Třebíč

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Třebíč é uma pequena cidade qualquer desconhecida da região Vysočina na República Tcheca.

História[editar]

A cidade é naturalmente defendida cercada por um pântano gigante.

Esta cidade tcheca foi fundada no ano de 1101 por alguns morávios que decidiram morar ali, embora a primeira vez que a cidade foi mencionada em algum documento oficial foi apenas em 1277 num relatório sobre os vilarejos mais inúteis da República Tcheca.

Em 1338 estabeleceram um acampamento nas redondezas de Třebíč os primeiros ciganos, judeus e bolcheviques. Que escolheram essa isolado vilarejo justamente para ninguém suspeitar da trama que iniciaram a partir dali para conquistar o planeta, ficando com todos juros de todos os bancos do mundo para eles.

Todavia, em 1468 o lunático Matias I da Hungria descobriu a Grande Conspiração Judaico-Bolchevista e levou sua montaria de cabras para conquistar e destruir Třebíč, embora o péssimo marketing tenha feito essa campanha cair no ostracismo.

Em 1871 foi fundada a Gymnázium Třebíč, uma escola de gramática tcheca criada pelo Professor Xavier para ensinar mutantes a esconderem seus poderes do mundo em uma língua codificada onde se acentua até o "c", "r" e "z".

Justamente por causa de sua insignificância Třebíč não foi muito atingida na Segunda Guerra Mundial e por isso está inteira o bastante para hoje ser patrimônio mundial.

Economia[editar]

A pequena população de 40.000 tchecos vivem da indústria têxtil de coturnos e cadarços, e também da produção industrial de suco de pombo.

Patrimônio Mundial[editar]

A UNESCO considerou Třebíč patrimônio mundial por simbolizar a perfeita união harmônica entre judeus, ciganos, boêmios e bolcheviques, todavia não a cidade toda, apenas o bairro judeu e a Basílica de São Procópio.

Bairro Judeu[editar]

Representa o típico modo de vida judeu, com os primeiros bancos da Europa, as lojinhas que vendem castiçais, e todo mundo faltando o trabalho no sábado para ir coçar o saco no Velho Cemitério Judeu.

Basílica de São Procópio[editar]

Belíssima e chamativa basílica em arquitetura romântica, gótica e emo. Abrigava originalmente a Ordem de São Bento. Esta basílica simboliza que até mesmo os judeus são capazes de gastar dinheiro para erguer majestosos monumentos por medo de serem castigados por Deus por avareza.