Polar (cerveja)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa



Gauchodanc.jpg Mas bah, tchê!

Este artigo buenaço e tri-legal é do mais puro humor gaudério dos pampas, vivente, então veste tua bombacha, recolhe teu pelego no galpão e toma um mate amargo com a gente, macanudo!

Chima.jpg

Cquote1.png Você quis dizer: Patrimônio histórico-cultural do Rio Grande do Sul Cquote2.png
Google sobre Cerveja Polar
Cquote1.png Tenho medo de Polar! Esses ursos do Polo Sul podem me comer de uma só bocada! Cquote2.png
Carla Perez sobre Polar
Cquote1.png 404 NOT FOUND Cquote2.png
Internet Explorer sobre a venda da Polar fora do Rio Grande do Sul.
Cquote1.png NO EXPORT!!! Cquote2.png
Gaúcho sobre Cerveja Polar
Cquote1.png WTF??? Cquote2.png
Cearense sobre Cerveja Polar
Cquote1.png WTF??? Cquote2.png
Baiano sobre Cerveja Polar
Cquote1.png WTF??? Cquote2.png
Amapaense sobre Cerveja Polar
Cquote1.png WTF??? Cquote2.png
Paulista sobre Cerveja Polar
Cquote1.png Devemos espraiar o desenvolvimento gaúcho para os outros estados. Mas a Polar fica aqui, companheiros! Cquote2.png
Olívio Dutra sobre Cerveja Polar
Cquote1.png É a única cerveja que presta neste pais Cquote2.png
Qualquer um sobre Cerveja Polar


Para os gaúchos, a Polar está acima de tudo. Mesmo!

A Cerveja Polar é o símbolo máximo do nacionalismo no Rio Grande do Sul. As modelos, os artistas, os jogadores de futebol, as grandes empresas e a culinária sulriograndenses já foram apresentadas ao mundo, e fazem bastante sucesso em vários lugares. Contudo, como condição sine qua non para a manutenção da ordem no tempo-espaço-contínuo, a Polar jamais pode passar para o outro lado da fronteira. De sabor, cor e cheiro característicos, que só agradam aos nascidos em solo gaudério, esta cerveja segue calibrando as sucessivas gerações de gaúchos e gaúchas de todas as querências.

História[editar]

A Polar corta para os dois lados, e se orgulha disso.

Dois poloneses, chamados Mark Borrachyzynzky e Lech Alkholaziwnksky, foram expulsos do seu país de origem, lá pelos idos de 1929, por praticarem certas atividades proibidas pela moral e pelos bons costumes da sociedade polonesa. Dessa forma, sem perspectivas de vida em outro país europeu, resolveram partir para uma nova aventura cheia de emoção e, dessa forma, vieram para o Brasil. O calor do Rio de Janeiro lhes incomodou deveras, e, por isso, resolveram procurar um lugar mais parecido com a terra natal, e acabaram parando na cidade gaúcha de Estrela. Sem nenhuma opção de trabalho no mercado local, visto que não sabiam uma palavra da língua local, o alemão, dedicaram-se a uma atividade que, embora fosse de extremo agrado à comunidade local, era pouco difundida ali: a fabricação de cerveja. Os dois seguiam a filosofia de fabricar provando, para garantir que nenhuma gota do líquido dourado saísse com uma qualidade inferior à desejada. Logicamente, essa ideia não dava muito certo do ponto de vista clássico da fabricação cervejeira, mas é o traço que caracteriza a Polar até hoje: a indefinição do sabor. Cada garrafa é uma surpresa, pois, devido ao estado de embriaguez dos mestres que a elaboram, certas coisas inesperadas acabam entrando para a receita, além dos tradicionais lúpulo, malte e cevada, como, por exemplo, leite condensado, café, amônia, lico de cair pinto, gengibre e, também, pode conter alguns traços de amendoim.

Efeitos da Polar nos consumidores

Essa combinação de aromas e sabores fez com que aquela mini cervejaria do interior da colônia alemã se tornasse o sinônimo de cerveja em solo gaúcho. O espetáculo do crescimento alcançado pela empresa, logicamente, chamou a atenção das raposas felpudas da indústria de bebidas do sudeste do país. Por décadas, os poloneses resistiram, e seguiram fabricando as suas cervejinhas alternativas, até que, em 1972, quando os dois já estavam bastante experientes, venderam a valiosa criação para a Antarctica. O povo revoltou-se com a possibilidade de que a sua amada cerveja acabasse em mãos erradas, ou seja, de qualquer um que não fosse gaúcho. Uma Segunda Guerra dos Farrapos esteve bastante próxima. As pessoas, enfurecidas, fizeram panelaços na frente da fábrica, diversas passeatas no interior do estado e na capital, até que o corpo diretivo da compradora assinou um compromisso de que a Polar JAMAIS seria vendida fora do Rio Grande do Sul.

Atualmente, sob controle da AmBev, a marca segue sendo a preferida de qualquer indivíduo que viva em solo gaúcho. Inclusive, em algumas cidades menores, dizer que a Polar é ruim pode ser considerado como um crime de lesa-pátria, passível de empalamento e/ou trepanação em praça pública, com cerveja gratuita para todos que estiverem assistindo.

Características da Polar[editar]

É uma tremenda cópia, mas é muito gostosa.

É uma cerveja de coloração clara, semelhante a urina. Não tente identificar o que o aroma lembra, pode ser algo traumatizante. Ela é um pouco mais amarga que as rivais de mesmo preço, o que é ótimo para esconder o seu bafo de cebola, e trocar por outro que, pelo menos, lhe dá uma aparência de descolado. O consumidor pode encontrá-la em várias versões: 300 ml, 350 ml, 600 ml, 1 litro, 15 litros e um mol de litros, todas facilmente congeláveis, caso você fique muito distraído com certas atividades e a esqueça de retirar do freezer.

Cerveza Polar, uma cópia descarada[editar]

Na Venezuela, existe uma cópia muito mal feita da Polar, que, inclusive, usa um nome absolutamente igual. A criação dela se deve à visita de Hugo Chávez ao Rio Grande do Sul, durante o Fórum Social Mundial. Ao ir no boteco com alguns miguxos do PSOL, ele conheceu o prazer de uma Polar estalando de gelada, e, milagrosamente, conseguiu levar uma garrafa consigo na viagem de volta, provavelmente acoplada em um lugar estratégico do seu corpo. Lá chegando, nacionalizou a subsidiária da Heineken em solo venezuelano, e começou a produzir la cerveza nacional, constituindo um plágio descarado do exemplar sulriograndense. Tal ato gerou uma perturbação internacional, resolvida apenas por vias diplomáticas, com a intermediação da Organização Mundial do Comércio, que previu a adição de Lacto Purga na versão bolivariana da bebida, para diferenciar o gosto. Como dito anteriormente, a Polar é um ajuntado de trocentos ingredientes, então, um anula o outro, e o que o novo ingrediente conseguiu fazer foi apenas tornar um pouco mais adocicado o sabor da bebida.

Vídeos[editar]

Bebida-em-excesso 2.gif