Os Under-Undergrounds

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Holyavenger.jpg

Made in Nihon Brasil! ó.ò

Este é um artigo kawaii com tecnorogia japonesa brasileira x** !!
Para os otakus isso é melhor que a realidade T^T
Mas se vandalizar, vão fazer a Genki Dama em você _o\

Este artigo pode (ou não) apresentar texto escrito em japonês. Se você só estiver vendo ��� ou algo similar, ajoelhe-se e agradeça AGORA a Jeremias pela inabilidade de seu computador exibir esses desenhos de tatuagem feiosos e tão incompreensíveis (coitadinhos!).

Bernardinho nervoso jpg.jpg Please STOP the music!

Este artigo trata de cantores, bandas ou músicas cantadas muito, mas MUITO mal.


Os Under-Undergrounds
Que os deuses do rock salvem nossos ouvidos.

Que os deuses do rock salvem nossos ouvidos.
Formato/Género Animação, Aventura, Comédia, Musical, Drama, Romance, Furry. Hentai
Duração 13 min
Criado por Hugo Eiichiro Oda
Diretor(es) {{{diretor}}}
Produtor(es) {{{produtor}}}
Apresentador(es) {{{apresentador}}}
Elenco Um humano e a liga dos mutantes

Narrador {{{narrador}}}
Tema de abertura Musical com cenas que remetem a depressão de uma vida adolescente
Tema de encerramento Também musical (só que com créditos e imagens chibi dos personagens)
País Bandeira do Brasil Brasil
Rede de televisão Nickelodeonlogo.jpg Nickelodeon, TV Cultura e Netflix
Formato de Exibição {{{formato_exibição}}}
Idioma {{{idioma}}}
Transmissão original {{{p_transmissão}}}
– presente
Qt. de temporadas 2 (até o presente momento)
N. de episódios 52 e contando
[{{{website}}} Página oficial]
IMDb
TV.com


Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: Undertale? Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de Os Under-Undergrounds
Cquote1.svg Você quis dizer: Sonic Underground? Cquote2.svg
Google sobre Os Under-Undergrounds
Cquote1.svg Você quis dizer: Grojband? Cquote2.svg
Google sobre Os Under-Undergrounds
Cquote1.svg É coisa de alienígena Cquote2.svg
Giorgio A. Tsoukalos sobre o subsolo
Cquote1.svg Essa dublagem é uma merda, prefiro a original Cquote2.svg
Poser sobre Os Under-Underground
Cquote1.svg Bomba! A Terra não é plana, mas sim oca! Cquote2.svg
Cientista sobre Os Under-Undergrounds
Cquote1.svg Manda nudes Cquote2.svg
Qualquer virjão sobre Layla
Cquote1.svg Se você quer que a série tenha uma fanbase doentia na internet, crie memes Cquote2.svg
Conselho de Pai Mei sobre Os Under-Undergrounds
Cquote1.svg Não, tem que criar teorias Cquote2.svg
Nerd sobre o comentário acima

Os Under-Undergrounds é um banime criado por Hugo Oda (quem?) que estreou no canal Nickelodeon, depois foi rebaixado para a TV Cultura e em seguida mais rebaixada ainda ao ser exibida na Netflix. Seus criadores decidiram utilizar nomes gringos em quase tudo, afim de disfarçar a nacionalidade HUE-BR para atrair mais audiência, mas a muito esperta Nick fez questão de dizer que desenho é das Terras Tupiniquins, o que diminuiu drasticamente o hype de muita gente que nem quis ver a estreia dessa joça. E se você torceu o nariz porque o desenho é brasileiro, saiba que deveria torcer mais ainda pelo fato de ser mais um desenho musical (felizmente passando longe de ser categorizado como séries de colegiais musicais e bandas emos... mas por muito pouco mesmo).

Sobre a animação[editar]

O conceito dos Under-Undergrounds é basicamente uma banda de garagem composta por três (ou quatro) adolescentes humanoides mutantes e mais um humano qualquer que caiu de paraquedas (embora sem o paraquedas e ainda assim saiu ileso do tombo) na garagem onde essas aberrações costumam irritar os vizinhos ensaiar. A série tenta ser um anime americano com todos os clichês para agradar o público infanto-juvenil/pré-aborrecentes, embora apostando muito mais em draminhas amorosos de jovens rebeldes incompreendidos pela sociedade do que da porradaria clássica, o que já explica o seu fracasso comercial, afinal se não tiver pancadaria as chances de sucesso são quase nulas. O máximo que você encontrará referente a isto são briguinhas entre adolescentes metidos a macho alfa pra ver quem vai ficar com a mina no final (no pior estilo Malhação).

