Marcelo Valle Silveira Mello

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Nota: Se procura pelo ídolo de Psytoré, consulte Adolf Hitler.

Nota: Se procura pelo desejo de consumo do Psytoré, consulte Marimoon.
Nerd dan.jpg >Este artigo é coisa de NERD, portanto, seja bem-vindo._

>Aqui aborda coisas que você pode se interessar, como RPG e computadores. Mas caso você seja um valentão, não leia este artigo!_

Computeiros.jpg Este artigo é uma piada de computeiro!

Cquote1.svg How many people know hex if the only ones who knows it
are me and DEAD people?
Cquote2.svg

Caso não entenda, aperte Alt+F4 para a leitura ficar mais fácil.

Farnese1.jpg Made in Nihon o.ò

Este é um artigo kawaii ¬¬ com tecnorogia japonesa, né? (ou não 8F )
Otakus, antes de dormir, ficam pensando nisso!. >D
Mas se vandarizar, vão matar você de hemorragia nasal 8F

Trollface.jpg

Cquote1.svg Você quis dizer: Chupador de piroca preta e culhão roxo Cquote2.svg
Google sobre Marcelo Valle Silveira Mello
Cquote1.svg Uma espécie de Danilo Gentili que deu ruim! Cquote2.svg
Capitão Sarcasmo sobre Psytoré
Cquote1.svg O PCC e o Comando Vermelho aguardam Marcelo Valle Silveira Mello para boas vindas na cadeia! Cquote2.svg
Lola Aronovich sobre Marcelo Valle Silveira Mello
Cquote1.svg Vai virar sabão mulherzinha na cadeia! Cquote2.svg
Hitler Mussolini sobre Psycl0n
Cquote1.svg Se um cara como você aparecesse na minha frente, levava um tiro no meio da testa! Cquote2.svg
namoradinho de Hitler da Schutzstaffel sobre Psytoré
Cquote1.svg Cuzão guloso! Cquote2.svg
Negão da cadeia sobre Psytoré
Cquote1.svg Pintinho pequenininho! Cquote2.svg
Prostituta sobre Psytoré
Cquote1.svg Bateu punheta com a revista do Arnold Schwarzenegger vestido de Conan, o Bárbaro! Cquote2.svg
Presidiário sobre Psytoré
Cquote1.svg Bateu punheta com a revista do Sylvester Stallone sem camisa! Cquote2.svg
Policial Penal sobre Psycl0n
Cquote1.svg Tem uma coleção de G Magazine! Cquote2.svg
Presidiário sobre Psytoré
Cquote1.svg Tem a G Magazine do Alexandre Frota! Cquote2.svg
Presidiário sobre Psytoré
Cquote1.svg Cadeia nele! Cquote2.svg
Alborghetti sobre Psycl0n
Cquote1.svg Mais cadeia nele! Cquote2.svg
Siqueira Júnior sobre Psycl0n
Cquote1.svg Cadeia é pouco! Ele mexeu comigo! Uma gorda idiota feminista! Cquote2.svg
Lola Aronovich sobre Marcelo Valle Silveira Mello (Batoré)
Cquote1.svg Bandido! Cquote2.svg
William Bonner sobre Psytoré
Cquote1.svg Bandido sim, mas isso não significa que vossa excelência tenha o direito de humilhar ele na delegacia Desciclopédia! Cquote2.svg
Advogado defensor dos Direitos Humanos sobre Psytoré
Cquote1.svg Na cadeia eramos nós dois. Eu fugi e #EleNão. Cquote2.svg
Lázaro Barbosa de Souza sobre Psytoré
Cquote1.svg Piroca de negro não é chupeta e não tem sabor de chocolate! Cquote2.svg
Policial Penal sobre Psycl0n
Cquote1.svg Marcelo: Pinto de bofe não é pirulito e não tem gosto de uva! Cquote2.svg
Pablo Vittar sobre Psytoré
Cquote1.svg Piiruuliitooo! Grrrrr! Errrrr! Cquote2.svg
Homer Simpson sobre Dr. Pirula
Cquote1.svg 41 11 anos é muito tempo de cana! Cquote2.svg
Capitão Óbvio sobre Psytoré
Cquote1.svg Se tivesse feito balé não tinha virado esse delinquente! Cquote2.svg
Feminista sobre Psytoré
Cquote1.svg Pêra, uva, maçã, salada mista! Cquote2.svg
Xuxa sobre sabores de camisinha
Cquote1.svg Bumbum guloso! Cquote2.svg
Luiz Mott sobre Psytoré
Cquote1.svg Tire a mão do meu grelinho! Socorro! Tarado! Estou sendo estuprada por um maníaco! Socorro! Polícia! Alguém me ajude! Cquote2.svg
Pablo Vittar sobre Psycl0n
Cquote1.svg Ai meu cu! Tá doendo! Não pare! Não pare! Vou gozar! Ah! Que delícia! Cquote2.svg
Psycl0n sobre Pica do Negão
Cquote1.svg Arrombado! Cquote2.svg
Canal do Otário sobre Psycl0n
Cquote1.svg Eu vou matar com a minha 38 a Lola Aronovich e o tarado que escreveu esse artigo na Desciclopédia! Cquote2.svg
Psycl0n ao sair da cadeia

