Margarina

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Pão do Bowser.jpg Este é um artigo gastronômico.

Super Mario garante: "Todas as torradeiras tostam este artigo!"

1centavo.gif Esty artygo é dy pobry!

Esty artygo é sobry koyzas dy póbry, peçowas póbrys y o dono
taméyn dévy dy sê un pobretãwn do karáy!

{{#logotipo:http://images.uncyc.org/commons/1/1d/Margarina_logo.png}}

A dita cuja.

Cquote1.png Você quis dizer: Manteiga de pobre? Cquote2.png
Google sobre Margarina.
Cquote1.png Serve também, pra quando não tiver maionese em casa. Cquote2.png
Menina do sanduíche de buceta sobre Margarina.
Cquote1.png Que delícia, cara! Cquote2.png
Jaílson Mendes sobre Margarina Delícia.
Cquote1.png Pega a manteiga pra mim. Cquote2.png
Pobre sobre chamar a margarina de manteiga para parecer menos pobre.
Cquote1.png Que merda é essa que a gente tá comendo? Cquote2.png
Família feliz do comercial sobre Margarina.
Cquote1.png Você pode usar margarina também. Cquote2.png
Ana Maria Braga sobre você não ter dinheiro pra comprar manteiga.
Cquote1.png Oh, no café da manhã, é a minha mãe, a minha Jú, e eu. E o meu carrinho...só isso? Cquote2.png
Criança do comercial, após usar a margarina All Day e começar a falar coisas sem sentido.

Sobre[editar]

Margarina trata-se de um alimento com um valor nutri-tri-trivo adequado. É basicamente feito de gordura de boi, óleo vegetal, restos mortais, gordura trans, cimento, ácido sulfúrico, cocô de pomba, leite, suor de gordo e em alguns casos, sal. E então, é transformado em uma substância sólida, amarelada e vistosa, que é depositada em potes de plástico e vendida para todos os mercados, botecos, padarias e lojas de conveniência do mundo. É um produto acessível para toda a população. Até o Chaves pode comprar uma margarina.

É normalmente utilizado em forma de acompanhamento em outros alimentos, como: Pão francês com mortadela, receitas que originalmente necessitam de manteiga, ânus da sua namorada e da sua mãe, bolovo, ovo frito, esfihas do Habib's, dogão da praça e todas as outras coisas que você quer que fiquem ainda mais gordurosas e intragáveis.

História[editar]

No longínquo ano de 1869, um português apaixonado por arquitetura, chamado Manuel Cabral de Nóbrega, trouxe para o Brasil recém independente, uma criação sua, que serviria para substituir o cimento usado nas construções de monumentos no país, em uma alternativa mais econômica. Essa criação, que até hoje tem em sua composição alguns ingredientes jamais revelados, foi feita aos montes por Manuel, e colocadas em navios para serem trazidas para o país.

Na semana que os navios cargueiros chegaram com uma quantidade exuberante daquela substância, elas foram descarregadas e enviadas ao grande salão onde se guardavam os materiais de construção. Devido aos pedidos populares, uma figura religiosa seria erguida naquele mês, e Manuel resolveu que iria pedir para os construtores que estreassem seu produto, na confecção deste monumento. O monumento em questão, que hoje é conhecido mundialmente pela alcunha de "Cristo Redentor", começou a ser feito no final daquele mês, e os primeiros quilos da substância começaram a ser utilizadas com sucesso pelos operários que ali trabalhavam.

Construção do Cristo, com Manuel C. no retângulo vermelho.

Nas proximidades da magnificente construção, vivia um velho cozinheiro que gostava de estudar coisas novas. Muito religioso, se interessou pela construção que estava sendo feita ali, e ao ver os materiais, encontrou a substância amarelada trazida por Manuel e viu que lembrava muito um ingrediente que ele constantemente utilizava em suas receitas. A manteiga. Longe das vistas dos presentes, o cozinhero, conhecido como "Rina", roubou um pouco do produto para examina-lo. Em sua casa, Rina derreteu o produto, afim de descobrir do que era feito, mas não foi um sucesso. Apenas criou o óleo, que hoje serve de base para a produção do refrigerante Dolly.

