Universidade Federal Fluminense

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rioband.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.

Deliciosa iguaria do bandejão: "Frango(?) ao Molho" servido em 4 de outubro de 2007
Bandejão ideal.

Cquote1.png Você quis dizer: Boca de fumo? Cquote2.png
Google sobre Universidade Federal Fluminense
Cquote1.png Experimente também: Concentração de desempregados Cquote2.png
Sugestão do Google para Universidade Federal Fluminense
Cquote1.png AEEE, TIREI 4, VOU PRA VS!! Cquote2.png
Calouro de Calculo I feliz por conseguir ir para VS.
Cquote1.png Ih foi mal. A minha é federal! Cquote2.png
Aluno da UFF sobre única vantagem da UFF.
Cquote1.png Qual é mesmo o seno de 60? Cquote2.png
Aluno de engenharia no segundo ano de faculdade
Cquote1.png Ir pro bandejão PODE! Cquote2.png
Dra. Lorca sobre UFF.
Cquote1.png Só me UFFodo!!! Cquote2.png
Aluno da UFF ao final do período sobre sua performance acadêmica.
Cquote1.png Carne moída, milho e azeitona. Cquote2.png
Aluno na larica sobre o que ele quer comer.
Cquote1.png Põe mais uma concha, tia! Cquote2.png
Aluno guloso no Bandejão sobre seu desejo de comer mais feijão.
Cquote1.png Quem não faz UFF tem o Universo todo à sua frente Cquote2.png
Professor de cursinho filosofando com os pré-calouros sobre UFF.
Cquote1.png Todo ano ímpar greve tem! Cquote2.png
Mestre Yoda sobre UFF.
Cquote1.png Todo ano par também! Cquote2.png
Aluno da UFF sobre citação acima
Cquote1.png Fuma, fuma, fuma, folha de bananeira... Cquote2.png
Estudantes de história em momento de descontração.
Cquote1.png Vou processar a UFF! Cquote2.png
Aluno de Direito após escorregar em banheiro alagado.
Cquote1.png Fluminense? Se fosse do Mengão seria boa!!! Cquote2.png
Flamenguista sobre UFF.
Cquote1.png Seminário Marxista? É dez real! Cquote2.png
Pseudo-comunista no bandejão.

A Universidade Federal Fluminense é uma pseudoinstituição de ensino público de Niterói especializada na formação de maconheiros e comunistas.

Divisão Espacial[editar]

A UFF encontra-se espalhada por vários campi pela cidade de Niterói. Isso força os alunos a praticarem exercícios físicos, como caminhada e corrida, para chegar à tempo para a próxima aula. Os alunos abastados usufruem dos serviços dos ônibus. Já estudantes podres de rico usam carros próprios para se locomover. Há casos até de uso de Taxi!

A seguir os campi da UFF:

Campus Gragoatá[editar]

Parece um conjunto habitacional, mas é o Campus Gragoatá

O maior e mais conhecido campus da UFF. Lá existem espaços (in)úteis como o bandejão, a biblioteca, a caverna do Bin Laden, o pátio de estacionamento gratuito e a academia. Encontram-se os cursos de Letras (aramaico, hebraico, niteroiense), Psicologia, Serviço Social, História, Relações Internacionais, Pedagogia, Filosofia, Ciências Sociais, Educação Física, Turismo e Estudos de Mídia. No segundo semestre de 2011, foram abertos os cursos de graduação em Sociologia e Antropologia, que prometem aumentar consideravelmente o número de playboys adeptos do marxismo vulgar e de pseudo-hippies pós-modernos que pensam que são indígenas. Há também a presença assídua de estudantes de Produção Cultural, que deveriam estar no outro campus, o IACS, mas que frequentemente vão às baladas do Gragoatá. Trata-se do campus dos futuros desempregados ou vendedores de cachorro quente.

