Universidade Regional de Blumenau

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Reichtangle.png Desciclopëdia über alles in der welt!!!

Estä arrtigö é alemon! Issö querr düzerr que seu autorr suschtenta ö gerraçon interra com bratwurst e sauerkraut, serrvidös porr uma fräulein . Non faça scheiße, öu te porremos de quatrro nö Berliner Mauer.


A Universidade Regional de Blumenau é uma Universidade localizada na cidade de Blumenau (obviamente) conhecida mundialmente pelo maravilhoso jargão: "você conhece, todo mundo reconhece". Grupos de oposição ao atual reitor têm sugerido um jargão mais realista: "só você conhece, o resto do mundo desconhece".

Além disso, a Furb acaba de adotar o brasão que você vê abaixo. Ele também é mais realista, pois descreve o verdadeiro objetivo dos alunos que ingressam na Furb: fingir que estudam por alguns meses, enquanto bebem e assim se preparam para beber muito mais na Oktoberfest!

Brasão da Universidade.

Cquote1.png Você quis dizer: Universidade de Frankfurt Cquote2.png
Google sobre Universidade Regional de Blumenau
Cquote1.png Você quis dizer: Universidade de Berlim Cquote2.png
Google sobre Universidade Regional de Blumenau
Cquote1.png Você quis dizer: Oktoberfest Cquote2.png
Google sobre Universidade Regional de Blumenau

Os alunos[editar]

Cquote1.png Vai ter aula em outubro? Cquote2.png
aluno(a) da Furb, em qualquer ano do curso.
Cquote1.png Quanta mulher gostosa! Cquote2.png
aluno da Furb, em qualquer dia de qualquer ano do curso.
Cquote1.png Hail Hitler!! Cquote2.png
Palavra de ordem antes do início das aulas.
Cquote1.png Vamos beber um chopinho antes da aula? Cquote2.png
aluno da Furb, em qualquer dia de qualquer ano do curso.
Cquote1.png Vamos beber um chopinho durante a aula? Cquote2.png
aluno da Furb, em qualquer dia de qualquer ano do curso.
Cquote1.png Vamos beber um chopinho depois da aula? Cquote2.png
aluno da Furb, em qualquer dia de qualquer ano do curso.
Cquote1.png Vamos no Obs?? Cquote2.png
aluno da Furb, em qualquer quarta/quinta/sexta-feira de qualquer ano do curso.
Cquote1.png Cadê o Obs?? Cquote2.png
aluno da Furb, ao retornar das férias em 2010.
Cquote1.png Por favor, como faço pra chegar no Teatro Carlos Gomes??. Cquote2.png
Parentes de fora, chegando para a formatura e perdidos nos labirintos de Blumenau
Cquote1.png Furbette vagabunda, vou comer sua bunda ! Cquote2.png
aluno(a) nerd da UFSC sonhando em qualquer congresso/competição que junte as faculdades (Intermed).
Cquote1.png É uma experiência única... Cquote2.png
qualquer calouro deslumbrado por poder colocar no seu facebook que estuda naquela queimação de dinheiro universidade.


A Furb possui a maior concentração de alunos com descendência alemã do mundo, superando, inclusive, as próprias Universidade da Alemanha. Apenas na Furb você terá, por exemplo, colegas com nomes como "Helmut Schumacherstein" ou "Frida Beckenbauer".

Alunas do curso de pedagogia em aula prática.


Podemos definir os alunos da FURB nos seguintes grupos:


Típica loira gostosa da Furb.

* Filhinhos de papai de Blumenau e microrregião (50%): a Furb é o destino preferido de todos os playboys e patricinhas que compõe a elite blumenauense (também podendo ser incluída as elites de Gaspar e Indaial). Eis um resumo da história de suas vidas antes de ingressar na FURB: estudaram no Colégio Bom Jesus; foram pra Disney na adolescência; encheram o orkut com fotos do intercâmbio que fizeram para Munique, Berlim ou outra cidade alemã... Dedicam-se a tornar o ambiente universitario cada dia mais seleto, inferiorizando os que não estão no seu alto padrão social, que não usam roupas da Colcci ou mesmo os que possuem QI mais elevados do que o seu ( pesquisas revelaram que os filhinhs de papai tendem a um QI semelhante a um macaco com confusão mental).