Os Under-Undergrounds quando não tem nada pra fazer, e isso acontece todo o dia.

O desenho também é cheio de cópias referências a memes e piadas velhas da internet, tanto gringas quanto brasileiras (algumas boas decentes, como PEDE PRA SAIR! e outras péssimas como citação ao Neymar), sem falar da enxurrada de cameos com astros do Rock'n Roll que vão desde o integrante sósia dos Beatles até o Rei do Rock (segundo o desenho nenhum deles morreram, apenas estão morando no mundo pós-esgotos brasileiros).

Além disso, a animação também plageia faz homenagem a outras obras da década de 90 (perceptível pela semelhança estúpida com Sonic Underground, tanto em roteiro feito com a bunda quanto em músicas horríveis) e algumas do Século XXI, já que vão dizer que a história é um xerox descarado de Undertale (já percebeu que todos tem Under no nome?), mas se você for cavar mais fundo verá que o episódio piloto do desenho em algum lugar no YouTube foi lançado em janeiro de 2014 enquanto que o Undertale é de setembro de 2015, ou sejê, Toby Fox foi quem copiou os HueHueHue-BrBr!!!

Cquote1.svg Maldito artigo destruidor de infâncias!! Cquote2.svg
Fandom de Undertale sobre revelação acima

História[editar]

Como qualquer péssima série animada baseada em animes, a história dessa joça é dividida em temporadas/arcos/sagas/partes, então seguiremos esse mesmo método de Jack, o Estripador para explicar essa bagaça:

1ª Temporada: O Começo (dã!)[editar]

Tudo começa acompanhando a vida nada interessante um adolescente guitarrista depressivo chamado Heitor Villa-Lobos, que foi expulso de seu emprego: um estúpido trabalho de meio período na Patrulha Canina (vale lembrar resumidamente que é um desenho de bosta infantil que passa na TV Cultura além da Nickelodeon), sendo deportado por Donald Trump porque tinha uma identidade falsa com o nome de Ryder, e nisso é forçado a ter que voltar ao Brasil. Após isso Heitor só pôde arrumar emprego como lixeiro ou fazer parte de uma bandinha genérica a la Restart. Com olho grande na fama e sucesso, não deu outra para nosso cidadão: acabou sendo expulso da tal banda por ter orelhas foras do padrão de uma sociedade perfeita e de quebra teve seu cargo substituído pela biscate do Justin Biba. Então distraído e desiludido com a vida, Heitor acidentalmente tenta suicídio se atirando em um bueiro no meio da calçada, e vai direto para o Inferno mundo subterrâneo do Underground (a rede de esgoto de São Paulo nega o envolvimento de translação com o submundo, afirmando que seus esgotos não são limpos e iluminados como esse em que o Heitor caiu).

A banda depois de ter estourado os tímpanos de uma galera

Enquanto Heitor está caindo para a morte, uma banda de garagem desse tal submundo composta por seres meio-humanoides-meio-monstros estão discutindo sobre como eles são péssimos músicos e precisam de um guitarrista para saírem dessa foça (que ironicamente é onde este mundo se localiza). Dai eles resolvem rezar para que Deus Metal lhes mande um guitarrista cair do céu, e nisso nosso menino Neymar Heitor cai bem na frente deles de forma muito conveniente (roteiro original é para os fracos). Ele faz amizades com essa galera esquisita formada por Layla Bach (uma tsundere tecladista que mais parece uma cruza da Mantis com uma cavalariana), Bob Starkey (um ciclope obeso baterista) e Lud Waters (um baixista maconheiro que ficou azul de tanto frequentar a crackolândia), que se auto intitulam como Os Under-Undergrounds (sim, sabemos que é um nome tosco). Assim ele entra para banda e começa a embarcar em várias aventuras bizarras.

Nessa temporada só acontece o previsível: o protagonista ajuda a tal bandinha de garagem a ficar popular, tentando de quebra arrumar uma forma de voltar para casa, enquanto vive fugindo e se escondendo de uma agência MIB, integrada por Lester Powall (um pseuo-canarinho que ganha a vida como carcereiro crítico musical) e Ozzi Marshell (literalmente o diabo em pessoa). No decorrer dessa suruba acontecem uns "momentos RBD" com toda sorte de putarias adolescentes, como rivalidade entre coleguinhas, bullying na escola, namoricos vergonhosos e até a entrada de um novo membro pra banda: James Cash (um reptiliano que toma o pódio de guitarrista solo, recanteando o coitado do Heitor a se contentar com a base). A coisa fica cabreira mesmo quando eles decidem participar de um concurso de bandas, já que se vencessem poderiam falar com um tal grunge drogadeiro famoso que sabia como mandar o Heitor e volta pra superfície. O óbvio acontece, eles se metem em mais putaria, sendo que no final o Heitor finalmente consegue voltar pra casa, onde poderia continuar com sua antiga vidinha depressiva e infeliz... ou não.