É o segundo maior curso de formação de moradores de rua e vendedores ambulantes do mundo, perdendo apenas para a Europa Oriental. Em geral, os estudantes deste campus usam roupa de mendigo, e para não alimentar o mercado capitalista do papel-higiênico, se limpam com as próprias vestes.

Repleto de pseudo-reencarnações de Bob Marley, Che Guevara e mulheres presas mentalmente aos anos 70 (são peludas mesmo), este campus apresenta a maior variedade de aberrações sociais por m² de qualquer lugar conhecido.

Seus vastos campos verdejantes são usados para a prática do nudismo, choppada, pescaria, sexo entre lésbicas, consumo (e plantio) de maconha, partidas de peladas e protestos dos pseudo-comunistas revolucionários em suas Kombis caindo aos pedaços (e, claro, com mais consumo de maconha). Além dos pequenos e singelos cães que já fizeram de lá sua moradia fixa.

Um acampamento woodstock foi criado no campus gragoatá, uma vez que é o lugar mais perto das fontes baratas de vinho Cantina da Serra, e sendo perto da cantareira era certo alguém salvar um! Lá acontecia festas populares, freak-encontros juvenis, e a gravação do Triller, o grande sucesso de Michael Jackson. O acampamento-bar acabou depois de muitas reivindicações e festas comemorativas.

Há também uma lenda que diz que se você gritar marx três vezes na porta do gragoatá vai surgir um guri de camisa social te entregando um Jornal Comunista e pedindo seu número.

Campus Praia Vermelha[editar]

Um close no campus da Engenharia.

O campus é conhecido também como Escola de Engenharia, entretanto abriga (apesar de desprezá-los) os cursos de Arquitetura, Desenho Industrial, Ciência da Computação, Sistemas de Informação, Física, Geografia e Geofísica. É o espaço de maior concentraçao de homens por m² e campo de batalha entre nerds com tendencias homossesuais reprimidas estudantes que decoram um monte de fórmulas inúteis (que dizem ser importantes) e maconheiros marxistas (geralmente alunos de Geografia e Arquitetura).

A organização do campus segue a seguinte lógica:

Os prédios principais (o prédio velho e o prédio mais velho ainda) são os do curso de engenharia que "sedem" espaço para os alunos da Ciência da Computação e Sistemas de Informação (que são iludidos em um dia mudarem para o novos campus do Instituto Computação que está em construção à mais de 10 anos e ninguém sabe onde fica). A edificação conta com réplicas de elevadores hospitalares assassinos, que quando funcionam possuem vontade própria, subindo até o andar que lhes convém, emitindo ruídos estranhos e fechando suas portas sem se importar se braços ou cabeças serão arrancados; o prédio da geociência ninguém sabe que existe e se encontra no fundo do campus, entretanto é o que há de mais moderno em contrução universitária, abrigando inclusive, um elevador que funciona; ao lado deste está o prédio da física, que, na prática, ninguém sabe como se organiza (nem os próprios usuários) e a casa velha caindo aos pedaços que sobrou o casarão do século XVIII tombado pelo Governo Federal que abriga os estudantes de arquitetura.

No início de 2012 foi inaugurado o Bloco H (que curiosamente também é chamado, ninguém sabe por que, de UFASA). Um prédio moderno (sic) situado à 10 min de caminhada, por uma rua lamacenta e sem iluminação, dos prédios principais onde os 3 elevadores só funcionam um de cada vez, as paredes são feitas de divisórias plásticas que não aguentam vento (o que é curioso, pois o prédio está localizado à beira mar) e as salas são equipadas com modernos aparelhos de data-show e computadores com Linux que os professores não sabem operar. Uma das salas possuía também uma lousa eletrônica de última geração, mas que foi estragada por uma professora que não sabia o que era uma lousa eletrônica e desde então está interditada. Algumas das salas de aula também possuem aparelhos de ar condicionado, mas muitos estão fora de uso pois suas tomadas são incompatíveis com as instalas no prédio. Esse prédio é frequentado por alunos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação (que foram parcialmente expulsos do prédio de Engenharia), Física, Educação Física (o que elevou bastante o número de meninas gostosas do campus, porém também o de gays) e por bandidos armados que às vezes assaltam os alunos, às vezes roubam os data-show e computadores das salas de aula e as vezes fazem ambas as coisas. Os últimos tem entrada privilegiada pelo muro que foi derrubado ao lado do prédio para uma obra que começou mas nunca teve continuidade.

