PSG-1

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
CUIDADO!!! CONTEÚDO EXPLOSIVO!

Esta página contém elementos bélicos, químicos, atômicos ou bombásticos,
podendo causar um grande estrago no computador (e na mente) do leitor.
Bombanuclear4.gif
Bismarckpre.jpg Desciclopëdia über alles in der welt!!!

Estä arrtigö é alemon! Issö querr düzerr que ele é parrte dö conspürraçon gerrmänica parra inwadir ö Frankreich por trrás öutrra wez. Non faça scheiße, öu te porremos de quatrro nö Berliner Mauer.

Cquote1.png Você quis dizer: PSG Cquote2.png
Google sobre PSG-1
Cquote1.png Schwaizer! Schwaizer! Schwaizer! Shinëider tomit Judën! Ops... Cquote2.png
atirador da GSG9 sobre resgate dos israelenses
Cquote1.png Maldição errei! Maldição errei! Ótimo, acertei um judeu! Ops... Cquote2.png
tradução sobre o que o atirador da GSG9 dizia

O fuzil PSG1, essa belezinha é o sonho dos malditos e preguiçosos peritos campers snipers

O PSG-1 é um fuzil alemão de precisão da Heckler & Koch, semi-automático, sonho de consumo de qualquer atirador de elite da velha-guarda (ou terrorista moderno). Seu nome é uma sigla bastante original em alemão: Präzisions-Scharfschützen-Gewehr, que quer dizer: Fuzil de Precisão para Atiradores. O PSG só tem um rival em potencial, o fuzil americano da Knight's Armament Company modelo M110 SASS, queridinhos dos atiradores psicopatas high-tech dos EUA.

História[editar]

Policial alemão da GSG9, treinando após atingir uns reféns em Munique...

O fuzil PSG-1 foi desenvolvido logo após o episódio das Olimpiadas de Munique de 1972, com a brilhante operação de resgate da Die Elite Einheit GSG9 da Polícia Federal alemã no aeroporto com o saldo espetacular de 11 reféns mortos (com alguns abatidos por tiros dos atiradores alemães, outros explodidos pelas granadas dos mesmos, e além de alguns que foram encaminhados para campos de concentração), 10 terroristas pegando o avião de volta pra casa e cinco presos. Até hoje o episódio não foi muito esclarecido, ninguém sabe quantos oficiais da GSG9 haviam servido na Segunda Guerra Mundial ao lado de Adolf Hitler, para justificar a quantidades de israelenses mortos "acidentalmente".

A polícia alemã (ocidental), percebeu que sua brilhante unidade policial necessitava de um fuzil que carrega-se mais rápido para poder atingir uma maior quantidade de reféns (acidentalmente, claro). E também precisava de um design bonito, para ajudar os soldados com tara por armas (e a conquistar gatinhas).

Hoje[editar]

O fuzil PSG-1 atualmente não é usado pela GSG9, já que a Grenzschutzgruppe 9 e outras undiades especiais da Bundespolizei Alemã o trocou pelo AMP DSR-1, mas muitos outros Spezialeinsatzkommandos da polizei da Deutschland continua usar ele.

No Brasil[editar]

O fuzil PSG-1 é muito raro, já que os alemães da Heckler & Koch esqueceram o projeto principal em algum lugar, após uma ressaca do Oktoberfest. A Polícia Federal brasileira tem alguns exemplares do PSG-1 no COT, o "BOPE" federal. Além do COT, somente outra unidade militar no Brasil mantém esta arma em seu arsenal. Adivinha qual é?

Se você pensou no BOPE, pensou errado (ahahahha!). A Companhia de Operações Especiais da Choque da Polícia Militar baiana, é a única outra unidade brasileira que dispõe dessa arma. Lá estão os melhores atiradores, até porque os baianos são os melhores para a atividade.

A Companhia de Operações Especiais da Choque da Polícia Militar baiana, não é a unica unidade brasileira a utilizar o O fuzil HK PSG-1. O GATE, Grupo de Açoes Taticas Especiais, da Brigada Militar do estado do Rio Grande do Sul possui 4 exemplares. O 2° pelotão CENTAURO do CBFPM 2009/2010 da Academia de Policia Militar em instrução de Medidas Preliminares esteve junto ao GATE para conferir a precisão do fuzil HK PSG-1 que é empregado nas operações do melhor e mais tático grupo do Brasil.