Marcelo Valle Silveira Mello (Psytoré) na cadeia: Raça pura ariana ou caboclo de merda?
Psy quando se fodeu foi dar uma voltinha com os guardas camaradas
Como Psycl0n enxerga as escolas e universidades, como o Colégio Bernoulli e o curso de ciências sociais da Universidade de Brasília

Marcelo Valle Silveira Mello (também conhecido como Psycl0n, Psicl0n, Psy, Batoré, Psytoré, Myersfag, Ash Ketchum, BR0KED e vários outros nicknames) (Brasília, 9 de agosto de 1985) é um cara estranho, um lunático doidão de arrogância sem tamanho, muito conhecido por gostar de causar, mas ninguém imaginava onde que isso ia parar, de Psycl0n ele próprio se intitulava, tirava onda de oldfag, cara bem sucedido, sua fixação por promover tudo que é proibido num sitezinho a PF não deixou batido o nome de um abominável otaku nerd débil mental, que resolveu zoar muito na internet e se vingar da sociedade por ser um fracassado que não consegue pegar mulher.

Marcelo está preso desde 2018 por crimes na internet. O advogado de Marcelo alega insanidade mental para tirar o retardado de dentro do presídio (mas sabemos que a Justiça vai manter o vagabundo preso no xadrez).[1]

Marcelo sempre gostou da cultura japonesa. Leitor de mangás e telespectador de animes, virou um otaku e Weaboo maldito e viajou para o Japão. Marcelo considera os japoneses um povo superior ao povo brasileiro. Ele, enquanto estava em liberdade, como gordo carente e infantil que é, costumava dormir com um Dakimakura.

Psycl0n conseguiu através de advogados caros reduzir sua pena de 41 anos de cadeia para apenas 11 anos e através da progressão de regime do fechado para o semi-aberto deve voltar para a internet deep web em alguns anos. Isso se o Ministério Público Federal não recorrer até o Supremo Tribunal Federal para aumentar o tempo de cadeia e o processo não cair nas mãos do ministro Gilmar Mendes ou do ministro Edson Fachin (que inocentou o Lula). Aí fudeu tudo! Para dar certo o processo precisa cair nas mãos do Xandão do PCC, que é um ministro mais linha dura, com cara de mau e que vai comer gostoso o cu do Batoré.

Vida pessoal[editar]

Psycl0n e sua esposa: Vejam a cara de pedófilo!

Marcelo nasceu em uma família de classe média-alta de Brasília, até porque ser classe média em Brasília é quase sinônimo de ser pobre mesmo, dado que é lá que rola o alto das maracutaias que envolvem corrupção, burocracia e enriquecimento ilícito, sendo que foi nesse ambiente muito saudável que o mesmo veio a dar os seus primeiros passos em sua vida de playboy mal resolvido na vida.

Para piorar o nível de desmoronamento de sua base familiar, o pai de Marcelo morreu quando o mesmo ainda era uma criança e sua mãe acabou sendo internada por conta de problemas psiquiátricos, sendo que ao fim o mesmo foi criado pela avó, que ficou responsável por assumir as broncas de lidar com o mesmo, apesar de estar quase na hora de pedir a própria aposentadoria por não aguentar mais dar no couro.

Como toda criança criada pela avó e mantida a base de leite com pera, Marcelo sempre foi muito mimado e teve tudo que queria, até mesmo quando o que queria fosse algo meio que absurdo para uma criança normal, sendo que essa falta de limites viria a apresentar problemas mais tarde, quando o mesmo teve de se relacionar socialmente com outras pessoas.

Estudou nos melhores colégios particulares de Brasília, onde foi constantemente vítima de bullying de outros playboys mais cheios de marra do que ele e por fim se isolou, indo pros estudos universitários na área de ciência da computação, pela qual se graduou na Universidade Católica de Brasília, sendo que no seu auge, também chegou a morar na Asa Sul de Brasília e tinha uma vida suntuosa o suficiente para ter condições de frequentar os melhores restaurantes da cidade.

Quando Marcelo ainda estava em liberdade, ele costumava assistir animes como Sailor Moon, Psycho-Pass e Pokémon, ele também gostava de ouvir músicas dos anos 90 e publicar sobre sua vida de bosta que ninguém se importa em seu fórum, o Dogolachan.

Amizade com os poderosos[editar]

Marcelo participou, como testemunha de acusação, convidado pela Reitoria da Universidade de Brasília, de processos disciplinares de expulsão de alunos pobres e negros que participaram de movimentos sociais. Os movimentos sociais sempre incomodaram a Reitoria da Universidade de Brasília, que já foi processada mais de uma vez pelo Ministério Público Federal por racismo e discriminação.

