Ricardo Zamora

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
ReaperlogoDare.gif Ricardo Zamora já morreu!

Foi-pro-co-lo-do-ca-pe-ta!

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno

Cquote1.png Experimente também: Gianpiero Combi Cquote2.png
Sugestão do Google para Ricardo Zamora

Ricard Zamora Martínez
Nacionalidade Bandeira da Espanha Espanha
Altura O suficiente.
Peso 69,11 quilos
Clubes FC Barcelona. O resto é resto!
Estilo de Jogo Defendia como se estivesse em uma final.
Gols -48 sofridos


NewBouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Ricardo Zamora.

Ricard Zamora Martínez - castelhanizado Ricardo (Barcelona, 21 de janeiro de 1901 - 8 de setembro de 1978) - foi um grande futebolista catalão que atuava como goleiro, tido por muitos como um dos melhores de todos os tempos na posição (e você que pensava que era o Marcos, o Rogério Ceni, o Feliiiiipe ou o Júlio César).

Sua roupa escura (por vezes substituída por uma camisa pólo branca) e o boné reto marcariam época no futebol espanhol, embora bem mais marcante fosse a sua habilidade.

Catalunha[editar]

Estreou no Real Español (nome à época do atualmente falido Espanyol), em 1916. Em 1919, foi para o Barzebrona, onde jogaria três anos. Em 1922, voltou ao Español, clube cuja posição política era mais alinhada com a sua: "primeiramente e antes de tudo, eu sou gay espanhol", em época em que o Barça era dominado por atletas de origem britânica e que o forte nacionalismo catalão ainda era relativamente mais fraco, em anos pré-franquistas (antes do General FDP assumir o poder e pregar a opressão oficial às culturas das minorias étnicas da área chamada de Francolândia, hoje conhecida como Espanha).

Zamora e sua cara de moleque

Mas carregou consigo a alcunha que recebeu enquanto jogador dos blaugranas: "O Divino". Também conhecido como "O Mago", foi campeão catalão nos três anos em que ficou no Barcelona, onde ganhou também duas Copas do Gay Rei. Durante o período em que jogou na região natal, defendeu também a Seleção Catalã.

Real Madrid[editar]

Na mesma época, transferiu-se por, segundo a lenda, 150 mil pesetas (o suficiente para contratar cinco times inteiros, na época - hoje, com esse dinheirão, você pode comprar um saquinho com 10 balas) em 1930 para o Real Madrid, ainda em época em que a rivalidade futebolística com a Catalunha não era tão forte. Ainda assim, enfureceu a torcida do Barcelona ao fazer uma incrível defesa no final da decisão da então "Copa do Presidente (porquê esse nome? A Espanha nunca teve presidente)", nome da Copa do Rei na curta existência da Segunda República Inter-Espanhola, contra seu ex-clube, mantendo o placar de 2 x 1 em favor dos merengues - era a segunda Copa nacional que ajudava os blancos a vencer, tendo conquistado também um bicampeonato espanhol em 1932 e 1933, os dois primeiros do Real (cujo nome passara a ser apenas "Madrid" em 1931, com a República), que demoraria mais de vinte anos para conquistar outra vez o campeonato, com a chegada da lenda Alfredo di Stéfano.

Flag of Spain.svg
Flag of Spain.svg

Goleiros: ZubizarretaCañizaresCasillasValdésMiguel AngelZamoraArconadaBuyoRamalletsUrrutiIribar
Zagueiros e laterais: HierroFerrerMichel SalgadoNadalCamachoPuyolSergiGordilloPeriko AlonsoZocoChendoAlexancoCamarasaHelgueraIván CampoPiquéQuincocesAlba
Meias: XaviIniestaAmancioBasoraLuis Suárez dos anos 60GuerreroMendietaGerardAmorEtxeberriaFàbregasBusquetsCamineroPep GuardiolaCamineroLuis Enriquedel BosqueXabi AlonsoSenna do BrasilVíctorKiko
Atacantes: RaúlGentoTorresBakeroSantiago Bernabéudi Stéfano (argentino) • Paulino AlcántaraZarraPichichiDavid VillaDavid SilvaSalinasButragueñoMíchelSantillanaLángaraPirriBegiristainRexachPiru GaínzaAlfonso