PS: Vale lembrar que isso é uma história de ficção, já que qualquer brasileiro que acabasse parando em um mundo esquisito cheio de pessoas mutantes com certeza iria preferir ficar por lá do que voltar pra cá... Mas isso já é assunto para o próximo tópico.

2ª Temporada: De volta ao Underground[editar]

É aqui que a série adota todos os clichês sem-graças de um slice of life, com direito até a "disputa por macho".

Essa temporada já começa com os delírios do Heitor depois de ter cheirado todas durante seu isolamento social. Nisso ele acorda e percebe que foi enviado de volta pro Underground por um tal de Galileu Fígaro Neto, um cientista maluco que até tentou ajuda-lo a voltar pra Terra, mas que se vendeu para a agência do Ozzi depois que ele soube lá de uma tal profecia e que os Under-Undergrounds tavam precisando do Heitor, já que sem ele a banda tinha voltado ao fundo do poço (lê-se: poder o protagonismo). Assim Heitor volta pra esse mundo meta-humano e para a banda, dando início a uma nova leva de aventuras aborrecentes e repetição das músicas degeneradas da temporada passada (pois é, nem tiveram saco pra fazer novas canções, então prepare-se para um replay da lista anterior).

Diferente da primeira temporada, aqui a série vira completamente uma novela Malhação da vida, já que mais da metade dos epísódios só mostra trairagem de produtor executivo tentando passar a perna na banda; ascensão, queda e retorno do único casalzinho dessa bagaça Laytor (ou Heila, ou Heityla... enfim, o drama do Heitor com a Layla que a fandom essa joça tanto shippa); o triangulos dodecaedro amoroso de James, Lud e Bob com a Cindy (uma garota nova que além de furry também é lésbica, se bem que tal afirmação é redundante); show no Live AID; troca de trisal; viadagem para menores... Mas história que é bom mesmo, NADA!

Já pro final, a Cindy mete o fucinho onde não é chamada e acaba indo parar na superfície, onde é capturada pelos homens de Preto da Terra, e o Fígaro Neto descobre que a profecia estava errada era uma merda sem fundamento. Em meio a essa muvuca, o chefe da agência do Underground e a chefe da agência da Terra descobre que o Heitor e a Layla tâo querendo fazer um tchu plac tchu plin no ratiofly antes do casamento, e sendo eles pessoas que preza pelos bons costumes, consideram que a banda dos Under-Undergrounds são uma ameaça a família tradicional. Assim começa uma caça a banda, sendo que pra se safarem Ozzi e Lester conseguem mandar a Heitor e toda a banda pra superfície antes de serem dissecados.

O que aconteceu depois? Até hoje ninguém liga sabe...

Personagens principais[editar]

Heitor Villa-Lobos[editar]

Heitor dando uma de Marty McFly para conquistar as garotas gostosas menos feias do colégio.

Cquote1.svg Você quis dizer: Scott Pilgrim Cquote2.svg
Google sobre Heitor
É o típico protagonista genérico de séries animadas (com direito a visual idiota, narração em primeira pessoa e todo o pacote que compõem esse tipo de clichê). Tem 15 anos e como já foi dito lá em cima, é guitarrista e cantor da tal banda. Sua aparência está mais para uma amalgama do Cebolinha versão Turma da Mônica Jovem com a cabeleleira do Sonic, com destaque a suas orelhas enormes que todo mundo faz questão de zoar (mesmo que todos os personagens tenham as mesma orelhas na mesma proporção desse sujeito... animação pré-renderizada é foda). Com um bom protagonista de série infanto-juvenil, Heitor se faz de idiota pro desenho parecer engraçado e paga de destemido quando lhe é conveniente, ou seja, não passa de um babaca (embarcando na mesma vibe de personagens estúpidos como Ash Ketchum e Seiya de Pégaso). A única coisa realmente relevante sobre ele em toda trama são suas inúmeras tentativas de querer voltar pra casa e não conseguir (como foi que nenhum desenho teve essa ideia até hoje?).

Layla Bitch Bach[editar]

Layla não usa roupas apelativas. Mas sabe fazer pose sexy.

