The Outer Worlds

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Virtualgame.jpg The Outer Worlds é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Nathan Drake escapa de maneira cinematográfica e milagrosa mais uma vez de uma morte


Futurama The Game: O Mundo das Lontras
The Otter World.png

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Bethesda Obsidian Entertainment
Publicador Alguém
Ano 2019
Gênero RPG com tiro sem sexo
Plataformas Epic Store, PS4, Xbox One, Switch
Avaliação 9/10 (a ausência de sexo gay impediu a nota máxima)
Idade para jogar Livre (sem cenas de sexo)

The Outer Worlds é um jogo de videogame cross-over do mundo de Fallout New Vegas com Borderlands que busca ser uma IP que não seja plágio de Mass Effect por isso não traz nenhum enfoque em putaria e viadagem e maior foco apenas no humor nonsense do Guia do Mochileiro das Galáxias cujo autor já morreu e não pode mais acusar o game de plágio, ou seja, um jogo sem originalidade e nem carisma próprio que foi lançado às pressas em 2019 mas só ficou conhecido em 2020 depois que a exclusividade da Epic caiu.

Desenvolvimento[editar]

Obsidian Entertainment usando um cenário qualquer de Fallout e colocando só mais colorido para disfarçar.

Quando a Bethesda criou sozinha o Fallout 76 em 2018, ignorando completamente a existência de seus chapas da Obsidian Entertainment e lançando um jogo altamente odiável repleto não apenas de bugs mas também de dezenas de práticas extorsivas e acintes contra o enredo original do que sempre foi Fallout, a Obsidian decidiu vingar-se de seus antigos sócios quando perceberam que não precisavam ficar esperando autorização da Bethesda para criar um novo Fallout, bastava criar um Fallout e usar um outro nome qualquer no lugar, e assim surgia a ideia de "The Outer Worlds", um Fallout na temática de Futurama.

A produção foi corrida e o jogo precisou ser bem curto porque senão demoraria até o lançamento de Starfield, o Futurama oficial da Bethesda, e a Obsidian se esforçou em lançar The Outer Worlds com vários anos de antecedência aos novos rivais. Essa pressa em criar o jogo, todavia, rendeu certas consequências, como um estranho bug em que é possível jogar no single player sem precisar pagar 100 dólares de anuidade. Mas fora os bugs, outra consequência notável é uma campanha curtíssima que pode ser terminada em apenas um fim de semana de jogatina, fazendo você pensar se vale mais a pena gastar 100 dólares por um fim de semana de jogo ou por um ano inteiro de jogo.

Um jogo de 10 horas de duração com o preço de um triple A e temática de Fallout, parecia que nada podia incomodar os ex-fãs da Bethesda que aguardavam o jogo ansiosamente para 2019, mas eis que a Obsidian se rende ao mesmo capitalismo selvagem que critica no jogo e se vende para a Epic Store e fica de fora da Steam, causando angústia nerdística nos agora ex-ex-fãs da Bethesda.

Jogabilidade[editar]

The Outer Worlds é um Fallout New Vegas mas sem o pip-boy ou o V.A.T.S. por questões estritamente de direitos autorais. Como agora não é mais possível pausar o tiroteio para selecionar alvos corporais dos inimigos com porcentagens, agora a nova habilidade do jogador consiste em retardar tempo de modo que até um noob consegue dar um head shot. Como a variedades de inimigos é bem reduzida, você só tem humanos, robôs, cachorro e louvassauros para matar, na maior parte do tempo você está é conversando com a grande quantidade de NPCs insanos espalhados pelos cenários. A maior parte do jogo o jogador estará conversar e precisando tomar decisões morais e políticas enquanto sempre lhe é garantido a possibilidade de insultar os NPCs, um mecanismo muito bem aceito porque sempre odiamos um NPC ou outro e a possibilidade de escrotizá-lo e humilhá-lo sempre estará lá.

O jogo também traz um notável elemento de exploração do mundo e do cenário de modo que o jogador deve investigar banheiros, quartinhos, porões, armários, pias para coletar uma caralhada de itens os quais nunca vai chegar a efetivamente usar, e enquanto perambula pelo mundo causando extermínio da fauna nativa de planetas alienígenas e vandalizando casas alheias o jogador pode ser acompanhado por até dois capangas selecionáveis dentre 6 amigos.

O sistema de RPG disponibiliza leveis a serem upados que rendem perks que podem ser utilizados para aumentar as capacidades de persuasão, gazua, persuasão, hacking e persuasão, além de um sistema de fraquezas no qual ao levar um mesmo tipo de porrada várias vezes você pode optar por ter uma fratura craniana permanente e outros danos permanentes.

Enredo[editar]

Jogo disponibilizado em brasileirês, destaca-se não apenas pelos diálogos bem humorados, mas pela possibilidade de ofender qualquer NPC.

O jogo se passa no ano de 2355 num outro sistema solar chamado Bonança (Halcyon) num mundo de uma linha temporal fictícia onde William McKinley nunca foi assassinado em 1901 e se reelegeu 10 vezes, nunca sendo sucedido por Theodore Roosevelt, criando um efeito borboleta em que a sociedade do futuro expurgou completamente qualquer ideal comunista, progressista ou conservador tornando-se completamente anarcocapitalista, ou seja, uma sociedade governada exclusivamente por megacorporações de nomes Google, Facebook, Amazon, Sadia, Walt Disney, Wallmart, Nestlé, Coca-Cola e Apple, corporações estas que seria livres para exercer a semi-escravidão através do controle total e absoluto dos meios de produção, o que possibilita consequentemente a compra planetas inteiros.