As espécies que freqüentam o campus são facilmente reconhecíveis:

Os playboys de camisa social e nike shox são os estudantes de Engenharia. Em geral estão na faculdade para agradar ao papai e herdar dele sua construtora para aumentar a fortuna da família. Convivem com homens em 95% do seu dia e aparentemente não se importam muito com isso. Suas atividades favoritas são chopada no DCE, azarar as alunas da Arquitetura, conversar sobre números e gastar o dinheiro dos pais.

Os maconheiros estudantes de geografia costumam andar de calças rasgadas, camisas com foto do Che, chinelos e um baseado na mão, ou seja, fantasiados de alunos do Gragoatá. Sua única diferença em relação aos estudantes citados é que eles possuem "consciência ambiental" ou seja, para cada maconha fumada, duas são replantadas. Suas atividades favoritas são: boicotar o ENADE, boicotar os trabalhos finais de graduação, boicotar as eleiçoes para reitor, tentar boicotar as eleições presidenciais, e fazer jornal comunista usando frases de efeito do Cazuza ou Bob Marley.

Os alunos de Arquitetura se dividem em três classes: filhinhos de papai que fazem de conta que são duros e comunistas, homossexuais alternativos que na verdade queriam estar fazendo produção cultural e patricinhas que sonham em ser Zaha Hadid e desenhar Melissas. As alunas de Arquitetura são a alegria do campus, sem elas seria impossível manter tantos estudantes de Engenharia confinados lá por tanto tempo. Suas atividades favoritas são: fingir que são políticos e boicotar o ENADE, falar sobre arquitetura, criticar arquitetos, criticar o reitor e azarar os alunos da Engenharia.

O logo da desgraça

Os alunos do Instituto de Computação se dividem em duas classes: os nerds absolutos e os nerds relativos. Os nerds absolutos são aqueles que concluem o curso no tempo mínimo, odeiam todo e qualquer tipo de contato social, jogam magic e enchem os sacos dos professores no intervalo entre-aulas procurando alguma oportunidade de entrar em um dos muitos laboratórios para engrandecer seu currículo e sair para o mercado de trabalho da mesma forma que entrou na universidade: um bunda. Já os nerds relativos, são os tranquilos que repetem trocentas matérias, andam pelo campus tristes porque não passaram em Cálculo II pela 3ª vez. Geralmente, procuram ajuda psicológica e perguntam aos professores se eles tem como passar na matéria logo o início do período. Pagam de fodões e pegadores porque são menos nerds que os nerds absolutos, mas no fundo, todos sabem que eles são a mesma merda. O curso de Ciência da Computação também possui primeiro lugar no ranking de Nariz-em-pé por metro quadrado, onde se orgulha de apresentar uma comunidade de sabe-tudos e manda-chuvas que acham que são os próximos Steve Jobs do universo, quando na realidade são apenas um bando de arrogantes.

Já no curso de sistemas de informação estão muitos fracos ex-alunos de Ciência da Computação que acharam que seria mais fácil se formar pelo curso só ter uma cadeira de Cálculo, além de dos vários bundões que só passaram através da mais aperfeiçoada técnica do uni duni tê. As atividades favoritas dos alunos de computação são: jogar lol, inventar histórias das meninas que nunca pegaram, fazer chopadas à preço de banana para ver se alguma menina vai e reclamar das matérias loucas do curso. Também frequentam o campus estudantes de Química, cães vira-latas de variadas cores e com as mais variadas doenças, portugueses, franceses, roedores e felinos.

