O Bebê de Rosemary

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Night creature.JPG O Bebê de Rosemary surgiu das trevas!!

Vamos mergulhar o mundo nas trevas!!

Puro osso.gif

Cquote1.png Satã! Satã! Satã! Cquote2.png
Bebê de Rosemary vendo seu episódio preferido de Dragon Ball.

O Bebê de Rosemary, antes de engatinhar já fazia louvores e ia nas igrejas ajudar a expulsar e arrecadar fundos para igrejas e, inclusive manipular guiar os fiéis e lhes fazer a cabeça encontrar a alumiação, muito, mas bem mais cedo do que a Menina Pastora Louca. Mas claro antes desses feitos todos, ele precisou nascer, pra isso ele já tinha um papai que destilava perfume de enxofre, mas ainda não tinha uma mãe para entrar no mundo e teria que ser pela viazinha normal, igual a todo mundo. É então que essa história começa e, pior ainda: Dá início a um ciclo de nenês estranhos, mas essa parte ficará para o final.

Início[editar]

Rosemary perguntando ao marido porque seu aparelhinho de pompoarismo estava em um altar cheio de velas pretas e vermelhas.

Rosemary era uma mocinha meiga (não é biba não, seu tonto, é uma moça mesmo), que foi apaixonada por um devotíssimo religioso, que a convenceu a se casar com ele, após muitas florezinhas (mandrágoras mais precisamente), xavecos e beijinhos. Mal ela sabia de quem ele era devoto, pois era um cara bem normal, com apenas o diferencial que só lhe dava mandrágoras e não outras flores, mas isso não a fazia desconfiar pois estava (aaaaiiii) apaixonadinha e cheia de amor pra dar pro cara, assim aceitou casar.

Ele não tinha nada de estranho, isso do início ao fim e, a tratatva bem, apesar de gostar de usar pantufa cor de rosa, mas isso, infelizmente tem imbecil com gosto esdrúxulo pra tudo. Além disso, ela nunca viu, da parte dele, nenhum interesse por macho e, quando pegava o malandro olhando para os lados, era sempre para outras bocetinhas, assim, esse gosto por pantufa e, ainda por cima cor de rosa, não foi nada que a fizesse deixar de gostar de todo o restante.

Inclusive, Rosemary gostava dele também em sua performance sexual, que incluía strip-tease girando as cueca ao som de Straus para que ela apreciasse, depois não deixava nada a desejar nos amassos, chupadas e etc. DEsta forma Rosemary gostava do cara em todos os sentidos... Mas foi justamente em uma noite que ele pareceu dar uma com ela antes dela acordar totalmente, porque havia tomado sonífero visto uns programas de auditório e, ela mal acordou, foi uma rapidinha, que nem era muito do feitiu dele e terminou logo. Assim Rosemary estranhou e perguntou a ele, mas seu esposo deu uma de morto pra comer a Rosemary novamente. Ela estava meio dormindo na primeira e rápida meteção, mas lembrou que teve um pesadelo com uns olhos maravilhosos e encandores, que pareciam os olhos do

Depois desse incidente, Rosemary, passou a ser visitada por um casal de velhos caquéticos, que viviam a lhe oferecer umas comidas bem estranhas, piores do que as de USA (fora Pringles que é ótimo), e ela enjoava apenas em sentir o gosto daquela coisa, e até que mandou, sem querer uma gorfada daquelas na cara de velhinha, assim que ela viu a velhinha estendendo uma gosma e sorrindo pra ela de modo arreganhado, depois se desculpando, ouviu apenas um Não há problema, querida e, a véia sugerindo que ela estivesse grávida, ou seja, os veíos eram da macumba pesada porque já sabiam antes dela mesma. Estando mesmo prenhe, Rosemary passou a ter mais ainda a visita dos velhos, que praticamente a obrigavam a comer, com um colherão e seu marido dizia para ela aceitar que ia fazer-lhe bem à saúde. E deveras aquela porcaria, começou a fazer bem pra ela, porém Rosemary ao invés de engordar, como acontece com toda mulher ao ficar grávida, ela emagreceu até ficar quase igual a uma anoréxica, e isso porque antes ela já era bem fraquinha, mas até o bebê nascer ela ainda estava bem pegável :D Énnn, cóf, cóf... Continuando, sem taradice, Rosemary teve toda a sua gravidez vigiada demais para o seu gosto e, como sua família estava longe, nem pode muito contar com ninguém, além disso, eles preferiam acreditar no marido dela, que tinha uma lábia fenomenal.

O satãzinho bebê[editar]

Rosemary foi dar à luz finalmente depois de muita encheção de saco, de gente se metendo na vida dela, daí a coisa toda piorou, mentiram pra Rosemary, que o nenê havia nascido morto, mas ela lembrou dele dando piruetas dentro de seu estomago um pouco antes de nascer e lembrou bem de ter ouvido seu choro, que era um misto de ganido com barulho de gato se acasalando, mas era um choro e estava bem pertinho dela, após o parto. Todo mundo a convenceu de que aquilo era psicológico e vontade de ver o filhotinho vivo, cagando, mijando e mamando, saudavelmente igual a todos, mas infelizmente ele sim, havia morrido.

Depois disso, os pitinhos de Rosemary estavam igual a melões cheinhos de leite e alguém sempre ia colher um pouco, e diziam que isso fazia bem, achavam ela muito da imbecil mesmo, apenas porque ela tinha cara de boazinha, mas ela começou a desconfiar, inclusive porque escutava o mesmo som de ganido misturado com gato se acasalando que ouvira ao dar à luz, quase desmaiando, mas lembrava...