Splatterhouse

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Splatterhouse-arc rick bladeswing ticktiming.gif
Ispléterraus
Ad splatterhouse3 hesback 1000p.png
Ele voltou!
Gênero Terror
Desenvolvedor Namco
Publicador Namco
Plataforma de origem Arcade
Primeiro lançamento Splatterhouse (1988)
Último lançamento Splatterhouse (2010)
Splatterhouse3-gen rick stand-anim.gif

Splatterhouse é uma série bizarra de jogos que mistura os gêneros beat'em up e survival horror. Para quem não está familiarizado com nenhum destes estilos, ou ainda para os burros que não entendem inglês, isso significa que tudo resume-se a uma carnificina desenfreada, com direito a muito sangue, violência e monstrengos toscos assustadores. Desde o seu lançamento, a franquia já despertou o instinto psicopata de inúmeras crianças e adolescentes, que atualmente são adultos e serial killers profissionais.

Desenvolvimento[editar]

A Namco queria mesmo era lançar um jogo baseado nos filmes da série Sexta-Feira 13, mas teve seus planos frustrados pela rival LJN, que comprou antes os direitos de adaptação para os videogames. Porém, o jogo da Namco já estava prontinho, faltando apenas conseguir a devida autorização de Hollywood para seu lançamento, o que não seria mais possível. Então, a softhouse batizou sua criação de Splatterhouse e modificou alguns detalhes básicos, plagiando também outros filmes de terror famosos, o que enfim deu origem à franquia de sucesso. Em compensação, o jogo oficial lançado pela LJN foi um tremendo fracasso, tanto que até ajudou a falir a empresa.

Jogos[editar]

Splatterhouse 1[editar]

Com um enredo cheio de clichês vistos em qualquer filme de terror barato, o primeiro jogo da franquia introduz Rick Taylor e Jennifer Willis, um casal de universitários safados que estão à procura de um lugar isolado e desconhecido para viver uma aventura sexual muito louca. Assim, com a desculpa de que estava chovendo, eles se enfiam sem permissão em uma mansão sinistra conhecida pelo nome Splatterhouse, onde seu proprietário Henry West realiza experimentos macabros com seres humanos e transforma-os em criaturas horrendas. Jennifer acaba desaparecendo, enquanto Rick é possuído pela máscara do Jason Voorhees e passa a acreditar que é o próprio. Mais tarde, a garota ressurge e é morta pelo namorado boladão, que achou tê-la visto transformada em um monstro, sendo que na verdade ela estava apenas sem maquiagem.

Wanpaku Graffiti[editar]

Como Splatterhouse causou uma certa polêmica por seu conteúdo, a Namco decidiu se redimir e lançar esta versão no ano seguinte. O grande diferencial neste spin-off, que narra fatos anteriores ao primeiro jogo, é que os gráficos outrora macabros e obscuros agora são fofinhos e coloridos, tendo ainda por cima os personagens chibizados. Felizmente, esta vergonha não chegou a ser lançada fora do Japão, já que obviamente fracassou por lá.

Splatterhouse 2[editar]

A convidativa e hospitaleira mansão Splatterhouse em um lindo dia qualquer.

Este sim é a sequência oficial do jogo lançado em 1988. A história se passa três meses depois, e Rick é novamente possuído pela máscara do mal, que retornou do inferno após ter sido destruída. Com ajuda (?) do artefato demoníaco (??), ele retorna à Splatterhouse para resgatar Jennifer do mundo dos mortos.

Splatterhouse 3[editar]

Sequência direta para o jogo anterior. Já se passaram cinco anos desde quando as bizarrices tiveram início, Rick e Jennifer agora estão casados e têm um filho chamado David, além de serem muito ricos e morarem em uma mansão. Uma nova entidade maligna surge e sequestra Jennifer e David, cabendo obviamente a Rick salvar os infelizes. Para tanto, ele novamente une forças com a máscara escrota, que agora não apenas possui o protagonista como também conversa com ele. O jogo agora traz elementos de RPG, com diferentes finais que dependem das cagadas que o jogador fizer.

Splatterhouse 1.1[editar]

Após o fracasso da franquia, a série ficou esquecida pela Namco na geladeira, até ninguém mais se lembrar do game e ele ser ressuscitado com este reboot do jogo original (embora todos achem que este seja o primeiro jogo da série), ou seja, é a mesma joça, com algumas leves alterações para dar uma disfarçada na total falta de criatividade da Namco. Foi lançado somente em 2010, sendo uma tentativa frustrada de tentar recuperar a popularidade falida da série. Os gráficos agora são em computação gráfica, o que teoricamente deveria ter melhorado sua qualidade, mas a produção ficou tão amadora que os personagens às vezes praticamente desaparecem no cenário, como se ficassem transparentes. Em compensação, a trilha sonora ficou bem caprichada, de acordo com os rosqueiros fãs do jogo.

Jogabilidade[editar]

Com uma originalidade de fazer inveja ao Latino, Splatterhouse tem a jogabilidade idêntica à de qualquer outro beat'em up, com um monte de inimigos surgindo por todos os cantos e o jogador tendo que esfolar cada um deles para conseguir passar de fase até lutar contra o chefão. A grande suposta inovação que a franquia trouxe foi o clima sombrio e macabro, ao invés daquelas ambientações em clima de ação e aventura. Porém, em sua essência é tudo exatamente a mesma porra de todos os demais jogos do gênero, com o protagonista socando a tudo e a todos para recuperar sua namoradinha perdida que foi raptada pelos vilões malvados.

O único personagem jogável em todas as versões é Rick, que é apenas um Jason mais bombado e genérico.

v d e h
Splatterhouse logo.jpg