Período Edo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Ieyasu, o primeiro obeso shogun deste período

O Período Edo (também conhecido como Período Tacom água Tokugawa), é mais um dos bilhões de períodos nos quais a história do Japão é bizarramente divida. Esse vai de 1603 a 1867, ou seja, já tinham descoberto o Brasil, além de outras desgraças horríveis que também ocorreram na época.

Nesse período houve o governo do Xogunato Tokugawa que foi estabelecido logo ao fim do Período Sengoku por Tokugawa Ieyasu, após este se beneficiar das conquistas de seus amigos Nabunaga e Hideyoshi e matar todos os outros sujeitos importantes que restaram, até só sobrar ele para tomar o poder. O período terminou com a Restauração Mijei, quando o governo imperial voltou ao poder, graças ao xogum Tokugawa Yoshi noob Yoshinobu, e mandou todos os poderes concorrentes irem tomar naquele lugar.

O período Emo Edo também é conhecido por ser o início do começo do início da ascenção da iniciação do período moderno do Japão, em outras palavras, foi aí que os japas deixaram aquela história de ninja e samurai e passaram a virar robôs gigantes com fantasias coloridas.

Quanto ao nome do Período, ao que estudos recentes indicam, esse período na verdade deveria ser o período Emo já que nessa época, essa praga começou a assolar com muita força o território japonês. Mas todos os japoneses machos que existem (uns dois ou três na verdade), se uniram para mudar o nome do período, trocando o "m" pelo "d", e usando a desculpa de ser o nome que a cidade de Tokyo tinha antes de arrumarem o nome atual.

O Shogun e os daymios[editar]

Típica pintura do Período Edo. O cenário bizarro provavelmente foi inspiração para um certo anime

Através dos séculos, houve uma evolução entre o bakufu dos Kama Sutra Kamakura, que existia em equilíbrio com o imperador, com o qual eles viviam tendo romances; até o bakufu Tokugawa, quando o shogun virou o único fodão da parada, mandando e desmandando na porra que ele quisesse.

Quem mais se deu bem qcom isso foi Ieyasu, que saiu por aí acahndo que era o tal, matando qualquer possível inimigo e depois cheirando uns gatinhos. Aliá, reza a lenda que foi esse mal-hébito de cheira-los que fez com que Ieyasu, assim como outros 99,9999% de todos os imperadores, shoguns e daymios ficassem tão ridículamente gordos e obesos, dando origem também aos primeiros lutadores de sumô.

O período Edo, apesar de todas as sacanagens já citadas, ainda sim trouxe 200 anos de estabilidade para o Japão, até porque com o fim de Sengoku o Goku finalmente retornara e podia protegê-los de qualquer grande ameaça.

O sistema político evoluiu para bakuhan, uma combinação dos termos bakufu e han e provavelmente uma invenção do Gohan para ajudar seu pai.

No bakuhan, o xogun era que nem um presidente e os daimios que nem uns governadores, todos eles eram burocratas chatos que só sabiam encher o saco. Os Tokugawa tornaram-se mais poderosos e como todo político, roubaram um monte de coisa, inclusive uns 7 milhões de nkoku, um tipo de medida para contar território japonês, que por causa disso não deve valer muita coisa já que tudo lá é rizivelmente minúsculo.

Como se não bastasse ser ladrão, o shogun também era nepotista, tanto que uma das classes dos daymios eram chamados de Jibão shinpan, ou “casas apunhetadas” e eram todos parentes do Ieyasu. Os shinpan possuíam os títulos mais honorários e postos de conselheiro no bakufu, provando que Ieyasu era um filha da puta como ele só.

A segunda classe da hierarquia dos daymios eram os Fudeu fudai, ou “damio da casa”, que serviam ao shogun fazendo... bom, o que o nome deles diz. Aliás, o cara gostava tanto do "serviço" que esses caras prestavam que no século XVIII, 145 fudai controlavam feudos, o maior deles avaliado por 250.000 koku (o tamanho de uma casa pequena aqui, o que para eles é muita terra).

