NBA All-Star Weekend

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Cquote1.svg Isso sim é basquete! Cquote2.svg
Comentarista da ESPN sobre Carmelo Anthony enterrando com os olhos vendados enquanto fuma um cigarro com a outra mão

O All-Star Weekend é uma festinha organizada pela NBA com o único objetivo de esvaziar os bolsos de espectadores americanos daqueles inúteis bilhetes de papel colorido, desprovidos de valor direto intrínseco, comumente denominados dólares.

É um dos eventos esportivos mais populares nos Estados Unidos, ao lado do Super Bowl, das eleições presidenciais, dos massacres escolares e da busca de armas químicas nos países do Oriente Médio. É jogado todos os anos em fevereiro, ou, alternativamente, quando Shaquille O'Neal está disponível para participar e é necessário reforçar as tabelas com titânio para que ele não as quebre.

Eventos[editar]

O All-Star Weekend é composto por uma grande variedade de eventos, exibições e performances. Vamos vê-los em detalhes:

Sexta-Feira[editar]

A vida dos rookies é repleta de abusos.

Rising Stars Challenge[editar]

Comparado com os outros dias, a sexta-feira tem bem menos movimento. Isso se deve ao fato de que a maior parte da audiência nesse dia é composta por crianças, aposentados e grupos fracos de turistas que chegam de ônibus de lugares inóspitos, como o Canadá.

Portanto, se excluirmos o jogo das celebridades e o concurso tradicional entre comedores de hambúrgueres (com o vencedor sendo chamado para cantar "God Bless America" sem sequer tempo para tomar um ENO Guaraná), o único evento que importa é o Rising Stars Challenge, uma partida entre rookies (jogadores no primeiro ano) e sophomores (jogadores de segundo ano). Com a invasão estrangeira que tem acontecido na NBA nos últimos tempos, o jogo passou a ser entre um time de americanos contra outro de imigrantes, que caso percam terão seus vistos de permanência negados e serão obrigados a voltarem pra casa em containers. A partida, tecnicamente bem fraca, acabou-se tornando um festival do bullying, em que os pobres novatos são provocados, espancados, submetidos a cuecões e têm seus lanches roubados por mais de quarenta minutos.

No final da partida, apenas para traumatizá-lo de forma indelével, o melhor novato é vestido como um recém - nascido e forçado a engolir uma mamadeira gigante de leite.

Sábado[editar]

NBA Skills Challenge[editar]

"Eu sempre quis ter um astrolábio!"

O sábado começa com o NBA Skills Challenge. Um evento que vê os jogadores enfrentar um caminho cronometrado fazendo bandejas, chutes de 3 pontos, passes, etc. Tão interessante quanto ouvir um sermão do Edir Macedo. De fato, durante esta apresentação, os espectadores aproveitam a oportunidade para ir ao banheiro.

NBA Three-point Shootout[editar]

O NBA Three-point Shootout é uma competição em que os especialistas no arremesso de 3 pontos batalham uns contra os outros. Os participantes têm um minuto para marcar o maior número possível de cestas. Alternativamente, eles podem xingar as minorias étnicas presentes nas arquibancadas. O vencedor é designado com base no número de cestas feitas e processos movidos pelos espectadores.

O recorde atual pertence a Stephen Curry, do Golden Modinha Warriors, que em 14 de fevereiro de 2015 marcou 52 pontos em 30 tentativas. Em 2018, Paul George resolveu inovar arremessando tijolos ao invés de bolas. A iniciativa foi boa e a ideia bem original, mas infelizmente ele acabou pagando o preço não fazendo nenhum ponto.

NBA Slam Dunk Contest[editar]

Boa enterrada, mas se tivesse feito-a enquanto pilotava uma Harley-Davidson teria marcado mais 30 pontos.

O Slam Dunk Contest, competição de enterradas em PT/BR, é um dos destaques do All-Star Weekend.

Na NBA todos sabem enterrar, até cães, porcos e galinhas. Mas uma vez que você não pode ter 250 concorrentes, os participantes do concurso Slam Dunk são apenas quatro: três jogadores da NBA e um convidado de honra com habilidades físicas reduzidas (Danny DeVito, Stephen Hawking, Herbert Viana) inserido no quarteto apenas para destacar a habilidade dos outros.