As Aventuras de Psytoré na Internet[editar]

Incels: Virgens de 40 anos

Hax0r Labs[editar]

Marcelo, aos 16 anos, passou a participar de um grupo de pseudo-hackers (que na prática eram crianças metidas a hackers), o chamado Hax0r Labs, onde ele derrubava sites e blogszinhos e fazia chantagens, pedindo dinheiro se não ele não devolveria o site.

Ofensas contra alunos cotistas da UNB no Orkut[editar]

Vários negros começaram a entrar na Universidade de Brasília (UNB) por meio das cotas, nessa mesma universidade estudava Marcelo (na época conhecido como Marcelo Maluco pelos seus colegas), que estava lá para aprender língua e letras japonesas. Marcelo viadão no cio implorando pela atenção dos negros picas grandes, grossas e tortas decidiu que iria zoar muito na comunidade da UNB no Orkut, postando ofensas contra os alunos cotistas em 2005, com seu perfil real no Orkut (com seu nome e foto). O resultado foi que Marcelo depois foi espancado brutalmente por vários descolados da universidade em frente a várias patricinhas que só riram de Marcelo, e Marcelo decidiu mesmo assim voltar para o Orkut com contas fakes, usando codinomes, para dessa vez atacar todos os estudantes da UNB recebido carinhosamente pelos descolados da universidade e convidado a entrar no time de futebol, e ainda foi convidado a participar de uma festa na casa de um dos descolados onde ele iria poder perder a virgindade com uma loira e com uma ruiva.

2009: Comunidades trolls e 55chan[editar]

Psycl0n saindo da delegacia após ser preso por importunação sexual por ejacular no cabelo de uma feminista em um ônibus
Versão do Pepe, o sapo nazista, dos discursos de ódio na internet

Em 2009 a máscara de Marcelo caiu e agora ele não era mais anônimo, e sim o gordo feio que todos da UNB bullinavam, isso já que ele derrubou e fez vários ataques contra o site da AfroPress até descobrirem a sua identidade real e entregarem para a Polícia Federal.

Em 2009, Marcelo foi o primeiro homem no Brasil a ser processado por racismo na internet. Ele não foi preso pois seu advogado teria provado que Marcelo é retardado mental semi-imputável, ou seja, parcialmente consciente de seus atos por ter problemas mentais.

Ele entrou em comunidades de trolls no Orkut onde fez amizade com o Izzy Nobre e arrumou confusões com comunidades trolls rivais e outras pessoas. Marcelo se encontrou com Marimoon em São Paulo na esperança de conseguir ter ela como sua namorada e futura esposa, mas como era de se esperar, Marimoon deu um fora em Marcelo. Mais tarde Marcelo brigou com Izzy Nobre pois ele teria se recusado a xingar Marimoon em seus blogs, e Izzy Nobre optou por banir Marcelo de sua comunidade de trolls no Orkut, deixando Marcelo irritadinho.

Marcelo criou a comunidade "Animal eu mato na facada" no Orkut, onde ele defendia a crueldade aos animais, e mais tarde, junto de seus poucos amigos no Orkut, criou a comunidade "Homens de Bem" onde ele jurava ser psicopata junto de seu amigo Evil, tudo para chamar atenção na internet e deixar as pessoas irritadinhas.

Mais tarde, seus poucos amigos no Orkut decidiram se voltar contra Marcelo, zoando ele e fazendo montagens com as suas fotos e depois fazendo vários trotes para a casa de sua avó. Marcelo, sem amigos e cansado de ser banido de todas as comunidades do Orkut, decidiu que iria se juntar a um fórum na internet onde havia pessoas tão idiotas quanto ele, verdadeiros párias da sociedade, e o fórum seria o 55chan. No 55chan, Marcelo que, por sua inabilidade social, culpou todas as mulheres existentes por sua infância e adolescência falhas. Vendo o Canadá e o Japão como os únicos países a conservarem a moralidade e a sociedade, Marcelo sonhava com uma nação governada por nerds e otakus na qual a mulher seria apenas um objeto sexual atado à coleiras e utilizado como moeda de troca e pedófilos e homossexuais seriam mortos na primeira chance. Trolls do 55chan inscreveram Marcelo em um concurso de meninos bonitos da revista Capricho, porém ele não ficou em primeiro lugar, sendo passado pelo Lord Eternal.

2010: Fakes no Twitter[editar]

Em 2010, Marcelo criou várias contas no Twitter com a única intenção de destilar o ódio contra negros, mulheres, gays e tudo e todos. As contas eram @psycl0n, @psicl0n, @homofobiasim, @ju_tedesco e ainda tinha mais! Ele conseguiu irritar a Glória Perez, que lhe denunciou para a Safernet.

