logo, vamos fritar e comer os dois voltar a abordar a gema hum, gemada!.

A lazurita, por si só, é um mineral silicato feldspatoide, o que significa dizer que o lápis-lazúli é um vidro gourmet, o que explicaria ele ser mais caro também, se a composição do minério não fosse o seguinte monte de bosta: (Na,Ca)8(AlSiO4)6(S,SO4,Cl)1-2. Pare de segurar a careta de espanto, eu sei que você não entendeu.

Caso a Mãe Natureza resolva averiguar novamente se a maconha e o cogumelo do Mario ainda têm substâncias psicoativas e crie uma pedra a partir da lazurita que não seja o lápis-lazúli, é importante saber o que diabos a mais existe na pedra, com ênfase no novamente, pois da última vez, ela tinha esquecido se o ovo vinha antes ou depois da galinha e criou o ornitorrinco.

Pois bem, o lápis-lazúli ainda contém: tinta azul encontrada nas algas do mar de Namekusei, apesar da pedra ser da Terra; calcita, que contém o cálcio que fortalece os ossos da gema; sodalita, que confere cor azul, mas pode deixar laranja se ela for limonada, gostosa e geladinha, além de conter cloro, que faz os olhos arderem quando alguém enfia a pedra neles; e pirita, que fornece enxofre para dar aquele cheirinho de hepta peido e que apesar de ser amarela, deixa o lápis-lazúli ainda mais azúli. Agora são os nossos olhos que ardem por causa do cheiro de peido dessa piada bosta, caro leitor. Pra deixar mais zoado, já encontraram augita, diópsido, enstatita, mica, hauinita, horneblenda, noselita, lollingita e vômito de passarinho. Por causa do último, exceto o vômito, a pedra é consumida em comidas de árabes ricos, tais como dinheiro e putas interesseiras.

Formação e identificação[editar]

O lápis-lazúli geralmente é resultado de metamorfismo de contato, que nada mais é uma suruba entre os minerais, do tipo em que aparece um mineral de pau duro, pergunta o nome da substância e já enfia o par de elétrons na célula unitária. Só pra constar, a horneblenda é a mulher casada que trai o maridão nas surubas, enquanto a mica é a anã que não pode faltar numa orgia.

A cor da gema é intensa, azul evidentemente, com toques de punheta branco e amarelo espalhados aqui e acolá. Para fazer um lápis-lazúli estadual, legal e bonito, segundo nosso desmanual que foi roubado por um trombadinha, não deve haver nenhum veio de calcita, ou a gema fica com pedras nos rins, e as inclusões da pirita devem ser pequenas, ou o enxofre delas vai realmente dar cheirinho de peido, atraindo urubus que completarão o ritual de transformação do lápis-lazúli num flamenguista, que provavelmente vai roubar este artigo, já que o desmanual já foi roubado. Consequentemente, as pedras que contêm grandes quantidades de nióbio calcita ou pirita não valem porra nenhuma no mercado.

Os grãos tolamente dourados (essa foi forçada, puta que pariu...) de pirita são uma ajuda importante na hora de identificar a pedra como genuína, pois quando o joalheiro está com dificuldades para fazer isso, os grãos falam na cabeça dele: Cquote1.png Esta pedra é falsa! Cquote2.png ou Cquote1.png Quer ajuda dos universitários? Cquote2.png. Eles não diminuem o valor da pedra até aumentam, é uma pedra que fala por telepatia!, ao contrário da pirita sem o lápis-lazúli, que não vale nada, a não ser que a pedra seja muito falsa, mas aí já não é culpa da pirita. Pra contornar esse problema divulgado por um pedaço X9 de ouro dos tolos, os joalheiros golpistas que não leram o desmanual (ou mandaram o trombadinha roubá-lo, vai saber) pintam os seus lápis-lazúlis de qualidade, qualidade, qualidade reprovada com tinta guache, mas isso os deixam muito escuros e até acinzentados, ficando extremamente feios, mas não chatos, bobos e cara de mamão.

Fontes[editar]

Os lápis mais valiosos vêm da área de Badakshan, no Afeganistão. Como os vendedores de lápis-lazúlis usam esses lápis pra fazer suas anotações de pedidos e de contabilidade, as pedras mais caras também são de lá, pois a venda delas tem que suprir o custo de escrever com um lápis tão caro. Entretanto, isso não acontece (eita, lápis caro do caralho), então os joalheiros do Afeganistão administram comércios clandestinos de explosivos e borboletas, obtendo um lucro de apenas 20 centavos por pedra.