Ao entardecer, uma grande névoa cobre todo o estacionamento ao lado da Geociências. É um sinal que muitos alunos de Geografia estão realizando uma de suas saídas a campo para consolidar o senso geográfico. Ou seja, puxar um beck. Ao anoitecer, o campus é invadido por maconheiros não inscritos na universidade que utilizam o espaço para fumarem seus baseados sem ter problemas com os PMs, que, inclusive, entram para fumar também.

Campus do Valonguinho[editar]

Plaza Shopping: Refúgio da playboyzada nos momentos de tédio

Conhecido também como "O campus do nada", ou "A parte abandonada e sem valor da UFF". Encontra-se no centro, ao lado do único maior shopping da cidade, o Plaza Shopping, refúgio de alunas patys e de alunos playba nos momentos de tédio.

Lá residem os cursos de Matemática (duh!), Administração, Odontologia, Medicina, Nutrição, Química, Turismo, Biologia, Ciências Contábeis e Ciências Atuariais. Além disso abriga a sede do DCE, usado para partidas de sinuca, chopadas, pegação de lésbicas e assembleias dos estudantes de toda a universidade, no seu acabado teatro.

Muito conhecido também pelas manicures de branco em suas reboladas fenomenais pelo campus.

O banheiro do prédio de matemática é também conhecido como banheiro de presídio. Geralmente os alunos deste curso usam o banheiro do prédio de odontologia devido a falta d'água na área. O prédio foi condenado pela defesa civil, que apontou que a grande concentração de urina no chão (devido à ausência de descarga nas privadas) infiltrou e comprometeu a estrutura do mesmo. Quem estaciona na área em frente ao banheiro masculino do 1º andar deve tomar cuidado, pois o mictório divide espaço com a pia, e ambos se localizam em frente a uma grande janela que proporciona uma vista privilegiada aos genitais do urinante.

Sem esquecer que no Valonguinho também encontramos o Anatômico. Lugar agradável, habitados por estudantes de Odontologia, Medicina, Enfermagem, Farmácia, Biomedicina, Educação Física e Veterinária. Um local onde tem água potável, banheiros limpos, bebedores com água gelada. Lugar disputado por todos em vespera de provas. No entanto, este local é também o refúgio de seres medonhos e asquerosos: as "baratas imortais do Anatômico". Elas se divertem "nadando" nas banheiras de formol onde são conservadas as peças anatômicas. A sorte de Niterói é que essas baratas nunca se aventuraram fora do campus, senão seria o fim da civilização humana!

P.S.: menor concentração de homens bons por metro quadrado, por isso as pobres alunas que residem no valonguinho são obrigadas a interagir com a Engenharia.

Campus da Economia[editar]

Localização do campus da economia e IACS

Perdido no meio de uma selva, é um dos campos menos conhecidos da UFF, sendo assim um ótimo habitat para animais selvagens conviverem, no qual se destacam micos, piranhas meninas de família, estagiários cachorros e nerds. Há 3 caminhos para o local, sendo 2 pela favela do morro do Estado e 1 pela favela do Castelo. É considerado pelas facções marxistas/leninistas/maoístas do gragoatá como um local de resistência inimiga devido a maciça presença de neoliberais e keynesianos. Os raros marxistas que lá freqüentam tomam o devido cuidado de se manter em sigilo, evitando qualquer comportamento que os identifique como tal (boinas à lá Che, barba por fazer, camisas CCCP, etc). Devido à proteção natural proporcionada pelas favelas das redondezas, conseguiu se manter livre da invasão desses militantes de esquerda até o presente momento.

