Mãe-do-ouro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Mãe_do_ouro loira.

Cquote1.png Você quis dizer: Puta paga? Cquote2.png
Google sobre Mãe-do-ouro
Cquote1.png Já comi! Cquote2.png
Qualquer pescador sobre Mãe-do-ouro.
Cquote1.png Eu comi antes! Cquote2.png
Garimpeiro sobre Mãe-do-ouro.
Cquote1.png Isso non ecziste, mas eu também já comi! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Mãe-do-ouro.

Mãe-do-ouro na sua forma natural. Já quero uma dessas pra mim!.

Mãe-do-ouro, conhecida entre os garimpeiros como Puta-de-ouro, é mais uma daquelas lendas que você, da região Centro-oeste, acreditava quando era criança. Se não fossem seus pais que contassem essa história, seriam os ambientalistas ou os ativistas do Greenpeace, que se amarram em recrutar crianças ainda quando crianças.

A História por trás da Lenda[editar]

Diziam os antigos da região que em um garimpo próximo ao rio Cuiabá, um senhor de escravos estava enlouquecido atrás de ouro, para distribuir entre as suas mulheres e amantes. Todos os dias os escravos eram obrigados a trazer alguma quantia desse ouro que achavam, e se não encontravam nada, uma parte de seus corpos eram cortadas, pra servir como lição aos demais. Realmente, o senhor deles era muito mal.

Esse senhor da parte do capeta tinha um servo macumbeiro, que todos conheciam como pai Antônio Preto. Esse escravo estava muito triste e já havia tentando cometer suicídio diversas vezes, pois não havia encontrado nem ouro de tolo. Um belo dia, ao invés de ir trabalhar, após uma noite inteira vendo revistas pornográficas, pai Antônio foi pra floresta se masturbar, já que não podia fazê-lo na senzala. Após o ato consumado, ao fechar a calça e levantar a cabeça (a de cima), ele pode ver uma mulher muito branca, linda, peituda e com uma bunda enorme. Ah, claro, estava esquecendo que ela tinha os cabelos vermelhos, da cor de fogo. Como já havia batido sua bronha, restou a ele ficar admirando aquela deusa grega.

Pai Antônio após ficar podre de rico.

E essa gostosa bela mulher lhe dirigiu a palavra, dizendo: -Bateu punheta pensando em mim?. Sem jeito, pai Antonio não respondeu, mas logo ouviu: -Hahahaha, é brincadeira negão! Mas se você quiser ter uma noite bastante animada, compre pra mim uma fita vermelha, uma azul, uma amarela e um espelho. E não esqueça-se da camisinha!. O preto, tarado do jeito que era, saiu correndo para o mercadinho pra comprar as fitas e foi até uma drogaria, pra comprar camisinha e até vaselina.

Após retornar das compras e encontrar com a sua belezura na mata, pai Antônio fez muito amor com ela, e após não aguentar mais de pé, foi levado até a beira do rio, onde viu a mulher desaparecer em meio as águas. Ele imediatamente pegou a peneira e saiu para tentar salvá-la, e ao invés de salvar seu novo objeto sexual, ele conseguiu achar muito, mas muito ouro mesmo. O negão tava podre de rico.

Com todo o outro que achou, pai Antônio pode montar seu próprio terreiro, que durante os sábados funcionava como puteiro, e aos domingos servia de templo para a Igreja Católica. Com o dinheiro que restou, ele comprou mansões, carros, aviões, e mandou matar o seu antigo patrão. E até hoje, pai Antônio vive feliz pra sempre.


FIM

Ver Também[editar]