Shortugai, um pedaço de asno do Vale do Indo para o no rio Amu Dária, no norte do país, era bem perto de algumas minas de lápis-lazúli. Lá, haviam escravos de alguma civilização perdida, que provavelmente foi exterminada pelo veneno das borboletas do Afeganistão, e tais escravos coletavam amostras de lápis-lazúli na surdina e contrabandeavam as pedras com comerciantes de civilizações decentes, como os egípcios e os sumérios. Essa fonte pode ser a mais antiga do mundo, e certamente é a mais picareta, tanto que as minas operam ainda hoje, fornecendo lápis-lazúli aos ETs do Panamá e de Varginha e subornando a NASA pra esconder o segredo, não da civilização, mas da concorrência, pois eles têm armas e os atuais mineradores de Shortugai são militantes de esquerda cirandeira, armados apenas com flores e o próprio cu, que encontraram no comércio de lápis-lazúli um meio de sustentar seus gastos com alimentação vegana e tintas pra cabelo de personagem de anime.

Aplicações[editar]

O lápis com um polimento adequado pode ser usado em joias, mosaicos, vasos e outros ornamentos encontrados em casas de gente velha. Na arquitetura, foi usado nas paredes de palácios e igrejas frequentadas por essas velhas, que cantam estridentemente, rachando os adornos de vidro, mas não o de lápis-lazúli, que é gourmet e só quebra com atoprelamento de food truck.

Muitas poesias sumérias faziam referência ao lápis-lazúli como uma gema de esplendor final real, referência essa que um capitão do exército acadiano entendeu e divulgou no clube literário da Acádia. Em épocas antigas, vulgo: no tempo do onça, o lápis-lazúli ficou conhecido como safira, mas graças a uma pitada de bom senso, 10 tapa na cara e meio metro de piroca no cu com areia, perceberam que a variedade do corindon que fazia as joias voltarem pra Matrix não tinha porra nenhuma a ver com o lápis-lazúli, exceto a presença de alumínio, por culpa da sodalita que não era limonada, gostosa e geladinha.

Os romanos acreditavam que o lápis era um poderoso afrodisíaco, então eles pegavam um papel, esfregavam na bunda e escreviam coisas como: "amendoim", "catuaba" e "ostra" e depois comiam. Ah, não, é do lápis-lazúli que o autor falava, é o que dá reescrever artigos criados através de um texto da Wikipédia trazido para a Desciclopédia com leves alterações cômicas. Bom, eles também comiam e passavam na bunda (não necessariamente nessa ordem) essas pedrinhas, para aumentar a potência sexual e satisfazer as suas mulheres (ou não).

Na Idade Média, acreditava-se que a pedra mantinha o corpo saudável e a alma livre do erro e do medo, e tinha um custo de 100 moedas de ouro cobradas pela Igreja Católica, o que era mais barato que o preço que ela cobra agora. Acreditava-se também que o lápis tinha propriedades medicinais. O LAZÚLI, tá? Eu não vou escrever de novo que eles pegavam um papel, escreviam "penicilina" e "novalgina" e comiam pra tratar a Peste Negra. A gema era moída com um moedor feito a partir da espada um samurai, por motivos óbvio, e era misturada com leite fervido, pera e gema de ovo gemada is back, babies! e aplicado em úlceras na pele e até no cu. Muitas pinturas azuis em painéis medievais e do Renascimento foram produzidos a partir da tinta do lápis-lazúli, consequentemente, muitas não eram.

Na Idade Contemporânea, algumas poesias sumérias foram achadas no Japão, trazidas por romanos tarados sob efeito do papel de lápis-lazúli escrito "guaraná em pó com ecstasy". Uma delas foi parar nas mãos do mestre Akira Toriyama, que criou os personagens Lápis e Lazúli, até que outra criação, Dr. Maki Gero, os transformasse nos androides 17 e 18 (necessariamente nessa ordem). Somente uma poesia de cunho homossexual foi escrita, e por pura cagada, ela foi parar nas mãos da criadora de Steven Universo, que criou a personagem Lapis Lazuli, mas quem se tornou gay, numa ironia maior que a piroca com areia, foi a safira. Por fim, também pode ser encontrada no JO-GA-ÇO Minecraft, onde não serve pra nada.

Ver também[editar]

v d e h
Minecraft logo.png