Política de Cuba

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Hammer and sickle.png Este artigo foi aprovado pelo Conselho de Proteção à Moral da Família Soviética como sendo livre de conteúdo subversivo.


Cquote1.png Vamos ver que criancinha irei comer hoje... Cquote2.png
Cquote1.png ...hmmm você não, você é muito preta... Cquote2.png
LOL WUT?

A política de Cuba se baseia em uma ditadura por parte do presidente Fidel (que, aparentemente, é imortal), na qual simplesmente faz os pobres ficarem mais pobres e os ricos ficarem pobres. Entre outros aspectos menores da política de Cuba encontra-se o fato de que para entrar ou sair do país, é preciso pertencer ao governo, ou saber dirigir uma jangada até Miami. A política deste país é controla pelo Papai Noel de traje verde desde 1959, quando o Papai Noel da Dolly, com o apoio da Mara Salvatrucha, criou o movimento revolucionário 26 de julho e instalou uma ditadura socialista.

Cuba é bem conhecida pela capacidade que seu governo possui para desencadear dor e destruição sobre o povo e o país. Seu governo se enquadra na categoria Fascista. É um governo simples, mas pode ser dificil de se acostumar com suas regras, e muitas pessoas têm o confundido, não surpreendentemente, com um culto satanista. Assim se segue:

  • Desenvolvimento pessoal - Esta regra proíbe qualquer desenvolvimento pessoal. Todos os cidadãos de Cuba são aceitos e permanecem no status social de mendigo. Curiosamente, algumas pessoas têm notado que as pessoas que têm melhores posições são mais infelizes, e as pessoas com posições piores na sociedade são menos infelizes, mas há realmente apenas duas classes sociais no comunismo cubano: Governo (burguesia) e povo (proletariado).
  • Superioridade governamental - Esta regra separa os fracos dos muito, muito, mais fracos. Um funcionário do governo, que pode ser comparado ao Papa (só que ele usa seu poder para se divertir inegavelmente), tem duas coisas que são consideradas muito importantes: Uma vida, e cinquenta dólares. A classe mais fraca, o cubano comum, não tem nem uma dessas coisas, e é, portanto, desprovido de tudo.
  • Superioridade tirânica - O chefe do governo (que pode ser comparado á Deus+Jesus+Santo+Espírito+Bíblia+Grandes quantias de dinheiro) tem mais uma coisa que não pode ser obtida por vagabundos ou trabalhadores do governo: qualquer coisa que seja tangível ou intangível, ou o que diabos ele queira. Isso significa que Cuba tem cerca de um metro quadrado de terra que é permitido que moradores habitem, e os restantes cinco metros quadrados (há também outras algumas centenas de quilômetros, mas estes são ocupados pela casa do tirano) é formado por escravos e senzalas.

Organização político-administrativa[editar]

Muy bien...
As Forças Armadas de Cuba se preparando para socializar/coletivizar um banheiro público proletário. Isso vai dar merda!

Cuba possui as seguintes províncias:

  • Província Autônoma de Bobolândia
  • Província Autônoma de El Habano
  • Província Autônoma do Matadouro
  • Província Autônoma de Villania
  • Província Autônoma sem vacas loucas de Camaguey
  • Estado Livre Associado da Palestina
    • Antiga Província Autônoma do Oriente.
  • E também a não menos importante...

Esta última tem a distinção de ser governada diretamente por Fidel, embora isso não esteja tão claro visto que os restos das províncias recebem dinheiro desta, assim como Fidel (ou Raul, ou qualquer outro que atualmente seja o dono de Cuba) controla os preços das chamadas telefônicas, o transporte e tudo que é transportado de Miami para Cuba.

Eleições[editar]

As eleições em Cuba são executadas de forma diferente da maioria dos outros países. Cuba tem um sistema político bipartidário, com o Partido Comunista Cubano, que defende o comuno-fascismo, e o Partido Socialista Cubano, que defende o fascio-comunismo. O líder do Partido Comunista Cubano é Fidel Castro, que atualmente ocupa o cargo de presidente de Cuba. O Partido Socialista Cubano está atualmente na oposição, e seu líder, Fidel Castro, é o líder da oposição. Alguns comentaristas políticos tem percebido que Fidel Castro e Fidel Castro nunca foram vistos um no mesmo quarto que o outro ao mesmo tempo.

Há muita especulação sobre o porquê disso. O governo cubano nega que alguma coisa esteja errada. É também interessante notar que os debates políticos cubanos não são realizados ao vivo, com cada líder apresentando as suas opiniões. O primeiro apresenta suas opiniões e deixa a sala. Em seguida, aparece o líder da oposição pra concordar com tudo o que o outro quis dizer. Apesar de tudo isto, o povo de fora não fica sabendo da existência das eleições, visto que o poder é herdado de Castro 1 a Castro 2, e no futuro, outros Castro também. Mas ainda não passou do 2 porque, aparentemente, o avanço científico e tecnológico da música salsa que é produzida na ilha mostrou que a viagra é o grande instrumento da imortalidade, e seus usuários pensam que vão viver para sempre.