2011: Massacre do Realengo e Homens Sanctos[editar]

Marcelo quando saiu da cadeia e foi direto para a Campus Party usar a internet

Em 2011, Marcelo criou o 45chan, um chan mal-feito, completamente mal-programado, bugado e feio, que tinha como ideia substituir o 55chan como um chan melhor. Os usuários do 45chan postavam Gore e fotos sensuais da Bebba (na época esposa do Izzy Nobre) o dia inteiro.

Marcelo passou a visitar o blog Silvio Koerich, um blog criado por um anônimo onde ensinava nerds perdedores como o Marcelo a lidarem com as fêmeas, onde usavam de uma argumentação digna de Revista Veja para convencer outros perdedores sem vida social dos supostos males do feminismo e do quanto o mesmo era um movimento fracassado (apesar de até então o feminismo mal passar de uma manifestação de Centro Acadêmico), com vistas a tentar tirar desforra das feministas, que segundo ele, sempre atrapalharam a vida do mesmo nas frustradas tentativas dos mesmos no sentido de tentar pegar mulher, até pela tendência de quererem forçar paradas como poliamor e lesbianismo para as que não eram iniciadas nisso.[2]. Marcelo, tentando chamar a atenção, ficou postando comentários misoginia apoiando a morte de mulheres até o administrador do blog banir Marcelo do site, deixando ele irritadinho. Marcelo então passou a se passar por Silvio Koerich no Orkut.

Em 2011 também teve o Massacre do Realengo, que o gordinho jura ter sido o mentor intelectual do crime. Nessa época Marcelo também conheceu o Ministro Cláudio, um retardado que administrava comunidades no Orkut como "Homens Sanctos", e também conheceu o Kyo El Fuego Sancto (outro fracassado que não come ninguém).

2012: Sua fixação por promover tudo que é proibido num sitezinho a PF não deixou batido[editar]

Em 2012 Marcelo fez amizade com o Emerson Eduardo Rodrigues que fingia ser engenheiro pra posar de bacana e impressionar nas redes sociais. Eles se conheceram no Orkut quando Emerson estava anunciando em comunidades que precisava da ajuda de algum hacker para fazer parar os ataques que estava sofrendo na internet por parte de uma ex-amante (que fazia ele beber a urina dela!). Marcelo foi o primeiro a se mostrar para Emerson como um hacker disposto a parar os ataques, e Emerson, desesperado, acabou escolhendo o Marcelo e colocando ele para trabalhar como especialista da segurança da informação em sua empresa em Curitiba, Paraná, e então surge aí uma amizade infernal que depois seria a maior rivalidade da internet brasileira.

Marcelo viajou para Curitiba para se encontrar com Emerson e trabalhar em sua empresa, e em Curitiba, os dois passaram a montar um plano mirabolante para atacar o Silvio Koerich. Emerson topou entrar no plano pois estaria revoltadinhao porque foi expulso das comunidades de Silvo Koerich depois de mentir afirmando ser o Nessahan Alita pra ver se conseguia atenção dos demais usuários. Juntos, Marcelo e Emerson criaram um blog falso, com o mesmo nome de Silvio Koerich, onde os dois postavam racismo, apologia ao estupro, pedofilia e várias outras barbaridades!

Obviamente a Polícia Federal não iria deixar isso batido com várias denúncias, e então Marcelo e Emerson foram presos em Curitiba na Operação Intolerância da Polícia Federal e ainda tiveram suas prisões anunciadas na Globo.

Vida de marmita de presidiário[editar]

Carinho do Tio Billy para o Psytoré

Marcelo e Emerson foram condenados a 6 anos de prisão. Na cadeia Marcelo ficou conhecido como "Candango" por ser brasiliense.

Marcelo era agredido o tempo inteiro na cadeia e ameaçado de morte pelos irmãos pela bandidagem, e então teve que arrumar um namorado que pudesse lhe defender, e este namorado seria Tio Billy, um negro de 2 metros de altura que comia o seu cu em todas as noites na carceragem.

Constam informações que depois da prisão, a relação de Emerson e de Marcelo nunca mais foi a mesma, em especial pelo Marcelo ter supostamente sido vítima de abusos contra o seu esfincter anal, o que até o momento não foi confirmado pelo fato de ninguém aqui ter tido contato com eventuais carcereiros ou companheiros de cela do mesmo.

2013: Liberdade cantou, Marcelo anel de barbante[editar]

Em 2013 Marcelo e Emerson foram soltos da cadeia e iniciaram a maior treta da internet brasileira. Nesse mesmo ano, depois que foi banido do 55chan, Marcelo criou o Dogolachan, um fórum para retardados odiados na internet como ele. Marcelo, como adulto com mentalidade de criança infantil que é, culpou todos pela prisão, já que não consegue admitir a culpa de que foi preso pois é um gordo asqueroso, burro e attwhore. Uma dessas pessoas culpadas pela prisão de Marcelo é Lola Aronovich, uma argentina feminista que trabalha no Brasil na Universidade Federal do Ceará e tem um blog feminista desde 2008.