Líder da banda, tecladista, hentai girl, emo e cantora. Segundo a Wikipédia, tem pele rosa (mas para daltônicos como você parece que é roxa), além de um par de antenas para fazer contato com pessoas estranhas. Ela é a prova viva de que existem cavalarianas Namekuseijins fêmeas. É basicamente o esteriótipo daquela garotinha bonitinha que secretamente quer dar para o protagonista, sem falar que tem transtorno de bipolaridade, fazendo dela uma tsundere para os otakus (pois é! Brazucas buscando cada vez mais orientalizar suas personagens). Layla também é a mais bem desenhada da série na tentativa de ser a primeira waifu brasileira, coisa que a Mônica até hoje não conseguiu em sua série para indivíduos na puberdade. Sua simples presença como única figura feminina entre o núcleo-principal que arrasta asa para um protagonista masculino humano, já a classifica como uma magical girlfriend (para a alegria dos otakus descabaçadores de plantão).

Robert "Bob" Starkey[editar]

Pensou em Homer Simpson? É eu também.

Um ciclope amarelo, baterista, gordo esteriotipado e o personagem mais aleatório da banda. Bob sempre foi filhinho-da-mamãe, por isso o sujeito não consegue namorada (provavelmente será o último descendente de sua linhagem) e desconta suas frustrações amorosas comendo pra caralho (razão porquê é tão gordo). Assim como todos os bateristas, está sempre atrás de todos os personagens por isso sua importância é minima.

Ludwig "Lud" Waters[editar]

Lud demonstrando sua relação com a mãe-natureza

Um humanoide meio coala maconheiro hippie que é baixista da banda (sim! sua relevância fica só por isso). Lud é um cara boa-vida, (quase) popular e que banca o amigão da vizinhança, mas também não nega suas origens baianas (lê-se: Preguiçoso). Até hoje não se sabe o que esconde por detrás daquela franja que cobre praticamente toda a sua cara, mas existem teorias (sim, já fazem teorias dessa bagaça) que ele esconde seu verdadeiro poder em seu olho esquerdo, o qual só será revelado caso Heitor escolha matar todos seus amigos fazendo o caminho genocida.

James Crush Cash[editar]

Um reptiliano punk que é o outro guitarrista da banda pra dar aquele grau de rivalidade com o personagem principal. James inicialmente tinha pele verde mas os hormônios da puberdade fizeram com que ficasse vermelho eternamente. Entrou pros Under-Undergrounds depois que sua antiga banda se desfez (lê-se: falência) e porque o Heitor está começando a brochar na guitarra. É o menos relevante de todo o núcleo principal, e a única coisa importante sobre esse fedelho é o fato dele ser filho de um agente federal do governo que trabalha pro capiroto.

Coadjuvantes para fazer o enredo andar[editar]

Britney Spears Duhamel[editar]

Uma patricinha metida a besta que é maior rival de Layla. Basicamente uma loira meio peixe de pele azul-claro (que se acha) bonita, charmosa e atraente... se levarmos em conta o mal gosto dos seres desse outro mundo, talvez ela seja tudo isso mesmo. Também é a líder de grupinho de patys incompetentes, composta por ela e suas amigas retardadas Lily e Daisy, que também dizem ser uma banda (embora nunca tenham sido vistas tocando nenhum instrumento). Britney diz ser guitarrista, colocação esta que chega a ser ofenciva pra Heitor e James, embora só considere Layla como sua arque-inimiga (que se for tomar pelo contexto dos instrumentos não faz sentido nenhum!).

Galileu Fígaro Felipe Neto[editar]

Fígaro revelando em rede nacional o que existe acima do submundo

Um cientista louco de meia-idade e pele ressecada (está mais pra um zumbi do que pra um mutante) e inventor de bugigangas nas horas vagas. Ele é neto do famoso cientista Galileu Galilei Fígaro, conhecido por ter cavado um buraco pra cima e quase ter matado todo mundo afogado após vazar água do oceano Atlântico pro submundo. Fígaro é um dos poucos a saber que Heitor é alien humano, mas ao invés de dissecá-lo em seu laboratório prefere tentando ajudá-lo a escapar do mundo Underground sem querer nada em troca (lê-se: estúpido).