Mas o fato é que todos os presidentes de Cuba são Castro porquê, quando Che Guevara acabava de estuprar mulheres, ele as entregava para o companheiro Castro, que as engravidava. Não obstante, essas mulheres morreram e a permanência de seus filhos fez com que toda a população cubana tivesse Castro no nome. Devido á mania clichê da imprensa de se referir a todos pelo sobrenome, os reacinhas pensam que toda vez que a mídia fala em Castro, está se referindo apenas á Fidel Castro, o pai de todos, levando a concluir que não existem eleições em Cuba.

Resultados[editar]

Ano Partido Comunista Cubano Partido Socialista Cubano Vencedor Notas
1964 75% 25% Fidel Castro, Partido Comunista
1974 40% 60% Fidel Castro, Partido Socialista O Fidel Castro do Partido Socialista teve uma inesperada vitória nesta eleição.
1984 82% 18% Fidel Castro, Partido Comunista À medida que a popularidade do Partido Socialista de Fidel Castro ia diminuindo no início de 1980, o Partido Comunista de Fidel Castro ia voltando ao poder com uma maioria arrebatadora.
1994 52% 48% Fidel Castro, Partido Socialista Uma das eleições mais porradeiras na história de Cuba, Fidel Castro derrotou Fidel Castro. Os votos levaram mais de cinco dias para serem contados.
2004 33% 67% Fidel Castro, Partido Comunista Mais uma vez o governo foi derrotado (nenhum dos lados ganhou em eleições sucessivas, possivelmente devido à impopularidade do governo), e Fidel Castro, mais uma vez assumiu o controle de Cuba.
2014 1% 99% Fidel Castro, Partido Socialista Uma das eleições mais tranquilas na história de Cuba, Fidel Castro derrotou Fidel Castro. Os votos levaram mais de cinco dias para serem contados.

Relações inter-provinciais[editar]

Che Guevara, o grande herói nacional de Cuba, também virou um dos heróis nacionais da Argentina, juntamente com Juan Perón, que é a versão argentina de Che Guevara.
Uma dúvida que muitos tem é de quanto capital opressor custou essa tatuagem. Che Guevara responderia:
Cquote1.png Hay que escravizar el tatuador... Cquote2.png
Cquote1.png ...pero sin perder la tatto jamás Cquote2.png

As relações entre as diferentes entidades políticas do feudo de Cuba são marcadas por uma série de intrigas e desconfianças mútuas, mas também por um alto nível de mal-entendidos históricos também marcados por um irreconciliável regionalismo extremo, que flerta com o radicalismo, entre os diferentes súditos feudais, governadores de províncias subjulgadas ao rei Fidel. A primeira província, por ser a mais ocidental, é a Província Autônoma da Bobolândia, mas não há muito o que se dizer sobre ela, visto que ela não se relaciona com o resto do país devido ao fato dos seus habitantes terem um vocabulário muito limitado, visto que eles aprenderam apenas a emitir o seguinte som vibrador vibratório:

Cquote1.png AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH! Cquote2.png

Bobolândia acusa a província de Havana de haver roubado o nome histórico, já que, segundo eles, pretigiosos cientistas do Clube dos Pinarenhos haviam demonstrado que o nome de Havana provém de Habanos[1], nome histórico de umas tribos arianas que habitavam o oeste do país, na região do Vale das Fraldas Viñales, e manifestam que a dita província deveria chamar-se Laganga, como referência ao valor de suas famosas putas ou, em último caso, de Havana Oriental. Este território já havia reivindicado a entrega das cidades de Armisa, Albaquizar e Mugriel, o berço da nação.

Por sua parte, na província de Villania, mais conhecida como o centro da laranja, é constantemente assegurado que eles jogam o melhor quase-beisebol do país, mesmo que nunca tenha ganhado um título nos últimos 16 anos, e nas três últimas vezes que tenham chegado a final, tenha perdido frente á província de Havana (o mais recente confronto ocorreu na capital da província, nomeada Darkshire), aonde asseguram que será a única província a ganhar um título depois de 17 anos.

A Província Sem Vacas Loucas de Camagay leva um conflito limítrofe com o Estado Livre Associado da Palestina Insular, que segundo este último, o território íntegro lhe pertence, ao mesmo tempo assegura que Camagay é mais oriental que as províncias centrais, enquanto Camagay alega que eles são a mais central de todas as províncias orientais o incomprenssível travalíngua que leva a entender que há um limbo político, inclusive ameaçaram levar o dito conflito para a Corte Ex-interracial da Baía, uma organização semelhante á Organização de Ex-colônias Americanas, conhecida como OSEA.

O Estado Livre Associado da Palestina Insular carrega um conflito com o governo central, pois a província alega ser uma nação cultural (historicamente falando), como revelado por estudos na prestigiada UO (Universidade Ovni). Na década de 1900, mediante referendo democrático e participativo (sem necessariamente ter a presença de sequer um dos cidadãos), os habitantes desse território, mais conhecidos como nagues, proclamaram o Estado Livre Associado, coisa que irritou o governo de Havana, tomando como represália a imposição de visto a qualquer cidadão da Palestina Insular que quisesse viajar para Havana, por mais de um dia. A província de Havana repetidamente ameaçou deixar de fazer parte da federação e se unir á Miami, em um novo estado chamado Havaiami, coisa que havia molestado a soberania das demais províncias (e seu dono), que ameaçaram usar armas de destruição em massa contra o povo de Havana.


  1. Charutos em cubanês
Flag-map Cuba.png Cuba
HistóriaPolíticaSubdivisõesGeografiaEconomiaCulturaTurismo