Negrinho do Pastoreio

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Cquote1.png Você quis dizer: Afro-descendentinho do Pastoreiro? Cquote2.png
Google sobre Negrinho do Pastoreio
Cquote1.png Experimente também: Saci Pererê Cquote2.png
Sugestão do Google para Negrinho do Pastoreio

Apresentação[editar]

O Negrinho do Pastoreiro e seu o Cavalo de seu senhor

O Negrinho do Pastoreiro foi uma lenda criada (provavelmente) pelos escravos da Região Sul do Brasil, afim de pensarem que Deus estivesse do lado deles em todos os momentos de sua vida, nem que seja na hora da morte, além disso, ainda servia de consolo para as perguntas das crianças mais pequenas, que sempre perguntavam o porquê deles terem a vida desgraçada que tinham, sendo que a lenda era tratada como uma resposta, apesar de não ser (ou não). É uma das poucas lendas protagonizadas por um negro escravocrata (até as lendas são preconceituosas, como pode ser observada) e que o personagem principal não tem alguma deficiência estética, seja ela pela falta de um membro ou, simplesmente, por ser feio e assustador.

NewBouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Negrinho do Pastoreio.

A Lenda[editar]

Se eu não soubesse que era o Negrinho do Pestoreiro, poderia jurar que fosse São Jorge

O Negrinho do Pastoreiro (sim, ele não tinha nenhum nome além desse) era um meninozinho negro (ORLY? como tu descobriu isso?) que teve a mesma sorte de todo negro que viveu no Brasil durante o período da Colonização, ou seja, era pobre e escravo. Vivia em uma fazendo nos interiores do Rio Grande do Sul, governada por um Coronel muito dos seus filho da puta, que gostava de judiar e muito do pobrezinho, muitos dizem até ele o molestava, mas nada está confirmado, só se sabe que ele sofria muito.

Um dos trabalhos forçados que Negrinho tinha que fazer era vigiar os cavalos de seu patrão, levando-os para passear pastar entre os Pampas Gaúchos. Entre os mais valiosos cavalos que Negrinho obrigatoriamente pastoreava todo o santo dia, encontrava-se um lindo corcel branco e que nem mesmo o seu dono conseguia domar. Esse cavalo era o preferido do Fazendeiro da semana por ser o seu mais "Puro Sangue" que tinha, sendo que ele o valoriza mais do que até mesmo a tua mãe (se bem que ela não vale nada mesmo, mas fazer o quê?), ou qualquer outro animal raro que tivesse em sua Fazenda.

Cquote1.png Vai procurar o meu cavalo, porra! Cquote2.png
Fazendeiro sobre Negrinho do Pastoreiro ter perdido o seu corcel branco

Sempre que seu escravo saia para pastorear os potros, Negrinho tinha que escutar o sermão de seu dono, para que vigiasse todos os cavalos, principalmente o corcel branco. Já cansado de sempre ouvir a mesma ladainha, ele só concordava com a cabeça e ia embora como sempre, retornando só a tarde. Porém, em um infortúnio dia, Negrinho resolveu puxar um ronco durante o seu trabalho, pois tinha ficado até tarde assistindo BBB, o que o deixou exausto. Só acordou com o barulho de trovoadas, que ele nem sequer tinha percebido que nuvens de chuva tinham se aproximado do local onde ele estava.

O barulho afugentou todos os cavalos e, um por um, Negrinho tinha que laçar e colocá-los em ordem. Na hora de voltar para casa, ele resolveu contar se todos estavam reunidos, só que ele percebeu que um estava faltando e (por coincidência, ou puro azar) o que faltava era exatamente o corcel branco. Desesperado, ele saiu em busca do cavalo, mas não o encontrou, voltando para a Fazenda. Na hora em que chegou, a primeira coisa que o Fazendeiro viu quando se aproximava foi a ausencia de seu mais precioso cavalo. Negrinho diz o que aconteceu, mas isso não justifica em nada o seu erro e vai parar no tronco de seu senhor (ui).

Ele tá até bem alegre pra quem tá em cima de um formigueiro

No dia seguinte, ele é acordado bem cedo para sair em busca do cavalo branco, sendo que se não voltasse, o castigo seria pior do que as mais de oito mil chibatadas que tinha levado na noite anterior. Durante o seu percurso, Negrinho avista o cavalo, mas é impossível de laçá-lo por causa da sua agilidade e, mais uma vez, o sofrótico menino volta para a Fazenda. Ao ver que ele não havia voltado com seu animal, o Coronel perde o controle e o castiga da pior forma possível, jogando Negrinho em cima de um formigueiro, sendo que as formigas morderam tanto o pobre rapaz que ele ficou se sentindo como um toco cru pegando fogo, morrendo logo em seguida.

No dia seguinte, o coronel vai ao local onde o menino estaria já cadáver e tem uma visão inacreditável, que causava medo até mesmo em Regina Duarte. Negrinho do Pastoreiro estava vivo, montado no Corcel Branco e, do lado dele, estava Nossa Senhora, toda de branco e com uma cara de OWNED para o Fazendeiro. Nesse mesmo momento, ele pede desculpas pelo que fez e promete nunca mais jogar ninguém em um formigueiro a não ser que mereça.

Hoje, Negrinho do Pastoreiro é visto até mesmo como o próprio São Longuinho, aquela pessoa que nos ajuda a encontrar algo quando perdemos em troca de três pulinhos, sem falar também que é um grande colaborador contra a causa escravocrata bem antes dos Abolicionistas da Era da Conjuração Baiana, pois ele punia os Fazendeiros que faziam mal aos escravos Putz, então ele tinha um trabalho dos carambas. Até hoje, muita gente que anda pelos Pampas Gauchos, fazendo sabe-se lá o que no meio do mato, dizem ver um menino negro, montado em um corcel branco, cavalgando por aquelas bandas (medo!).

Ver também[editar]

Esse "Ver também" foi o mais preconceituoso que eu já ví! ¬¬