2014: Gustavo Guerra[editar]

Em 2014 Marcelo se envolveu com Gustavo Guerra, um doente mental que costumava trollar muito no Facebook defendendo necrofilia e se pagando de nazista a despeito de ter um caso com uma travesti de origem judia. Marcelo e Guerra passaram a trollar muito a Lola Aronovich com trotes enquanto se passavam por um traficante do PCC.

2015: Profissão Repórter[editar]

Marcelo Valle Silveira Mello é tão bandido dava o bumbum na cadeia em troca de cocaína

Em 2015 Marcelo usou seus truques "hackers" (que na verdade são truques pouco conhecidos pela sociedade normal em geral, mas não hackers, que ele aprendeu com crianças levadas na internet que só queriam chamar atenção) para pegar os dados de Hitmonkey, que na época era o administrador do 55chan. Ele criou o blog "Tio Astolfo" onde ensinava crianças a estuprarem, defendia o Champinha, zombava da polícia federal, e tudo no nome do pobre Hitmonkey (aí que dó! ;_;). Ele fez algo parecido com Lola Aronovich, criando um blog no nome dela onde ele ensinava e recomendava remédios para que mulheres realizassem abortos, tudo no nome da Lolinha (que peninha! ;_;).

Devido as suas loucuras e altas confusões na internet, o programa Profissão Repórter da Globo decidiu que iria entrevistar Lola Aronovich e tentar entrevistar Marcelo e Emerson. Emerson aceitou dar uma entrevista pelo Skype, já Marcelo não quis dar nenhuma entrevista. Ele chegou a apertar mão do repórter negro (provavelmente estava no cio novamente, louco pra receber mais uma leitada lá no fundo do cuzinho guloso, uma leitada vinda de uma piroca grande, grossa e cabeçuda de um negro para preencher todo o seu cuzinho com leite de macho), mas depois se recusou a dar entrevista e ficou gaguejando, até se irritar e tentar bater no repórter e quebrar a câmera, o que não conseguiu fazer.

2016: Problemas por causa do Dogolachan[editar]

Um bosta!
Aulão de Filosofia do Estupro "espanhol" com o professor Pedola

O Dogolachan passou a dar problemas de cabeça para o gordinho Marcelo suco del valle depois que Mallone Morais gravou vídeos dizendo que todo pai deveria estuprar sua filhinha, deixando o Felipe Neto com fogo no cu. Nelipe Feto gravou um vídeo onde o pediu para que seus inscritos floodasem o 55chan, BRchan e Dogolachan, e o pior, eles realmente fizeram isso! GOEC, um nordestino fudido que mente na internet que é rico e mora na Alemanha, ameaçou a Universidade Federal do Ceará de bomba por email, dizendo que iria explodir a porra toda se caso não expulsassem a Lola Aronovich, o que não aconteceu. Marcelo, com medo de voltar pra cadeia, fez o GOECuzinho ir pedir desculpas.

