Sacred

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Segredo
Seicred.png
Logotipo da série
Gênero mais comum Clone de Diablo
Desenvolvedor atual Cada hora é uma empresa diferente
Publicador atual Deep Silver
Plataforma de origem MS-DOS
Primeiro lançamento Sacred 1 (2004)
Último lançamento Sacred 3 (2014)

Sacred é uma série de jogos bem desconhecidos de clones de Diablo sobretudo bastante fracassada, visto que os apenas quatro jogos da série já faliram três empresas.

Estes jogos tentam se fazer de "cult" ao lotar o jogador de textos e mais textos de um bando de informações das quais 98% são todas desnecessárias e clichês. Como fã de Diablo são seres fedorentos ao ponto de preferirem se dedicar ao seu jogo do que procurar uma namorada, um emprego ou um futuro na vida, não será um clone de Diablo que os irá atrair sair de suas tocas para experimentar essa "novidade" com todos clichês já conhecidos, por isso Sacred é uma série bem desconhecida.

Jogabilidade[editar]

Os dois primeiros jogos de Sacred são do gênero "clone de Diablo", com aquela tela de cima com a perspectiva isométrica e o jogador precisando guiar o personagem por cidades, cemitérios, tumbas, catacumbas, bosques, estradas, ranchos, descampados e todo esse tipo de cenário que todo mundo já viu em outro lugar.

Como Sacre 1 e Sacred 2 foram um grande fracasso porque os fãs de Diablo preferem Diablo e quem gosta desse tipo de RPG de tela do alto vai passar as horas de sua vida jogando Diablo, a desenvolvedora Ascaron faliu e coube à Deep Silver usar o nome Sacred pra tentar algo mais lucrativo e mais original, então Sacred Citadel trazia a série para um estilo mais Castlevania, mas como os fãs de Castlevania preferem jogar Castlevania, o jogo foi um total fracasso também.

Uma última tentativa de algo novo foi com Sacred 3, embora com a tela do alto igual Diablo, o diferencial agora é que, ao contrário dos dois primeiros jogos onde o jogador era lotado de textos e informações, nesse novo jogo agora o jogador era lotado de inimigos, misturando Diablo com hack and slash.

Jogos[editar]

  • Sacred 1 - O primeiro jogo da série, à primeira vista, parece um spin-off de Diablo II, mas analisando bem tem nada a ver com a Blizzard e não passa de um clone bem safado. Para conseguir jogar esse negócio é necessário ter pós-graduação em inglês para ler o tanto de texto oferecido a cada esquina.
  • Sacred 2: Fallen Angel - Continuando na mesma pegada do jogo anterior, na prática é um pacote de expansão do clone de Diablo II, por isso ninguém se interessou também.
  • Sacred Citadel - Com a falência da desenvolvedora Ascaron, a franquia Sacred ficou num limbo e coube a uma tal de Southend Interactive fazer um novo game. Como eles não eram fãs de Diablo, fizeram um clone safado de Castlevania com uma jogabilidade bugada e um bando de personagem leproso sem um pingo de carisma.
  • Sacred 3 - Claro que aquela porcaria do jogo anterior rendeu uma bela falência à Southend Interactive, então uma tal de Keen Games criou essa sequência que trouxe de volta o "espírito" de Sacred 2, com a única diferença que agora não lotaria a tela de textos e mais textos, mas sim de inimigos e inimigos (embora todos morram com 1 golpe) criando-se assim o primeiro hack and slash de Diablo já visto, e também o primeiro spin-off de Diablo lançado para consoles.
v d e h
Sacred logo.png