  • Filhinhos de papai de Pomerode, Rio do Sul, Ibirama e outras cidades do baixo, médio e alto vale do Itajaí (30%): Duas características básicas diferenciam este grupo: muitos não vão até a Disney, limitando-se ao Beto Carreiro; Todos eles falam com o típico e ridículo sotaque regional, pronunciando apenas um "erre" palavras que têm dois. Ex.: 'Caroça', 'caro', cachoro, moro....
  • Trabalhadores / filhos de trabalhadores (10%): são pessoas que não pertencem às altas classes locais e regionais. Geralmente seus pais trabalham duro para pagar cada centavo das ABSURDAS mensalidades e seus filhos geralmente sabem quanto pagam para estudar na FURB. Moram em Repúblicas, evitam o monopólio econômico exercido pela Cia de Refeições da FURB. Buscam estudar o máximo possível, nos intervalos entre trabalho e cuidar da família, para não reprovar e gastar as dezenas de créditos financeiros novamente.


  • Alunos de outras regiões do Estado (8%): Há uma estranha concentração de alunos provinientes de outras regiões do Estado, principalmente das pequenas cidades do Oeste e Sul de Santa Catarina, que vem estudar na Furb.

Sabe-se lá porque, alguns vem morar a 300, 400 ou 500 quilômetros pra estudar em Blumenau, pensando que permanecer nos seus pólos locais, como Chapecó ou Criciúma, é pouco para eles. Na verdade, estes alunos dizem aos pais que a Furb é a melhor universidade particular do Estado, intencionalmente, para então vir para a região e comemorar o mês de outubro.

  • Negros, nordestinos e pobres em geral (2%): praticamente não há lugar para estes tipos numa Universidade tão elitista. Salvo um reduzido grupo de angolanos que, estranhamente, vieram parar em Blumenau, quando você cruzar com um negro nos corredores da Furb aproveita e bata uma foto, pois a cena é rara!


  • MULHERES GOSTOSAS!!!!! : Sejamos justos: nenhuma universidade brasileira tem tanta mulher gostosa como a Furb!

Os professores[editar]

Em geral, os professores são pessoas que atuam na respectiva atividade na cidade e que, para melhorar seu estatus profissional e poder cobrar mais de seus clientes, fazem um mestrado qualquer e vão dar aula na Furb.

Assim, como em toda universidade, há duas categorias de professores: os que fingem que ensinam e os alunos fingem que aprendem (geralmente grandes amigos dos alunos, alunos que falarão mal destes professores mais tarde); e há também aqueles que realmente ensinam e fazem os alunos estudar (provavelmente serão odiados durante a faculdade e elogiados depois).

Um professor atuando.


O calendário[editar]

O calendário da Furb é totalmente peculiar. É o único do Brasil a oferecer três períodos de férias durante o ano: as férias de verão; as férias de inverno, e as tradicionais FÉRIAS DE OUTUBRO!

Neste festejado mês, as aulas, formalmente, não chegam a parar. Mas, na prática, para tudo. Os alunos no máximo respondem a chamada e já correm se preparar pra festa (bebendo). Pela manhã, não conseguem acordar pra ir pra aula; à tarde, curam a ressaca; à noite, é preciso fazer esquenta pra festa. Este é o tradicional cíclo educacional do mês de outubro.

Objeto de estudo no mês de outubro.


A pesquisa[editar]

Há pouquíssima pesquisa na Furb. Afinal de contas, o que realmente importa a seus dirigentes é arrecadar dinheiro, e pesquisa dá uma despesa enorme... É por isso que são raros os mestrados e doutorados nesta instituição.

Em outubro, porém, ocorre um fenômeno interessante: os parcos pesquisadores dos respectivos centros, animados por boas quantidades de chopp, oferecem algumas interessantes soluções para os problemas locais. Vejamos algumas pesquisas "oktoberfestianas" de alguns ilustres pesquisadores:


** Professor Otto Von Schopenhauer ** , do departamento de estudos urbanísticos: "Vamos criar mãos inglesas no centro de Blumenau. Isso fará o trânsito fluir!"

Hora do rush em Blumenau.


** Professor Ralf Wolkswagen ** , do departamento de ciência política: "Lula, venha nos visitar na Oktober! Isso fará muito bem para a sua imagem, principalmente no exterior!"

Lula bebendo (redundância) na Oktober.


** Professor Arthur Frankfurt ** , do departamento de estudos ambientais: "Desenvolvemos um sistema antienchentes que permite que as pessoas tranquilamente construam suas casas nas proximidades do Rio Itajaí"

Casas próximas ao Rio Itajaí após mais uma garoa.


** Professor Hans Bayer de Munique ** , do departamento de estudos geológicos: "Desenvolvemos um sistema antideslizamento que permite que as pessoas tranquilamente construam suas casas nas encostas do Morro do Baú"

O Morro do Baú após as chuvas.