Cquote1.svg Eu, autor das ameaças, moro na Suíça, tenho cidadania alemã e trabalho em uma multinacional de TI. Portanto, não sou o Marcelo nem nenhum deafeto da Dolores. Sou um anônimo de uma CHAN. Faço parte de coletivos crackers internacionais e tenho acesso total aos sistemas da PF, como [...]. É com estes sistemas que faço doxxing. Acabei de consultar os sistemas da Polícia Federal e descobri que o delegado que está me investigando é o [...] [Nota da Lola Aronovich: no chan do Marcelo, Goec diz que ligou hoje para a casa de um delegado -- à uma da madrugada! -- e para um escrivão da PF, "para conversar". O escrivão, segundo ele, o mandou pro inferno. "Que gente mal educada", escreveu Goec]. Pois bem, vou encaminhar todas as provas relacionadas com o desvio de função da Dolores e os pedidos para amigos prejudicarem desafetos para a Corregedoria da PF e para os reponsaveis pela Revista Forum, assim como para todos os jornais do Brasil, todos os reitores de todas as universidades brasileiras, todos os colegas de profissão na UFC, todas as delegacias da PF no Brasil e demais pessoas envolvidas. [Pouco depois Goec envia outro email, intitulado "Pedido de desculpas", para as mesmas pessoas]. Gostaria de pedir desculpas ao Magnífico Reitor da UFC, e gostaria de afirmar que não haverá nenhum tipo de atentado, visto que sequer moro no Brasil e não tenho qualquer poder de prejudicar alguém que more no Brasil. Enviei estes e-mails no calor do momento por causa das atitudes da senhora Dolores Aronovich Aguero que é um péssimo ser humano. Gostaria de pedir desculpas ao senhor Delegado de Polícia Federal [...] e ao senhor escrivão [...] que gastaram seu tempo investigando a minha atitudade. Sinto muito pelos senhores terem gasto tempo comigo, tempo este que poderia ter sido usado para impedir algum crime ou prender algum criminoso. Eu trabalho na área de TI caçando e impedindo os caras maus. Eu não sou um criminoso, muito pelo contrário eu faço o bem e por isso tive essa atitude de tentar prejudicar a Dolores pois ela é uma pessoa ruim. Porém acabei prejudicando apenas inocentes. Eu estou extremamente triste pelo fato de ter prejudicado a Polícia Federal e gostaria de remediar isso de alguma forma em algo que for ao meu alcance, como assuntos relacionados a Ciências da Computação. Eu sou completamente anônimo e uso ferramentas e técnicas do Estado da Arte da criptografia, privacidade, anônimato e segurança, portanto sou irrastreável. E, mesmo se fosse possível me rastrear, tenho cidadania alemã e não seria deportado para o Brasil. Tudo isso é apenas uma perda de tempo e dinheiro por causa de um erro que eu fiz. Se o senhor Delegado quiser, ele pode me dizer quanto custou para o Estado toda essa investigação que posso pagar via Bitcoins ou Monero. Gostaria de pedir desculpas a todas as pessoas que ameacei, como o professor [...] e a professora [...]. Estou encaminhando todos os emails para as pessoas que ameacei com pedidos de desculpas e esclarecer que nada de mau irá acontecer com eles ou com a família deles. Fiz isso no calor do momento para tentar prejudicar a Dolores. Entendo que, diferente do que ocorre na Alemanha e na Suíça, no Brasil não há separação entre o público e o privado, o pessoal e o profissional. Eu sou membro de diversos foruns e chans. O mesmo compartamento que tenho no Dogolachan.org tambem tenho em outros locais. Sou apenas um membro e não dono de chans. Segundo o Marco Civil da Internet, a responsabilidade pelo meu comportamento é apenas minha e não dos administradores dos chans, portanto Marcelo, que segundo a Dolores é o dono do Dogolachan porém este fato não é comprovado, não tem qualquer culpa do que eu fiz como membro. Não é correto os administradores do dogolachan.org serem prejudicados por minha causa. Dolores quer prejudicar os desafetos dela e o Marcelo é o mais fraco e exposto de todos, visto que o Olavo de Carvalho mora nos EUA e é reconhecido internacionalmente e do Danilo gentilli é um comediante que tem mais curtidas em uma única mensagem no twitter do que o número de seguidores total do twitter da Dolores. Portanto é muito fácil prejudicar este desafeto específico. Gostaria de afirmar mais uma vez que estou a disposição para quaisquer esclarecimentos e espero que tudo isso acabe da melhor maneira possível. Cquote2.svg
e-mail que GOEC enviou a mando de seu mestre Marcelo gordinho peidão. Olha o pedido de desculpas do cachorrinho de rua, que fofo! E sim, claro, eles querem sim o seu bitcoins depois de perderem tanto dinheiro real!

2017: Ataque das Impressoras[editar]

Psytoré depois de tomar um esculacho de uns maluco na rua.

Marcelo tentou se mudar para os Estados Unidos em 2017, mas como esperado, ele contou tudo o que ia fazer no Dogolachan antes mesmo de fazer, despertando assim a inveja de Emerson que já estava morando nos EUA. Emerson caguetou tudo para os americanos fazendo com Marcelo tenha que voltar para o Brasil com o rabo entre as patas e com o bumbum queimando, e então ele pediu para que seu escravinho sexual GOEC hackeasse dezenas de impressoras e imprimisse ameaças usando o nome de Emerson, e por isso Emerson foi deportado e preso.

2018: Voltando para a pica de Tio Billy[editar]

BolsoCoin

Marcelo também é o criador do BolsoCoin, uma criptomoeda usada no Dogolachan como forma de pagamento por crimes cibernéticos, cujo objetivo inicial era de concorrer com criptomoedas como a BitCoin e a Monero no submundo da lavagem de dinheiro, que ao fim serve pra manter as aparências de anarcoscammers como o Daniel Fraga que espalham tais scams para os incautos como um investimento confiável, se achando super revolucionários por estarem passando seus recursos por fora do sistema fiduciário dos bancos centrais dos governos mundo afora, desconsiderando que cédulas bancárias já eram emitidas nos tempos do Barão de Mauá.

O nome vem de Jair Bolsonaro, o presidente poser que pra apelar se juntou a neonazistas e que foi denunciado por genocídio e crimes contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional por Lulistas que se aproveitaram da inação do mesmo na questão do Coronavírus para tentar jogá-lo em uma cilada no campo político, uma vez que o joguinho sujo de sair acusando os outros de neoliberal, fascista, nazista, racista, homofóbico, transfóbico ou o que o valha já estava dando com os burros n'água.

