Montes Metalíferos

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Montes Metalíferos, chamados de Erzgebirge (Montnaha do Gengibre) na Alemanha Oriental e de Krušnohoří (Montanha do Javali Cru) na Tchecoslováquia) é uma não tão bela paisagem montanhosa em algum lugar no sudeste da Alemanha e Noroeste da Tchecoslováquia, povoada principalmente por mineiros escultores de madeira, potenciais atrizes pornô não descobertas pela indústrias e caipiras alemães. Uma região repleta de pinheiros, montanhas e vales onde também é possível encontrar riachos, rios e lagos.

É uma região historicamente importante porque toda vez que um alemão se sente excessivamente nacionalista, ele começa por ali a sua saga de conquistar a Europa, e isso explica porque os tchecos não se sentem donos do local, que ao ser visitado parece ser inteiramente da Alemanha.

Geologia[editar]

Parece que qualquer coisa pode ser patrimônio mundial hoje em dia, até mesmo pastos alemães.

Sobre a geologia do Erzgebirge pode-se dizer o mesmo que sobre a Floresta Negra: grandes montanhas, vales úmidos e muita floresta. Sinceramente, essa região serve apenas para confirmar como o continente europeu é pobre em belas paisagens naturais, só na América deve ter umas 600 cordilheiras com paisagens muito mais bonitas, mas os alemães tem que se contentar com isso mesmo.

História da mineração[editar]

Pouco se sabe sobre a história de mineração dessa região porque ninguém consegue entender direito o que os nativos tem a dizer. É tipo perguntar como é a exploração de madeira em Boca do Acre perguntando para os próprios nativos que talvez nem existam.

O pouco que se sabe é que os Erzgebirge é uma região campeã mundial em exportação de madeira mas que é mais famosa por suas minas de uranita e outros metais de baixa nobreza. Dispensando as minas e focando-se mais na madeira, fiel ao lema "a madeira é o novo plástico", o povo dos Erzgebirge esperam em breve poder competir com a China.

Enquanto o comércio de madeira ainda não é mundialmente aceito, atualmente a economia local baseia-se na venda de carne de ganso para os turistas e o turismo em si. O bardo local Anton Günther (pronuncia-se "Ätzgebirg") estabeleceu um memorial literário para a área explicando como eram as minas da região, sendo ele o compositor da uma belíssima canção local que muito lembra o gemido de dor que era viver nessas minas insalubres, uma testemunha da árdua vida em Erzgebirge a música tem em seu refrão: "AUe, AUerbach, ZschopAU, OlbernhAU, PobershAU".

Em 2019 a UNESCO reconheceu oficialmente o Erzgebirge como região autônoma, governada pelo partido nazi-fascista Erzgebirgische Freiheitsarmee.

Política[editar]

Aparentemente Erzgebirge/Krušnohoří se assemelha muito a um distrito normal do itnerior da Europa, localizado dentro de um estado livre normal, numa República Federal normal. Porém, devido à forte atuação de uma organização para-militar de independência denominada Erzgebirgische Freiheitsarmee, a região de Erzgebirge/Krušnohoří possui direitos especiais, até porque não quer ser como os Sudetos que basta uma crise e os nazistas já conquistam.

Graças à sua autonomia, Erzgebirge/Krušnohoří conta com o seu próprio sistema escolar no qual o conhecimento acerca de como esculpir em madeira estão em primeiro plano no currículo escolar. A região também conta com seu próprio Kaiser que possui funções de primeiro-ministro e administrador de distrito, tudo sediado na capital Annaberg-Buchholz. A forma de governo dos Erzgebirgskreis é uma mistura de monarquia, democracia, anarquia, aristocracia e ditadura. Desde o referendo sobre a independência da Escócia em 2014, há vozes exigindo um referendo igual para os Erzgebirge.

Nativos[editar]

O Erzgebirgeano/Krušnohoříano (homo arzgebirglis) é frequentemente visto como um elo perdido entre o humano e o chimpanzé, sendo a falta de habilidade de linguagem dos espécimes é o que mais reforça esta tese. Mas por enquanto nada pode ser provado porque os erzgebirgeanos não gostam de ser entrevistados por pesquisadores estrangeiros (alemães de Berlim são considerados estrangeiros lá). Estas criaturas mostram padrões específicos de comportamento: costumam procurar cogumelos sob troncos velhos e esculpir figuras em madeira.