Velocidade Máxima 3

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desinopselogo2.png

Este artigo é parte do Desinopse, a sua coletânea de filmes rejeitados.

Velocidade Máxima 3
Speed 3
Velocidade Máxima 3
Speed3.jpg
1996 • 8
Direção Uwe Boll
Produção Local: Alemanha
Uwe Boll e família
Roteiro Uwe Boll
Elenco Heinz Sauerkraut e Oscar Van Piro
Idioma Inglês com sotaque alemão
Orçamento 824 mil dólares
Boll no lançamento mundial do filme.

Velocidade Máxima 3 (em inglês, Speed 3, em espanhol, Velocidad Maxima 3, em italiano, Veloccità Massima 3 e em português lusitano, O Terceiro Filme da Série Velocidade Máxima) é um filme de ação rodado em 1996 pelo diretor alemão de filmes-cabeça Uwe Boll, que queria de todo jeito entrar na carreira de fama e glórias de Hollywood. A obra, como todas as posteriores, foi um fiasco total, vencendo o troféu Framboesa de Ouro em todos os quesitos.

Pré-história[editar]

Sem dinheiro para contratar atores do nível técnico de Sandra Bullock e Keanu Reeves, estrelas dos dois primeiros filmes da série, o diretor produziu o filme com dois amigos que moravam no seu bairro, um deles portador do Mal de Alzheimer. No caso deste último, a doença acabou sendo uma vantagem, já que as expressões de pânico que o ator faz no filme são reais por ele ter esquecido que participava de uma obra de fricção ficção.

Além disso, como os veículos mais legais (um ônibus e um barco) já haviam sido usados, restou a Boll rodar sua produção num elevador. Este improviso também mostrou-se positivo, já que economizou recursos que puderam depois ser convertidos em lanches para toda a equipe técnica.

História[editar]

O roteiro, um "intenso drama psicológico",[1] gira em torno de um conflito entre Sigmund (vivido por Heinz Sauerkraut) e Carl (vivido por Oscar Van Piro), amigos de infância que pegam a mulher um do outro sem saber que o outro pega a sua, ou não. Ambos trabalham na mesma empresa, e decidem descer para almoçar. Estão sozinhos no elevador, no 42º andar, quando uma voz anuncia pelo alto-falante da máquina: Cquote1.png Existe uma bomba neste elevador. Ela vai ser detonada se ele parar em algum andar. Tenham uma boa tarde. Cquote2.png

Apavorados, os amigos entreolham-se, sem saber o que fazer, até que Sigmund, experiente cortador de cabos da Marinha, resolve abrir o teto do elevador e cortar o cabo que o sustenta, antes que alguém resolva chamá-lo (o elevador, querido leitor). No entanto, isso tem o incômodo efeito colateral de provocar uma queda irreversível, coisa que Sigmund, de ascendência portuguesa, só percebe quando é tarde demais. Assim, ambos tentam contar um para o outro o secreto segredo que escondem, num diálogo que se tornou conhecido por sua intensa carga dramática:

Sigmund: Oscar, eu preciso te confessar uma coisa.
Oscar: Eu também, Sigmund.
Sigmund: Tá bom, então fala você primeiro.
Oscar: Não, diz você.
Sigmund: Não, por favor, pode falar.
Oscar: Tem certeza?
Sigmund: É claro.
Oscar: Então tá.[2]

Neste momento, o elevador cai no chão, matando seus dois ocupantes, e começam os créditos.

  1. Jornal da Família Boll, 8/6/1996
  2. Esta linha foi inserida na última hora, apenas para garantir que os dois papéis tivessem o mesmo número de falas.

Repercussão[editar]

Velocidade Máxima 3, além de todos os troféus Framboesa de Ouro possíveis, também ganhou os seguintes prêmios:

Tumbleweed01.gif