De qualquer forma, tal criptomoeda acabou por ser utilizada em fóruns anônimos na deep web como forma de pagamento para atividades chamadas de doxxing e swatting. A primeira diz respeito a usurpação de dados privados no BR para que os mesmos sejam expostos a outras pessoas (em especial, estelionatários) e a segunda é usada para uma espécie de trote a serviços de emergência. O objetivo da primeira é chantagear a pessoa ou tirar vantagem as custas da mesma, enquanto a segunda pretende apenas constranger a vítima.

O BolsoCoin também seria usado para a compra de drogas na deep web em sites parecidos com o Silk Road, sendo que tal criptomoeda, disponível na plataforma GitHub, foi criada pelo usuário Psycl0n, que se identifica em sua página como Marcelo Mello. Uma reportagem do jornal Correio Braziliense informa que trata-se de Marcelo Valle Silveira Mello. Não foi difícil para os jornalistas descobrirem a identidade do Psytoré.

Os planos iniciais eram de que Psytoré e sua patota enriquecessem em cima de tal criptomoeda a ponto de estarem livres da Polícia Federal, sendo que em tal intento, tal projeto foi um retumbante fracasso.

Marcelo Maluco no Profissão Repórter da Rede Globo: "Se eu for preso vou sair logo logo!"


Ao fim de tudo, Marcelo foi preso novamente na Operação Bravata da Polícia Federal e desde então encontra-se preso em um presídio de segurança máxima em Campo Grande no Mato Grosso do Sul, sendo que além de ser condenado a mais de 40 anos de prisão, ele foi condenado à reparação de danos de R$ 1 milhão e ao pagamento de 678 dias-multa (no valor de um décimo do salário mínimo vigente em dezembro de 2016. O valor da reparação de danos, segundo o despacho, será destinado a programas de combate aos crimes cibernéticos e programas educativos da área. Marcelo deve estar na cadeia com o cu todo arrombado, sem pregas e com uma tatuagem de passivo submisso, de quem gosta de uma suruba gay, tatuada na bunda, Marcelo provavelmente vai pedir autorização para ser submetido a uma cirurgia de mudança de sexo depois, mas o pedido vai ser negado pela Justiça. Inconformado e deprimido, Marcelo vai tentar suicídio, mas não vai ser homem o suficiente para cumprir suas ameaças e se matar. Cada vez que olhar para seu bilau pequenininho e para a jeba dos companheiros de cela, Psytoré vai convencer cada vez mais de que nasceu no corpo errado e que queria se vingar das mulheres jogando no mesmo time que elas. Agora seu nome seria "Marcela", a "traveca chupadora" e sua profissão seria profissional do sexo (prostituta). Seria o fim da dinastia de criminosos, marginais, delinquentes e doentes mentais da linhagem e pedigree do Psytoré. Só que não. Tudo não passou de um sonho molhado do Emerson Eduardo Rodrigues e Psycl0n acorda na cadeia cercado de presidiários negros na cela como Fernandinho Beira-Mar e no meio de uma rebelião no presídio. Então Psytoré foi tomar banho com outros presidiários e deixou o sabonete cair no chão. Psytoré começou a peidar com seu cu arrombado e agachou para pegar o sabonete com medo de que alguma coisa pudesse acontecer. Pensando bem, nada que não estivesse habituado, como tomar no cu, mesmo assim tinha medo (ou desejo). Batoré olhou para cima e para os lados e viu um monte de pênis. Com água na boca, como uma bicha louca, pegou o sabonete do chão e se levantou.

Marcelo no jornal

Marcelo também é acusado de ameaçar de morte o ex-deputado federal Jean Wyllys, que segundo a Polícia Federal fugiu do Brasil com medo das ameaças de morte do Marcelo, que incluía nomes de ex-namorados e os bares e boates gays que o parlamentar frequentava, provando que Marcelo é um excelente detetive e que sabe tudo sobre suas vítimas seus dados pessoais e detalhes sobre sua vida pessoal, porém Marcelo já estava preso quando essa ameaça foi feita.

Projetos para quando sair da cadeia (daqui longos anos)[editar]

Amigos do Psycl0n no presídio

Criação do Dogolachan[editar]

Quem tem cu tem medo (ou desejo)

Depois de sair da cadeia, Marcelo passou a frequentar diversos chans na internet, mas foi expulso de todos eles por conta de seu comportamento tóxico, criando o seu próprio chan, o Dogolachan, um site de ódio inicialmente na surface, mas que hoje jaz na deep web, com vistas a assim buscar vingança em relação a seus desafetos, em especial contra a Lola Aronovich, uma espécie de Olavo de Carvalho do feminismo tupiniquim, chegando-se nisso ao ponto grotesco de fazer sites fakes com o nome da mesma com o objetivo de difamá-la, o que ao fim acabou apenas levantando mais e mais a fama da Lola a ponto de hoje se ter uma lei a "homenageando" e que no fim acabou sendo bem útil para levá-lo a cadeia novamente.