Quanto mais a enterrada é bizarra, perigosa e irrealizável em um jogo real, mais pontos você obtém:

Pontos de bônus

  • Mande um salve pra amigos e parentes durante o salto: +2
  • Use perucas, capas, óculos de sol ou outras coisas que constituam um obstáculo na execução: +5
  • Enterre com as mãos e os pés: +20
  • Com a cabeça: +30
  • De bicicleta: +50
  • Erre a cesta da tabela: +100 e 50% de desconto no seu salário por ter que pagar a reparação da tabela

Pontos de penalização

  • Ter pele clara: -2
  • Não faça uma cesta: -20
  • Bata o rosto contra o ferro: -50 pontos na competição e +20 pontos na cabeça

Muitos são os jogadores que deram espetáculo nessa grande palhaçada:

  • Em 1989, Michael Jordan salta da linha de lance livre, e auxiliado por um enorme peido (que ecoou por 3 dias seguidos no ginásio) esmaga a cesta com ênfase. Os poucos juízes que tiveram o cuidado de usar máscaras de gás atribuem a pontuação máxima.
  • Em 1992, Dominique Wilkins enterrou com os pés.
  • Quinze anos depois, LeBron James responde usando seu pênis.
  • Em 2000, Vince Carter aparentemente salta sem uma bola, mas no ar, para a grande surpresa do público, ele a extrai do esfíncter e enterra.
  • Em 2006, Gerald Green enterra a bola soprando a única vela no bolo de aniversário da filha, colocado na cesta, evitando que a menina realize o desejo pedido.
  • Em 2008, Dwight Howard, vestido como Superman, pega uma mulher que saltou de cima da tabela e depois a enterra.
  • Em 2011, Blake Griffin levantou seu colega Chris Paul e o jogou na cesta em vez da bola.
  • Em 2013, Nate Robinson, o jogador com a altura de um abajur, passa a bola entre as pernas 666 vezes antes de enterrar, fazendo também uma volta de 666° em si mesmo (Nate é conhecido por suas crenças excêntricas).
  • Em 2020, Aaron Gordon pulou sobre um turista desavisado da cidade de Brobdingnag que estava de passagem por Chicago e adentrou o único estabelecimento que conseguiu: um ginásio de basquete. Infelizmente, nem isso foi suficiente para convencer todos os juízes a lhe darem uma nota 10.

Domingo[editar]

NBA All-Star Game[editar]

O histórico All-Star Game de 1998, que contou com várias presenças ilustres como Bill Murray e Pernalonga

Depois da limpeza de lixo, pacotes de comida e cadáveres de espectadores mortos com a alta taxa de gordura saturada presente nos lanches vendidos, o ginásio está pronto para receber o ato final deste show de horrores: o All-Star Game, um evento em que todos os jogadores tem um salário anual de mais de 50 milhões de dólares e poderiam muito bem acabar com a fome no mundo caso doassem todo o seu patrimônio para a caridade.

Eles, de acordo com o seu clube de filiação, são divididos entre a Conferência Oeste e da Conferência Leste. A seleção é confiada tanto aos fãs como a um treinador profissional. Os fãs, que votam no site da NBA, decidem as listas, os quintetos básicos, as táticas a serem adotadas, as substituições, as comemorações que os jogadores devem realizar após cada cesta e também o resultado final. O treinador, por outro lado, decide a cor da gravata. Enquanto estiver quente. Foi assim por muitos anos, mas como a Conferência Ocidental sempre deu um pau na Conferência Leste, a NBA foi obrigada a mudar o sistema de escolha pra ficar igual a uma pelada: dois capitães escolhem alternadamente um jogador para seu time e no final saem na porrada pra decidir quem (não) vai ficar com o pior.

No final da partida, o melhor jogador recebe o título de Presidente dos Estados Unidos. Sim, foi assim que George W. Bush chegou a Casa Branca. O melhor desempenho de todos os tempos em um jogo All-Star pertence a Wilt Chamberlain, que em 1962 anotou 42 pontos, 26 rebotes e 15 assistências, aos quais ele acrescentou 13 mulheres impregnadas durante o intervalo. Exames médicos mais detalhados revelaram mais tarde que uma das mulheres era na verdade Dan Peterson, mas o registro de Chamberlain ainda estava validado.

Eventos excluídos[editar]

De 2004 a 2015, o show ganhava vida nos sábados com o NBA Shooting Stars Competition (nada ver com o meme), uma fascinante competição de arremessos que viam dois times de jogadores e celebridades misturados se enfrentarem, por exemplo:

Entre 1984 e 1993, era realizado o Legends Classic, uma partida entre grandes jogadores velhos e acabados. Foi cancelado em 1994 devido à alta taxa de lesões no joelho que os jogadores relataram quando se inclinaram para amarrar seus sapatos.