A criação e ascensão[editar]

Durante um ano, Rina estudou o produto e adicionou alguns ingredientes como gordura de boi, bosta de cavalo, excreções humanas e muitos outros, criando o que hoje conhecemos como MARGARINA. Então, Rina começou a utilizar aquilo em suas receitas para economizar o gasto com a caríssima manteiga. A ideia foi um sucesso. Conquistou todos os clientes com o sabor diferente de suas novas receitas. Com o aumento das vendas, Rina percebeu que poderia ganhar ainda mais dinheiro com a venda daquele produto. Mas para produzir mais daquele produto, ele precisava de mais do ingrediente principal, que é o cimento substituto do Manuel.

Rina foi visitar a residência dos Nóbrega, para falar com Manuel. Explicou tudo o que tinha feito e fez um acordo com ele. Os dois começaram a produzir a falsa-manteiga juntos, agora em uma sociedade. Rendendo muito dinheiro para a dupla, resolveram criar uma fábrica do produto para agilizar a venda e a fabricação do mesmo. Iniciaram no mesmo semestre a construção da fábrica. Mas para poderem vender um produto, precisavam batiza-lo. A ideia de vende-lo como manteiga não iria mais funcionar, pois não ia chamar atenção nas prateleiras. Então com muito esforço, chegaram ao nome que utilizamos até os dias de hoje.


Etimologia[editar]

A etimologia da palavra Margarina, surgiu da seguinte forma:

A junção da palavra "MANUEL"(Nome de um dos criadores do alimento.) com a palavra "RINA" (Outro criador) formou a palavra "MARINA".

Mas como isso é um nome feminino que já existia, eles resolveram chamar o produto de "MARGARINA", mesmo. É inclusive mais gostoso de se pronunciar.

Sucesso de vendas[editar]

A fábrica então, foi criada e o produto foi vendido aos montes, e com o tempo espalhado para o resto do mundo. Inicialmente, foi levado para Portugal, onde não fez muito sucesso, e depois, foi levado para países subdesenvolvidos, onde foi sucesso absoluto e até hoje, faz a economia desses países girar. É, além para fins alimentícios, utilizado para outras coisas em alguns países. Na África, por exemplo, é usado como lubrificante sexual, e na Índia (o país, não a mulher do Índio.) é utilizado para lubrificar as vacas e também como material de construção.

Atualmente[editar]

Atualmente, o produto é conhecido mundialmente, e é baseado na criação de Manuel e Rina. É vendido através de várias marcas, e mata mais de 40% da população mundial todos os dias, empatado com o sistema de falecimento de chineses, do Chaves, como um dos maiores motivos do aumento da mortalidade no mundo.

Controvérsias[editar]

Jaílson Mendes negando a Margarina, por ela não ser saudável como a manteiga, que é UMA DELÍCIA, CARA!

Durante muito tempo, era discutido e afirmado que a Margarina era mais saudável-ável do que a Manteiga, devido aos comerciais de famílias felizes provando essa iguaria e se deliciando. Mas isso foi negado por cientistas, que hoje em dia afirmam que é impossível que a margarina seja mais saudável do que a manteiga, já que as coisas saudáveis são só coisas de rico, como barrinhas de cereais e visitas à nutricionista.

Outro motivo que definiu a manteiga, como a mais saudável é o fato de ela não matar tanta gente como a margarina, e também do fato da manteiga ser extremamente deliciosa e perfeita para se comer de manhã, em um pão quentinho, ou até em uma pipoquinha bem saborosa, ou como um complemento para aquele bacon, ou em um panetone, ou então como complemento em um purê de batatas, ou então em um

Nota: Esta parte do artigo está incompleta pois o autor ficou com fome e resolveu comer.
Nota2: O resto do artigo foi escrito, pois o autor percebeu que só tinha margarina na geladeira.

Fatos sobre a Margarina[editar]

