Valamiro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Este artigo é relacionado à história.

Não se surpreenda quando ler que a Rússia ganhou a guerra. 3 vezes.

Caravela-1.jpg
Valamiro, exemplo de serenidade

Valamiro foi um rei gótico do tipo ostra que, dando azar de ser conterrâneo de Átila, teve que começar trampando de estagiário para o huno enquanto este impunha seu reino de terror na Europa, que o próprio Vala ajudou a derribar com seus parças Teodomiro e Ardarico após o morrimento do inominável. Dos três, Valamiro foi o mais esquecido pela história apesar de ter tido o papel mais fundamental, sendo o que tacou a pá de cal no terror huno enquanto Ardarico só fez metade do serviço e ainda saiu com toda fama.

Biografia[editar]

Valamiro nasceu em 420, advindo da dinastia dos Amarelos, nome dado por seu apoio fanático ao Mirassol Futebol Clube. Como toda família nobre medieval europeia, os amarelos tinham suas manias estranhas e a deles era de batizar todos filhos com nomes começados em V sendo ele filho de Vandalário, que era filho de Vinitário, que veio de Vandalamano etc. etc. Sendo a última ideia de nome com V que sobrou, Valamiro cresceu pressionado a honrar sua linhagem ou seria deserdado e despejado na rua (ou naquela época, na floresta).

Valamiro fez curso de rei no SENAI e ao sair de lá era o mais qualificado a assumir o trono local após um interregno de 40 anos, pra você ver a qualidade do ensino público ostrogótico que era totalmente sucateado. Mas em plena época de hunos tocando terror, o cargo de rei ostrogodo tinha tanta moral e prestígio quanto o de supervisor de call center e Valamiro já subiu descendo, entrando na tutela de Átila, o sensei local.

Reinado de Valamiro[editar]

Valamiro em sua forma undead, movido a energia vital dos hunos derrotados

Valamiro começa a carreira naquelas invasões clichê aos vizinhos bizantinos e romanos que todo huno faz para passar o tempo, tentar ganhar uma moralzinha a mais com o chefe e subir primeiro que os colegas. Átila era um chefe daqueles que iludem os funcionários e enrolava Valamiro com promessas de aumento e de um dia ser promovido acima de seu amigo e rival Ardarico, fazendo os dois competirem igual bestas pelo coração do patrão enquanto Átila lá no topo colhia todos os louros das pilhagens.

Quando o huno finalmente veste o paletó de madeira, tudo muda. Os novos manda-chuvas filhos de Átila eram tão malas quanto, mas sem o poder de persuasão do mesmo, o que fez nossos heróis lançarem o motim que na Idade Média, era espadada no bucho.

Na revolta que se assucedeu, o resultado foi um verdadeiro owned da parte dos ostrogodos. Valamiro foi o que melhor representou o lema pouca mídia e muito futebol, pois se Ardarico cruzou a bola esmagando decisivamente o poder huno, foi Vala que arrematou pro gol aplicando o Fatality no último dos lazarentos, Dengizico, quando este ainda tentou dar uma última cartada. Ele só não contava que Valamiro tinha um zap na manga.

Vida pessoal[editar]

Seguindo as tradições familiares, Valamiro casou-se com a nobre Vadamerca e teve muitos filhos, todos com algum nome iniciado em V. Foi aposentado mais cedo durante uma batalha com elfos esciros, morrendo ao cair do cavalo e bater a cabeça numa pedra. Até tentou voltar como morto-vivo tal qual a imagem que ilustra o artigo, mas foi abatido de vez por um clérigo.

Seu mano Teodomiro assumiu o controle dos ostrogodos, já que Ardarico ficou indisponível após se incorporar numa armadura mecha e ingressar no elenco de Warhammer 40,000.

Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!