A selva ainda tem lugar para dois monstros que lá vivem desde o fim da segunda guerra mundial, Seu Moacyr e Lérida Maria Lago Povoleri (Povolerida para os íntimos, porque segundo ela, começa como termina e termina como começa - definição feita só para assustar ainda mais os alunos pueris que entram todos os semestres). Aliás, Seu Moacyr MORA num apartamento no proprio campus da faculdade desde 1956! Recentemente, a antológica Alice Werner foi assassinada sepultada na própria faculdade, junto com um exemplar de "O Capital". O local do sepultamento não foi divulgado pela administração, porém tudo indica que ela está embaixo de um "monte de terra" que se encontra embaixo da rampa que segue para o 2º andar. Muitos alunos relataram sentir uma estranha sensação de arrepio quando passam pelo local, indicando que ele está assombrado desde então.

Razoavelmente bem equipado com ar-condicionado em todas as salas e um laboratório de informática amplo, falta apenas a liberação da venda de bebidas alcoólicas na cantina da faculdade (bareco), para que esta se torne um verdadeiro paraízo para os vagabundos que se deslocam até a cantareira para encher o pote. É importante alertar a administração da faculdade para o caso, pois o trânsito dos alunos fora do campus pode gerar conflitos entre os alunos deste campus e os marxistas gragoatanianos.

Em 2013 a economia perdeu a proteção natural dos morros e foi transferida para o gragoatá. Agora conta com as magnânimas instalações do único prédio do campus com falha estrutural e cuja rede de ar-condicionado não funciona. No mesmo movimento, uma série de vagabundos marxistas agora frequenta suas salas de aula. Reza a lenda que nenhum se forma em menos de 6 anos.

Campus IACS[editar]

É o Instituto de Artes e Comunicação Social (IACS), que se localiza próximo ao campus da Economia e onde concentra os cursos de Jornalismo, Cinema, Publicidade, Estudos de Mídia, Produção Cultural, Arquivologia e Biblioteconomia. Lá encontram-se convidativos mictórios na entrada e privadas suspensas ao ar livre que os alunos insistem em chamar de "arte" para justificar o nome do instituto.

É também o lugar onde está a maior concentração de tênis All-Star e óculos de armação grossa colorida por metro quadrado. Todos os homens de lá são viad..., digo, emos covers dos Los Hermanos causando uma ilusão de ótica, tamanha a concentração de listras e xadrez espalhadas pelo campus. O local é também conhecido por avistarem facilmente tatuagens de caveiras mexicanas e harekrishnas lunáticos que se alimentam da radiação solar.

Ultimamente tem sido objeto de discussão a iniciativa da Câmara dos Vereadores de Niterói de fazer do IACS um ponto turístico da cidade, já que as figuras mais estranhas do planeta se encontram lá. Figuras muito exóticas, incuíndo várias reencarnações de Raul Seixas, covers de Janis Joplin, David Bowies tupiniquins e um Serguei jovem podem ser vistos no campus.

Tirando os Gudang-zeiros fedidos, o IACS também tem coisas aproveitáveis. Por exemplo: as mais gatinhas da UFF são as de lá. Pena que as poucas que não são maconheiras, lésbicas ou lésbicas maconheiras sempre têm namorado (TRISTE VERDADE!), que não largam de jeito nenhum, pois lá no IACS é difícil encontrar um homem de verdade e que preste.

Além das meninas, há também o digníssimo "Trailer da Cida" (também conhecida como HomiCida, ApodreCida - nota: descanse em paz, Cida! Nós sempre te amaremos! In memoriam ☼1902 - +2008), que vende coxinhas com prazo de validade indeterminado e almoço por apenas R$ 3,00/3,50/3,80. É um "point" muito apreciado por alunos de todos os outros cursos - o que faz com que a fila sempre esteja no número 384 e a distribuição de pratos no 17, criando assim uma xenofobia uffiana.

Outro ponto importante na estrutura do IACS é a xerox das periguetes. Mulheres de beleza, no mínimo, questionável que assediam os estudantes de economia que fogem de sua xerox lotada pra fazer cópias por lá. O mesmo não acontece com os estudantes do próprio campus pois estes não vestem ternos ou camisa social (passando a impressão de serem bem sucedidos financeiramente) nem apresentam um padrão mínimo de masculinidade, o que inibe a ação das "xerocadoras".

O IACS é o único campus da UFF (quiçá do mundo) que tem uma praia particular (com areia, calçadão, palmeiras, paisagem, coliformes fecais e tudo). A praia é utilizada para manifestações, exposições e serve como caixinha de areia para os muitos gatos que habitam o campus. Hoje a praia foi destruida e agora é chamada de praia por falta de outro nome mesmo. Tudo obra do mesmo mentecapto renomado (#NOT) professor (cof!) que instalou os benditos mictórios Duchampianos na entrada do campus.

Curiosidade (como se já não houvesse tantas): o campus do IACS é entrada de uma favela! E isso é sério. Vários moradores do morro atrás do IACS tem a CHAVE do cadeado do instituto. Não é surpresa, portanto, que o IACS tenha sido roubado em mais de R$ 300.000,00 há uns anos atrás, quando levaram televisores, DVDs e outros aparatos eletrônicos. E com as chuvas, as inundações entram exatamente na sala dos equipamentos de cinema, como num filme B americano. Assim, bem iacsiano mesmo. TODOS SÃO BEM VINDOS!

Campus do Direito[editar]

Um dos mais antigos aonde tem suas alunas gordas e feias e alunos nerds e magrelas tentando entrar para a polícia quando se formar sabendo que será um merda de advogado. Forma o Triangulo das Bermudas junto com IACS e Economia. Não se sabe nem nunca se viu algum aluno realmente estudando por lá, mas o campus é útil como ponto de referência em Niterói. Por exemplo: perto do Campus do Direito ficam o Museu do Ingá, a Pensão da Tia Verinha, o Aurelino Leal e o Pão de Açúcar Ingá! Dada a sua importância geográfica, ele foi alçado à Patrimônio Histórico e Cultural da Cidade, concorrendo com a Estátua do Índio Araraboia e o Hospital Universitário Antônio Pedro (também de UFF), com seu pórtico magnífico em homenagem ao Profeta Gentileza.

A Faculdade de Direito é formada por dois prédios: o prédio da frente, que é bem cuidado(também conhecido como prédio para inglês ver), e o prédio anexo, sendo que o último pode ser considerado um genuíno prédio público, porém possuí uma quadra que faz a alegria das engenharias pois é o único local onde dá para jogar futebol de graça (isso quando consegue marcar um horário na sempre cheia agenda).

Os alunos de Direito são reconhecidos por sua estupidez e elitismo, chegando ao ponto de fechar sua chopada para o público usando argumentos jurídicos do arco-da-velha e frases em latim. Sem falar que os caras só pensam nos "Jogos Jurídicos" (jogos onde nunca saem vencedores, apesar de só treinar pra essa merda o ano todo) e ficam enchendo o saco dos pobres colegas para praticar esportes e integrar a equipe esportiva da UFF.

Recentemente, os veteranos do curso de Direito, denotando total conhecimento sobre valores como ética e respeito à profissão que em breve (infelizmente) exercerão, começaram um processo para arrumar vaga numa especialização do direito penal: propuseram carinhosamente às calouras trocar a cota de singelos R$250,00 (que autoriza os calouros a irem nas chopadas mais sem agregação da Universidade, uma não pegação suja, sendo que os UFFenses preferem sujas pegações) por umas atuações em karalhokê. Espera-se que os veteranos desses atuais veteranos queiram, de fato, possibilitar a esses pseudo-intelectuais-reais-filhinhos-de-papai-nerds-magrelas-que-nao-pegam-ninguem-em-nenhuma-chopada (sendo preteridos pelas universitárias UFFenses por engenheiros gays héteros, engenheiros machões homos, engenheiras de pochete e capacete e gragoatenses assexuados) porem a boca no microfone no curso de aperfeiçoamento do Direito.