Pode acontecer com você.
  • Não deve ser ingerida por um ser-humano.
  • Mesmo não podendo, as pessoas ingerem mesmo assim.
  • É possível ser utilizada como lubrificante sexual.
  • É mais utilizado como lubrificante sexual, do que os próprios lubrificantes sexuais.
  • É possível utilizar sua embalagem como porta-marmita.
  • É também possível, utilizar sua embalagem para guardar feijão.
  • A sua embalagem também é bastante utilizada como brinquedo.
  • É o ingrediente base para se fazer o refrigerante Dolly, e as esfihas do Habib's.
  • Se encontra em todos os mercados, botecos, padarias, lojas de conveniência do posto e motéis fuleiros.
  • Em Osasco, existe o campeonato de quem come mais margarina em um minuto, todos os anos.
  • Famílias felizes são contratadas para fazer comerciais de margarina, mas na verdade eles comem manteiga.
  • Não embolora como a manteiga e demora 8001 anos para se decompor.
  • Já foram encontrados vários animais exóticos dentro de embalagens de margarina.
  • Os bichos mais comuns de sem encontrar em uma margarina são o rato e a barata.
  • A primeira fábrica de margarina foi feita onde hoje é o Rio de Janeiro.
  • A segunda, e todas as outras, onde hoje é o Acre.
  • Mafagafos odeiam.
  • Mata mais de 8000 40% da população mundial todos os dias.
  • Margarina pode dar onda.
  • Pode ser feita em casa.

Cquote1.png Oba! Vou poder economizar mais ainda, e não precisar nem comprar. Cquote2.png
Você sobre último fato acima.

Receita[editar]

Cquote1.png É possível mesmo, fazer margarina em casa? Cquote2.png
Pobre empolgado com aquele fato ali de cima.

Sim! Mas não é como a margarina industrializada. A margarina que você vai fazer em casa é levemente piorada e diferente, mas de qualquer forma funciona como margarina e pode ser até comida (Na verdade não pode. Mas quem liga?). Para fazer essa margarina é realmente muuuito simples, você vai precisar de um pouquinho de dedicação, calma, habilidade, amor, mais calma, e é claro, dos ingredientes abaixo:

Ingredientes[editar]

  • 500kg de Gordura de boi.
  • Cocô de pomba.
  • Restos mortais.
  • Mais gordura de boi.
  • Duas colheres de chá de Ácido sulfúrico (Não é "chá de ácido sulfúrico", é "colher de chá", ô imbecil.)
  • 7 litros de óleo vegetal.
  • 4 sacos e 1/2 de cimento fresco.
  • Uma colher de sopa de catarro. (A mesma coisa. Não é "sopa de catarro". Não seja burro.)
  • Mais um pouco de gordura de boi.
  • Fezes humanas e outras excreções.
  • Corante amarelo.
  • Gordura trans.
  • Três pelos de gato preto.
  • 100g de Acém moído. (Tem que ser friboi.) (A piada ao lado foi apagada por ser muito sem graça.)
  • Uma xícara. (Isso mesmo, uma xícara.)
  • Dois ovos.
  • 3kg de farofa pronta.
  • Mais gordura de boi.
  • 4 pães de queijo velhos.
  • Sal à gosto.
  • 10g de manteiga.

Cquote1.png Ah, droga! Vai manteiga na receita. Não tenho dinheiro pra isso. Cquote2.png
Pão duro sobre último ingrediente.

Modo de preparo[editar]

  1. Misture tudo no liquidificador, ponha em uma forma, e coloque no forno por oito horas.
  2. Tire do forno e coloque no freezer por mais meia hora.
  3. Tire do freezer e dê para seu cachorro comer.
  4. Espere ele vomitar/defecar aquilo, e coloque novamente em uma forma.
  5. Retorne ao freezer por mais cinco horas.
  6. Retire do freezer e corte em cubos. (Em média dez cubos.)
  7. Faça uma reza brava.
  8. Coloque o que restou da farofa ao lado dos cubos, junto com uma galinha preta.
  9. Faça outra reza brava.
  10. Por fim, pegue uma varinha e diga em voz alta: "Parangaricutirimícuaro, vire uma margarina!".
E está pronto. Rende uma porção para a família toda. Dura o ano todo.


Franguinho da Sadia, rindo do resultado da sua margarina caseira.

A verdade sobre as margarinas[editar]

Segundo os comerciais/propagandas/reclames do plim plim, as margarinas são consumidas por famílias felizes e perfeitas. Isso é um mito. Foi confirmado pelos caçadores de mito que na realidade, as famílias que consomem margarina no café-da-manhã não são nada felizes. Muito longe disso. Elas são na verdade, pobres.

É claro que como esses caras fazem parte de um programa de TV, não dá pra acreditar muito no que eles dizem. Mas que é verdade, é. Ou não.

Bom, o resultado foi esse:

Familia perfeita.png
Familia-margarina.png























O efeito da margarina no corpo[editar]

Bom, não é preciso falar nada. É só assistir ao vídeo pra entender.


Ver também[editar]


Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Margarina no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg