Reino dos Jardins de Dessau-Wörlitz

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Frauleinpre.jpg Desciclopëdia über alles in der welt!!!

Estä arrtigö é alemon! Issö querr düzerr que ele é parrte dö conspürraçon gerrmänica parra inwadir ö Frankreich por trrás öutrra wez. Non faça scheiße, öu te porremos de quatrro nö Berliner Mauer.

Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Cquote1.png Você quis dizer: Selva Cquote2.png
Google sobre Reino dos Jardins de Dessau-Wörlitz
Cquote1.png Cuidado com os animais selvagens Cquote2.png
Placa na entrada do parque sobre Reino dos Jardins de Dessau-Wörlitz

O Reino dos Jardins de Dessau-Wörlitz é uma rara região de selva no meio da Alemanha. Apesar de não ficar perto de alguma Floresta Tropical, lá tem as mesmas características de uma. Há água por tudo quanto é lado, um monte de árvores espremidas, índios, animais como jacarés, cobras e onças, mato, água e mato. Sua visitação é permitida para todos, porém é recomendável sempre visitá-lo com algum guia, senão você ficará perdido e será devorado por algum mafagafo das florestas.

História[editar]

Quem entrar dentro desse parque vai se ferrar não se dará muito bem.

A origem desse reino é de aproximadamente 500.000 anos a.c; quando surgiu um pântano muito quente. Com o passar dos anos, os alemães conseguiram desmatar todas as suas florestas, menos essa. Quem entrasse no Reino dos Jardins de Dessau-Wörlitz nunca mais voltava, desencorajando os madeireiros a retirarem essa floresta em troca da vida.

O governo transformou essa área em uma prisão para criminosos de alta periculosidade. Simplesmente os agentes do governo jogavam os prisioneiros dentro da floresta e os abandonavam. Não houve registros de fugas, até porque ninguém fazia esse controle. O parque continuou como prisão até o príncipe local fazer uma aposta com alguém, dizendo que conseguiria transformar o lugar em um local que pode ser habitado por pessoas comuns.

Para isso, ele contratou os maiores e melhores madeireiros de toda a Europa e mais alguns da Floresta Amazônica, com o objetivo de tirar todos os obstáculos contra a sobrevivência humana por lá. Metade dos homens morreram, 40% desapareceram e os 15% restantes abandonaram o trabalho. Depois de perder a aposta, o príncipe abandonou seus planos de colonizar a região, algo humanamente impossível naquela época.

A nova tentativa de domínio aconteceu um pouco antes da Primeira Guerra Mundial, quando o exército alemão tentou destruir a área usando bombardeios aéreos e artilharia. Conseguiu desmatar cerca de 5% da área da selva, o suficiente para construir algumas edificações, apenas para dizer que conseguiram colonizar a região. A grande maioria das construções são igrejas, numa tentativa de pedir ajuda a Deus para que quem more na área interna do parque sobreviva aos perigos.

Características[editar]

A estrada mais próxima não passa dentro desse parque, para evitar que as cobras engulam os carros ou caminhões; o que já aconteceu, segundo relatos locais. Os barcos que navegam nos canais possuem cascos de titânio para resistirem a possíveis ataques de crocodilos ou de animais parentes do Monstro do Lago Ness. Por ser um matagal com o mínimo de gente, ele é um patrimônio mundial.