Zack Efron[editar]

Uma rara ocasião em que coxinhas e petralhas costumam entrar em consenso

Amigo de infância de Layla (tanto que é da mesma "espécie" mutante que ela) e rival de Heitor na tentativa de ver pra qual dos dois a garota vai dar. Ele é um mauricinho metido a besta que paga de "carinha legal" e é guitarrista e líder de uma banda chamada "Zack e os Efrons" (pelo nome, já dá pra perceber suas fortes tendências a viadagem). Como já foi dito, Zack paga de bonzinho, confiável, humilde e amigável na frente de Layla e seus amigos, isso até Heitor descobrir sua verdadeira natureza maléguina: um trapaceiro filho da puta, escroto e desonesta que só quer saber de eliminar a concorrência e ficar com a paixonite do protagonista.

Cindy[editar]

Uma furry que aparece a partir da segunda temporada já se auto proclamando "fã número 1 dos Under-Undergrounds". É praticamente o oposto do zé ruela acima: uma nerd orfã que sempre teve que ralar muito pra não se abater com as pancadas da vida. Assim como o pai do Chris, ela trabalha em dois empregos: ora está tirando fotos e vendendo pro Clarim Diário, ora está seno capacha de empresários multi-milionários. Além disso, diferente o Zack, ela não tem vergonha de assumir que faz parte da comunidade LGBT e que gosta mesmo é de afiar a tesoura.

Ozzy Osbourne Marshall[editar]

O segundo principal antagonista da série (já que o primeiro é o Zack). É um agente ao estilo MIB que é um demônio dos infernos (sim! um capiroto em um desenho infantil... o mundo realmente não é mais o mesmo) e ex-emissário da Agência cujo trabalho é exterminar humanos. Se a situação já não fosse pior, ele ainda por cima é o pai de James (o que não faz o menor sentido já que um é o diabo e o outro é um reptiliano... sério, de quem foi a ideia genial de botar esses dois como pai e filho?). Ele passa a maior parte do tempo caçando Heitor mesmo sem ter a mínima ideia de como é esse tal humano que ele persegue.

Lester Powall[editar]

Rato do Beakman Canarinho pistola humanoide que tem dois empregos: Ora é o crítico musical mais influente do Underground, capaz de criar e destruir carreiras com um simples estalar de dedos, ora é parceiro do Ozzy na Agência de Segurança. Diferente do Ozzy, Lester é amigo de Heitor e dos membros do Under-Undergrounds e, secretamente, tenta salvar a pele do moleque procurando alguma forma de burlar o sistema e manda-lo de volta pra superfície.

Chefe da Agência[editar]

Líder da tal Agência Secreta que monitora as relações entre a Terra e o Underground. Ninguém nunca viu a cara desse sujeito até hoje; só sabe que assim como o Ozzy, esse tal chefe também odeia humanos e quer ver o Heitor se fudendo.

Kurt Cobain Vox[editar]

O baixista da Reverberação, um cara drogado que conhece da terra por conta de seu pai ser um emissário(isso não tem lógica, o cara era órfão e sabia que seu pai era uma emissário?) sabe-se lá como ele foi parar no orfanato, era uma peste quando era criança, quebrava tudo do orfanato com seu amigo, depois continuou a quebrar tudo, só que com seu baixo,e após ambos traumatizarem o suficiente a dona do orfanato, ele e o amigo conheceram um Emo garoto chamado JD,os três ficaram tão amigos que foram adotados pelos pais do JD, anos depois, após seu outro amigo, Ronnie, retornar de seu país, eles fundaram a banda, depois da banda achar Nico Purt na rua, pela falta de baterista, começaram a tocar, geral odiava o som deles (mas é claro, faltava um ou uma vocalista, dã?) Após isso ele conheceu Sakura Haruno Rita, uma garota com voz incrível, Após ela entrar para Reverberação, o amigo ciumento que detonava tudo com Kurt saiu da banda, depois ele retornou, e Rita virou a vocalista, após Kurt ouvir a voz dela, ele se apaixonou por ela, mesmo a bosta ainda não fazendo sucesso ao ponto deles desistirem desse trem de banda e começarem uma carreira de negócios ou simplesmente trabalharem numa lanchonete feito condenados, Kurt teve a brilhante ideia de compor uma música, após isso a banda explodiu, e numa entrevista no Globo Repórter UnderRepórter, Kurt foi dar uma de burro(ou inteligente, depende do ponto de vista) e contou aonde ele pegava as inspirações de música, sim a terra, e por azar, Ozzy estava assistindo o documentário, logo virando alvo de Ozzy, após a porra da confusão toda rolar, ele leva o protagonista para sua superfície, sendo visto pela última vez mergulhando na água do esgoto, não se sabe do seu paradeiro e onde ele está hoje em dia (o cara tá morto provavelmente e a banda dele nem se quer sabe onde o noiado tá)

8040.gif