Os Tokugawa além de possuírem total controle sobre o Japão reunificado, também tinham um poder sem precedentes sobre o imperador (sim, ele ainda existia apesar de ser um noob fracassado na época), a corte, todos os daymios, os monstros gigantes, o Ultraman e as ordens religiosas.

Para o shogun provar que era um mandão, um código de leis foi feito para regular os daymios. O código englobava co que comer, o que beber, com quem casar, que roupa vestir, que arma usar e quantas pessoas poderiam convidar para uma suruba, orgia obrigatória com o shogun uma vez por mês; proibia a construção de navios com capacidade de navegar, de aviões com a capacidade de voar e de carros com a capacidade de dirigi-los; baniu o Papi-Noel e o Coelhinho da Páscoa e estuprou a Fada dos Dentes criou impostos para respirar, andar e dormir; todos eles tinham que pagar pelas construções de castelos, estradas, pontes, puteiros, farmácias, escolas, cadeias, estúdios e palácios.

Não é preciso dizer que essa zona toda deixou os daymios furiosos, mas também acabou com a grana deles.

Sociedade[editar]

Depois de um longo período de lutas desenfreadas e anarquia, o principal objetivo dos Tokugawa era pacificar o país, para que assim não tivessemos mais japoneses malucos correndo de um lado para o outro imitando algum personagem de anime.

O governo então criou uma ordem de poderes (seja lá o que isso queira dizer) que permaneceu estável por uns trocentos anos, influenciada por princípios confusos dos confucionistas. A maior parte dos samurais perderam seus direitos de roubar terras e plantar arroz (pois isso é coisa daquelas velhinhas) todas as terras ficaram nas mãos de 300 de esparta daymios. Os samurais então tiveram que decidir: enfiarem a espada no rabo e virarem aldeões, ou mudar para a cidade e nunca mais poder plantar nada, nem comer alimentos naturais.

Para controlar melhor a população, esta foi dividida em quatro grupos, que eram proibidos de fazer certas coisas com gente de outros gruposs: os samurais no topo (como não haviam samurais mulheres isso foi um grande problema para eles); os aldeões e fazendeiros; os artesãos; e por último os mercadores. Só os aldeões viviam em áreas rurais, por isso não foram muito afetados pela abstinência sexual que se criou. Samurais, artesãos e mercadores viviam em cidades que eram construídas em volta dos castelos do daymio e ficavam muito putos com essa história, mas depois foram todos castrados e acabou a choradeira.

Relações Externas[editar]

Holandeses fazendo uma suruba com as japonesas do local

Naquela época, o Japão já estava mais aberto (!) para o mundo exterior e era normal eles visitarem seus visinho russos para trocar alguns hentais por pornografia de lá. No entanto, depois de um tempo as coisas começaram a dar em merda, pois os japoneses finalmente decobriram que suas "armas" eram assustadoramente menores que as de qualquer outro povo e começaram a se rebelar. Para barrar isso, o shogun passou a proibir a chegada de estrangeiros a não ser os que ele deixasse passar perante uma "vistoria" para ver se carregavam apenas "armamentos" de "porte pequeno". Os que tentassem entrar no país sem permissão logo eram castigados e perdiam as suas "armas" para sempre, não importa de que tamanho elas fossem.

O Fim do Shogunato[editar]

O último shogun, repare que ele já não tinham tantos problemas com a obesidade.

Como uma hora ou outra a festa dos shoguns tinha que acabar, chegou uma hora em que isso aconteceu mesmo. No fim do Período Edo, os Americanos decidiram se intrometer na história e sairam bombardeando um porto do Japão para que ele voltasse a se abrir para eles(!). Os japas que já aguentavam muita humilhação ficaram ainda mais raivosos e como não tinham em quem descontar na hora, descontaram no shogun que já vinha sacaneando eles.

Pouco a pouco, o shogun começou a se ferrar mais e mais até que no fim teve que se acovardar e dar todo o poder de volta para o imperador, dando fim assim a toda uma era, e também a todos os shoguns já que o imperador não ia ser burro de deixar que um novo shogn aparecesse em algum canto.


v d e h
日本史

Nomi no sukune small.jpg