Além disso, o mesmo, a exemplo do que fazia nos tempos de Orkut, continuou a ostentar com as coisas erradas que fazia, tais como clonagem de cartão e armava outros golpes se utilizando de seus conhecimentos de computeiro com vistas a manter a boa vida, sendo que isso acabou não dando muito certo, pois mesmo com seus eventuais patrões não o mandando de volta pra cadeia por conta de suas lambanças, o mesmo ficava cada vez mais e mais queimado com seus eventuais empregadores, a ponto de ao final de sua carreira fora das grades, o mesmo se dar por feliz por ganhar um salário pouco maior que o de um pedreiro atuando na condição de pejotizado.

Financiamento (3 milhões e 500 mil reais na conta de Marcelo)[editar]

Em março de 2012, Marcelo e Emerson Eduardo Rodrigues foram detidos, acusados de planejar uma chacina de estudantes do curso de ciências sociais da Universidade de Brasília. Na conta de Marcelo havia cerca de 3 milhões e 500 mil reais, dinheiro supostamente doado por simpatizantes radicais à causa dele. As investigações, à época, apontaram que o recurso serviria para financiar o atentado. Os 3 milhões e 500 mil reais encontrados na conta de Marcelo foram rastreados pela Polícia Federal. Os policiais acreditam que a origem do dinheiro possa vir de doações de pessoas que simpatizam com sua ideologia criminosa. Outra linha de investigação para explicar os 3 milhões e 500 mil reais é que Marcelo tenha usado seus conhecimentos avançados em informática para fraudar transações bancárias pela internet.

Depoimentos[editar]

  • Fernando Holiday: - "Racista?? Quem é racista? O Marcelo?? Ele é meu amigo!! Não é racista! Esses comentários que ele faz sobre os negros (que ele chama de crioulos) é brincadeirinha!! Trollagem de internet!! Marcelo é brincalhão!"
  • Pablo Vittar: - "Bem, ele primeiro passou a mão na minha bunda, apertou meus peitos e enfiou o dedo no meu cuzinho. Eu deixei. Eu sempre deixo meus fãs passarem a mão boba. Mas aí ele enfiou a mão na minha calcinha e segurou o meu grelinho. Aí eu gritei, pedi ajuda, gritei por socorro! Chorei. Nojo do senhor Marcelo Valle Silveira Mello. Travequeiro e estuprador!"
  • Policial feminina: - "O bilau dele é muito pequeno. Ele baixou as calças, tirou a cueca e todo mundo na corporação deu risada. Ha ha ha ha ha! É muito pequenininho! Um bilauzinho!"
  • Perito criminal: - "Encontrei muitas fotos de pênis e de homens pelados e sem camisa nos computadores e celulares apreendidos no apartamento do Marcelo."
  • Colega de escola do Marcelo: - "Ele sofria bullying e não gostava das meninas, por isso está solteiro até hoje. Gay? Dizem que sim. Marcelo passava o recreio jogando Magic: The Gathering com os colegas e ou sozinho jogando Game Boy Advance. Era um nerd."
  • Jair Bolsonaro: - "Não sei quem é, Tá Okay? Presidiário? Ameaçou a biba louca do Jean Wyllys? Criador do BolsoCoin? Chega!! Eu já disse: Desconheço!!" - "Sei que o Marcelo é amigo dos meus filhos, mas DESCONHEÇO!!"
  • Severino (zelador do prédio onde Psycl0n morava com a avó em Brasília): - "Doutor: Isso é uma BICHONA!"

Na cultura popular[editar]

Marcelo é aquele vilão de desenho animado que sempre se dá mal no final da história, com a diferença que Batoré se deu bem na vida amorosa e está com o cu todo arrombado pelo presidiário Negão do Pikão preto e das bolas roxas.

Notícias[editar]

Amiguxo do Psytoré preso[editar]

Música[editar]

Ver também[editar]

Ligações externas[editar]

Referências[editar]

  1. Minha filha Judia ou Alemã? Engenheiro EER.
  2. Assassinaram minha reputação. Volume 1. Emerson El Capataz.
CAPTURADO

Albatone.jpg

Anunciamos que Marcelo Valle Silveira Mello não fará(ão) mais mal a ninguém,
pois se encontra(m) preso(s), morto(s) ou/e finalmente derrotado(s).

Agradecemos à(s)/a(o)(s): Polícia Federal pela sua captura.
Obrigado, Polícia Federal, certamente as pessoas poderão
dormir mais tranquilas graças a você(s).


Putin Gay.jpg Este artigo trata de uma personalidade mortalmente,
putaqueparivelmente e filhadaputamente odiada!
É algum(a) idiota inútil que não vale porra nenhuma.

Conheça outros filhos da puta clicando aqui.

Patrick.gif "Não, cê é burro cara, que loucura..."

Este artigo é sobre algo ou alguém burro ou completamente imbecil.

A Desciclopédia está se pouco lixando se a burrice dele(a) contaminar você.