Vypra

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esther-orphan.jpg Este artigo trata de uma mulher malvada.

Ela é a vilã, má pra cacete, mesmo assim você a adora, porém nunca
conseguirá algo com ela.

Cquote1.png Você quis dizer: Víbora Cquote2.png
Google sobre Vypra
Cquote1.png Experimente também: Wyvern Cquote2.png
Sugestão do Google para Vypra

Vypra purificada

Vypra é a Princesa do Inferno, subordinada da Rainha Bansheera e pertencente à tríade demoníaca responsável pela ressurreição da capetona.

História[editar]

Vypra te aguardando no Inferno

Após a morte da Rainha Bansheera, Vypra decide adotar o Príncipe Olympus, filho da falecida. Se um guri retardado humano mal consegue conter seus impulsos hormonais, imagina então um filhote de demônio, que já nasce literalmente pegando fogo. Assim sendo, Olympus passou a desenvolver sentimentos impróprios pela madrasta gostosa, que resolveu se afastar para evitar a fadiga fofoca.

Vendo que não era mais capaz de educar seu enteado, Vypra se une a seus colegas Diabolico e Loki para ressuscitar Bansheera. Através de suas macumbas satânicas, eles conseguem trazer a baranga de volta à vida, o que deixa Olympus revoltado. Como forma de vingança, ele inventa que Vypra deseja roubar o posto de governante do inferno de sua mãe, o que não faria o menor sentido, pois ela foi justamente uma das responsáveis por seu retorno. Porém, a inteligência nunca foi o forte de Bansheera, que acredita nas lorotas do filho mimado.

A fim de testar a lealdade de Vypra, Bansheera a promove a general do seu exército, deixando-a encarregada de liderar os ataques aos Power Rangers. Por ser vaidosa e gostar de pagar de fodona, a própria Vypra acabava se envolvendo fisicamente nas batalhas e voltava toda estropiada ao covil dos vilões. Indignada com a porra toda, Bansheera resolve absorver os poderes da assecla para si, matando assim Vypra e atingindo sua forma final de Super Saiyajin.

Na temporada seguinte, Vypra reaparece do nada sem explicação alguma, desta vez liderando um exército de mortos-vivos, apenas para encher linguiça.