O jogador é um terráqueo que é acordado de seu sono criogênico por um cientista louco e recebe um monte de informação aleatória sobre estar na Terra 2 que é o novo nome da Terra após o hecatombe nuclear sendo possível notar a diferença que a radioatividade causou no longo prazo de 300 anos após o desastre. O jogo então gira em torno das ilicitudes cometidas pelo protagonista, a começar pelo assassinato de um capitão e o roubo de sua nave que se chama "Falível".

Como o jogo é repleto de decisões o enredo possui muitas variáveis, pois o jogador é livre para se aliar aos anarcocapitalistas, aos comunistas, aos biriteiros, aos arruaceiros, aos empresários chatos, aos criminosos ilícitos, aos piratas, aos donos da Friboi, enfim, trilhar seu próprio destino inclusive decidir trair o cientista louco que libertou você se assim desejar, e por isso o jogo disponibiliza uns 70 finais diferentes.

Personagens[editar]

  • Protagonista - Assim como em todo jogo da série Fallout, o protagonista é completamente customizável, podendo variar de gênero, cor, cabelo, estatura. O único elemento comum que não dá para modificar é o fato de não possuir genital, o que o impede de ter relação sexual com qualquer membro da equipe, o tornando um raro personagem de RPG moderno que não faz sexo. Ainda não se sabe porque há tantas opções de customização se o jogo é em primeira pessoa e jamais vemos a cara ou corpo do nosso personagem e até mesmo na tela das habilidades ele vai estar sempre com armadura e capacete.
  • Parvati - Uma garota doce e gentil que rapidamente virou a waifu dos fãs do jogo porque é completamente leal e submissa ao protagonista. Teoricamente ela é a mecânica, mas nunca está realmente concertando alguma coisa, de vez em quando só dichavando com um maçarico. O único jeito de realmente irritar ela é você matar a amante lésbica que Parvati tem chamada Junlei, que ela pega o Zap logo no começo do jogo e não para de trocar mensagens com a namoradinha. O seu ataque especial é uma marretada de choque.
  • Vicar Max - Um padre hacker que está completamente obcecado em traduzir um livro que está escrito em francês, um idioma que foi considerado excessivamente ridículo e banido no futuro em que se passa o jogo. Enquanto busca um tradutor clandestino descobrimos que o padre na verdade é um ex-presidiário que ama traficar LSD, e dependendo da índole do jogador ele pode se juntar a Max nessa ideia de consumir drogas e ter alucinações.
  • Felix - Um rapaz punk que se encontra num dilema porque embora ele queira ser um punk e se revoltar contra o sistema, o sistema vigente já é o anarquismo com as pessoas fazendo o que quiser.
  • Ellie - Filha de pais ricos ela decide se tornar uma bandida assassina solitária por pura revolta adolescente.
  • SAM - Um robô de faxina ideal para manter a limpeza da nave e de outros lugares infestado de coisas sujas, especialmente quando o braço mecânico onde vai o detergente é substituído por um cilindro de amoeba verde ácido corrosivo.
  • Nyoka - A negona de cabelo rosa-choque que é a caçadora de louvassauros. Seus amigos caçadores morreram tudo, então ela meio que fica sem ter o que fazer, então segue o protagonista.

Localidades[editar]

  • Terra 2 - Onde começa o jogo, um planeta inteiro onde só tem três cidades, o vilarejo de Pontágua onde há uma rivalidade entre o dono da Herbalife que governa a cidade e dissidentes que querem ter o direito de plantar sua própria erva, a região de Rotarrosa onde estão as fábricas de produção de creme dental diet, e a capital Bizâncio onde estão os donos dos grandes conglomerados do sistema solar. Em sua órbita está o secreto Laboratório de Phineas e a nave Esperança.
  • Vanguarda - Uma nave cheia de punks, criminosos e mecânicas lésbicas
  • Monarca - Planeta ainda mais inóspito que a Terra 2, também tem só 3 cidades, a cidade de Angra Estelar governada pelo dono da T-Series, a cidadezinha de bandidos de Ribeiruna e o esconderijo dos iconoclastas que desejam ver a destruição do maior canal de Youtube do mundo.
  • Cila - Um asteroide que só serve para ter umas side-missions por ali.
  • Tártaro - Planeta-Presídio teoricamente de segurança máxima mas os guardas parecem que estão num retiro de férias, além de haver um monte de caixote desnecessário espalhado por toda parte garantindo vários locais para pessoas se esconderem atrás, não a toa o jogador invade o local na missão final e o conquista facilmente.

Recepção[editar]

Além da polêmica da exclusividade com a Epic Store em detrimento da Steam e do fato de você conseguir zerar esse jogo em um fim de semana, The Outer Worlds acabou recebendo várias avaliações regulares porque embora proporcionasse muito diversão ele acabou não oferecendo o que mais os jogadores esperam de um jogo de RPG moderno: sexo gay. Não há qualquer possibilidade de sexo gay com os companheiros de tripulação nesse jogo e isso deixou os fãs profundamente decepcionados. Quem não queria ser uma capitã pegadora que ficasse com a Parvati? Ou um viadão gostoso que pudesse dar o cu pro Max? Por isso todos sites especializados em avaliação não puderam dar nota 10 para esse jogo, que recebeu várias notas 9 e 8,5.