Centro de Artes da UFF[editar]

A única coisa útil no Campus de Icaraí

O campus mais zelite da Universidade Federal Fluminense, localizado em Copacabana Icaraí, bairro nobre da cidade, e, por este motivo, é onde se encontra a Reitoria. Antigamente, esse prédio era de um famoso cassino, que um Reitor inveterado ganhou no jogo e incorporou à universidade. No último andar, ainda ficam guardadas as roletas, as fichas e as grandes mesas de pano verde do antigo cassino, só aguardando a volta da liberação dos jogos de azar no Brasil para a reabertura do Cassino UFF. Dizem que o Reitor trabalhou ali na juventude como croupier, por isso não desiste de apostar em novos empreendimentos rentáveis como a Via Orla e a Orla 100.

De vez em quando, marxistas safados que trajam roupas coloridas se aglutinam sob alguma tenda fedorenta armada sobre o gramado em frente ao prédio. E lá promovem as suas atividades "culturais", que são na verdade variações do modo burguês de vida, com intenso comércio de livros, camisas, revistas, trouxinhas verdes e boinas marxistas a preços exorbitantes.

Tem também a orquestra da menina maluquinha. Toca umas músicas lá, e vem uns velhos domingo de manhã ouvir com suas cadeiras de praia. Os alunos da UFF desconhecem esse fato!!! Eu fui o ÚNICO aluno da UFFA! que frequentou esses concertos, fui o único ser humano capaz de aplaudir ao fim da apresentação.

Campus da Medicina Veterinária[editar]

O Hospital Veterinário fica em santa Rosa... só isso? ahh tem uma fazenda de cachorros em cachoeira de macacú uau que foda!!! Fica perto do morro souza soares onde são recolhidos muitos cachorros baleados para estudos no anatômico. As suas chopadas são as mais loucas frequentadas somente por alcoólatras. A melhor coisa nesse campus é um bandejão self service com ar condicionado e televisão.

Campus da Enfermagem[editar]

Localizado no centro de Niterói, faz as alunas (e os poucos alunos) andarem como tontas em direção ao Valonguinho e ao Gragoatá. A maravilhosa infra-estrutura do prédio conta com elevadores de ÚLTIMA geração e com manutenção de 700000 em 700000 anos. Sabe-se de casos de pessoas que ficaram presas pela porta e outras que tiveram que pular do elevador, preso entre andares, pra chegar ao local desejado.

O local mais frequentado do prédio é a famosa Sala 25. Uma sala como todas deveriam ser, como vários colchões espalhados pelo chão pro pessoal do estágio cochilar. Na biblioteca, você pode procurar qualquer livro, mas não irá achar. Devido a predominância de alunas no local, os banheiros da maioria dos andares são unissex, o que facilita a decisão dos alunos na hora da escolha de opção sexual. As alunas ficam loucas por sexo, mas não conseguem devido a escassez de homens no campus, visto que os RAROS que tem ou são gays, ou casados, ou gays casados.

Hospital universitário Antônio Pedro[editar]

Também conhecido com Castelo de Hogwarts, o HUAP é o maior posto de saúde hospital de Niterói, e também o lugar onde os estudantes de Medicina se escondem após fugir do Anatômico. É um prédio de 8 andares, com um anexo atrás, e sabe-se lá mais quantas salas, corredores e pátios, acessíveis através das muitas passagens secretas existentes no campus. Nele, você entra em uma escada no 1º andar, e magicamente aparece no 3º andar. Há rumores de que pelo hospital vagam criaturas misteriosas, de existência duvidosa, os estudantes de Medicina. Não se sabe onde eles se alimentam, nem do quê se alimentam, muito menos se eles dormem ou têm outros comportamentos que lembrem aqueles do uffiano normal. Portanto, nada melhor do que o HUAP para ser a melhor residência para estes seres curiosos, um lugar onde muitos entram, mas poucos conseguem achar a saída.

Veja também[editar]